Ecofuturo e CPFL Energia avançam na implantação de Biblioteca Comunitária em Campinas

A CPFL Energia, maior grupo privado do setor elétrico brasileiro, e o Instituto Ecofuturo, organização mantida pela Suzano Papel e Celulose, com o apoio da Prefeitura de Campinas, avançaram na implantação do projeto Biblioteca Comunitária no Parque Oziel, uma das maiores ocupações urbanas da América Latina. A Mobilização Comunitária, uma das etapas do projeto, foi realizada em abril, e reuniu a comunidade do bairro para um encontro com o Ecofuturo e a Secretaria de Educação, no qual os participantes puderam conhecer o projeto e expor as principais demandas na área de leitura, além de serem convidados a se envolver em todo o processo, garantindo que a biblioteca mantenha o seu caráter comunitário.

O encontro aconteceu na EMEF Oziel Alves Pereira, escola onde a biblioteca será implantada, e envolveu cerca de 300 participantes, entre professores, pais, alunos e moradores da região. Na oportunidade, a Secretária de Educação, Solange Villon Kohn Pelicer, e o diretor Pedagógico na Secretaria de Educação, Juliano Pereira de Mello, também estiveram presentes.

Durante a Mobilização Comunitária foram definidos, de forma voluntária e por consenso, 10 interlocutores da comunidade, que se tornarão atores importantes no controle social da biblioteca, na sua implantação e gestão. Para Aziz Ramos, diretor Educacional da EMEF, a participação da sociedade é essencial para aproximar seu relacionamento com a escola, além de incentivar e fortalecer o hábito da leitura em todos. “Ler ensina a sonhar, abre horizontes e traz novas possibilidades para todos. Com a nova biblioteca, todos poderão sonhar ainda mais”, afirma.

De acordo com a superintendente do Instituto Ecofuturo, Marcela Porto, bibliotecas em escolas são a porta de entrada para o universo da literatura e da leitura para a maioria das crianças que ingressam no ensino público. “A leitura é a porta para o autoconhecimento e, por meio dela, desenvolvemos a imaginação, a criatividade, e formamos cidadãos mais críticos, conscientes de suas próprias escolhas e responsabilidades com o meio onde vivem e com todas as vidas que o habitam”, complementa. O envolvimento das comunidades traz legitimidade ao processo de implantação da Biblioteca Comunitária Ecofuturo, possibilitando a apropriação do espaço público e a construção de uma identidade com o local. “Vale ressaltar que dos mil livros novos de literatura que compõem o acervo inicial da unidade, 30% são selecionados pela população”, finaliza.

Atualmente, a EMEF Oziel Alves Pereira atende cerca de mil alunos do ensino fundamental e médio. Esta será a primeira biblioteca da região aberta à comunidade e a expectativa é que aproximadamente 6 mil pessoas frequentem o espaço por ano.

Os próximos passos do projeto envolvem a realização de cursos de Auxiliar de Biblioteca e Promotores de Leitura, agendados para maio e junho deste ano, seleção e compra de acervo, aquisição de mobiliário e equipamentos eletrônicos e de informática, e a reforma da sala que receberá o projeto. A inauguração deve acontecer no segundo semestre.

A parceria entre a CPFL Energia e o Instituto Ecofuturo também contempla a implantação de Bibliotecas Comunitárias em Bebedouro e Marília, no interior de São Paulo. Em cada município, cerca de 30 representantes da secretaria de educação e da comunidade serão capacitados para a promoção de atividades de leitura e gestão de bibliotecas, sendo que dois serão funcionários da unidade.

O investimento de R$ 1 milhão da CPFL Energia no projeto Biblioteca Comunitária faz parte da sua estratégia de uso dos recursos do subcrédito social, uma linha de crédito concedida pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) quando uma empresa contrata um financiamento para a realização de investimentos. “Com esta linha de crédito, a companhia tem buscado apoiar negócios de impacto e políticas públicas que promovam a melhoria dos indicadores sociais das comunidades de sua área de atuação”, afirma o diretor de Sustentabilidade da CPFL Energia, Rodolfo Sirol.

FacebookTwitterLinkedInGoogle+