Rede de Investidores Sociais (RIS) do Distrito Federal define ação conjunta para 2017

A Rede de Investidores Sociais (RIS) do Distrito Federal, que reúne associados do GIFE e outras organizações da sociedade civil da região, dá um importante passo para consolidar a sua atuação local com a definição de uma ação colaborativa: o Café Social.

A proposta é que o grupo, bimestralmente, promova oficinas de capacitação para equipes de institutos e fundações participantes da RIS, trazendo questões relevantes para o fortalecimento do investimento social privado (ISP). O primeiro tema será “Avaliação de Impacto” e o encontro está programado para acontecer no mês de junho (em data e local a serem definidos).

Já para o segundo semestre, a ideia é ampliar o Café Social, oferecendo também a oficina para organizações parceiras dos membros da rede, ampliando ainda mais as discussões locais. Outros assuntos previstos para se tornarem pauta dos encontros são gestão de projetos, sustentabilidade financeira das organizações e inovação no terceiro setor, por exemplo.

Fábio Deboni, gerente executivo do Instituto Sabin, conta que o Café Social marca uma nova etapa da RIS, formada em março de 2015, num esforço prático de estabelecer uma iniciativa conjunta do grupo. Até o momento, a RIS teve como foco principal possibilitar a aproximação das organizações e a troca de experiências, algo que tem sido muito valorizado pelos investidores do Distrito Federal. Ao todo, já foram promovidos 12 encontros na cidade.

Diêgo Reis, assessor da Gerência de Assessoramento Estratégico da Fundação Banco do Brasil, e membro da RIS desde o início, ressalta que a rede tem se mostrado um espaço estratégico para fortalecer o terceiro setor fora do eixo Rio-São Paulo, locais em que, normalmente, ocorrem eventos do campo, cursos e ações de articulação.

“Sentíamos falta, até então, de ter um espaço para conversar com outras organizações do setor no qual pudéssemos compartilhar conhecimentos e informações num ambiente colaborativo. Com a RIS, isso tem sido possível. Apesar de estarmos em campos diferentes, conseguimos aprender e ensinar mutuamente e conhecer os nossos pares no DF. Isso foi muito importante”, destaca.

Para José Rogaciário dos Santos, presidente do Instituto Cooperforte, também membro da RIS desde a sua criação, participar dos encontros da rede foi essencial para conhecer novas oportunidades do setor e ter acesso a diversos aprendizados práticos para sua organização, principalmente na área de gestão e legislação.

“Para nós que atuamos em todo o Brasil, apoiando organizações que desenvolvem projetos sociais de geração de trabalho e renda, é fundamental termos acesso a informações sobre inovação e tendências do campo, assim como boas práticas, para oxigenar o nosso trabalho. Me entusiasmei tanto com as discussões da RIS que decidimos encaminhar, em breve, a solicitação ao GIFE para que o Instituto possa se tornar um associado também”, ressalta José Rogaciário.

Atualmente, cerca de 10 organizações participam ativamente dos encontros da RIS. Na avaliação de José Marcelo Zacchi, secretário-geral do GIFE, a conformação da Rede de Investidores Sociais do Distrito Federal é um passo importante na ampliação do debate e do compartilhamento de experiências sobre o ISP. “Para o GIFE, é fundamental que essa interação se dê em escala cada vez mais ampla, em nível nacional, mas respeitando sempre as peculiaridades locais. São mais vozes que se somam ao fomento e qualificação do ISP no Brasil, contribuindo para a ampliação da doação e para o fortalecimento das organizações da sociedade civil”.

Assim como no DF, outras Redes de Investidores Sociais têm se formado no Brasil, como em Curitiba e em Porto Alegre. Em cada local, o grupo define os temas prioritários e sua forma de atuação, contando com o apoio do GIFE para fortalecer as ações locais.

Para conhecer todas as redes temáticas do GIFE, clique aqui.

FacebookTwitterLinkedInGoogle+