Equidade Racial: O que o investimento social privado tem a ver com isso?

O especial redeGIFE deste mês reflete sobre os desafios e caminhos para uma atuação aprofundada da filantropia e do investimento social privado brasileiros na promoção da equidade racial.

 

Diante do assassinato público de João Alberto Freitas, na última quinta-feira, dedicamos esta edição a ele e a todos/as que sofrem a expressão da mesma violência no cotidiano, e renovamos nosso compromisso com a ação contínua para a superação do racismo em todas as suas dimensões no país.

Editorial

Por Igualdade e Justiça

São certamente muitos os desafios do Brasil. Todos/as que nos dedicamos à ação cidadã no dia a dia nele sabemos das múltiplas tarefas que nos convocam nas frentes econômica, social e ambiental, assim como na promoção da ética, da justiça e da qualidade da nossa vida pública e democrática.

Há no entanto certos parâmetros de equidade e humanidade sem os quais sequer é possível dar início a avanços em qualquer dimensão como sociedade e nação. A cena do assassinato público de João Alberto Freitas na unidade do Carrefour, em Porto Alegre, que testemunhamos na última quinta-feira reafirma com a mais dramática crueza a distância que segue separando-nos desses fundamentos mais elementares para a existência coletiva.

Dizemos “reafirma” pela consciência da tragédia não representar um caso isolado ou extremo no cotidiano do país, mas antes a expressão visível e particularmente cruel de uma realidade fundante de iniquidades, que expõe pessoas como João Alberto – ou o Beto, da torcida do São José, das suas vizinhanças no Passo d’Areia e no Humaitá e da sua família em Porto Alegre – ao medo e intimidação constantes, a incontáveis restrições de acesso nos universos escolares, do trabalho e dos espaços públicos em geral e, sim, à perda tão brutal quanto recorrente de vidas para a pobreza, a violência e para pandemias e outras mazelas da saúde pública, evitáveis em outro contexto.

E dizemos iniquidades porque elas são múltiplas e interligadas, mas em uma sociedade forjada na escravidão e que convive até hoje com padrões de segregação nos mesmos ambientes escolares, do trabalho e de convívio público evidentes para qualquer observador/a sincero/a, para não falar dos espaços de poder e debate público, sua substância é também inequivocamente racial. O que a morte mais do que gratuita de João Alberto, como a de dezenas de milhares de outras pessoas todos os anos no país, nos lembra em pleno Dia da Consciência Negra, criado em perversa ironia nesse caso justamente para lembrar-nos disso, é que não haverá hipótese de êxito ou dignidade para a sociedade brasileira enquanto não pudermos encarar de frente e superar as expressões do racismo e das desigualdades que nos constituem e atravessam cada aspecto do nosso cotidiano.

Como todo traço impregnado na cultura, ninguém está acima dele. Importa assim sempre e cada vez mais reconhecer o desafio e comprometer-se com ele no esforço atento, humilde e determinado de todos os dias. Porque em contextos assim o primeiro passo é sempre saber que casos emblemáticos não são acidentes ou pontos fora da curva, mas expressão última do que naturalizamos e ao fazê-lo negligenciamos na prática individual e coletiva regular: da pequena (para quem pratica) discriminação ou “viés inconsciente” nas atitudes diferenciadas segundo a cor da pele do/a interlocutor/a no dia a dia ao convívio indiferente com estatísticas de injustiças profundas ou perdas massivas de vidas nas múltiplas dimensões da vida pública. E se é assim, a tarefa seguinte e ainda mais primordial é a da conversão em mudança efetiva e concreta de práticas daquilo que se expressa na consciência e no discurso: buscar em cada microdimensão do cotidiano a expressão das incontáveis inércias que definem e perpetuam a clivagem racial entre nós e mobilizar com sinceridade e o senso de urgência que dedicamos ao que se confere relevância a energia para desfazê-las, integralmente – sob pena de precisar alegar íntima ou publicamente inverossímil surpresa diante da recorrência de testemunhos brutais como o da semana passada.

Esse é o compromisso do GIFE e o que buscamos mover com a mesma humildade, resolução e clareza da insuficiência cotidiana no dia a dia da nossa atuação e junto à nossa rede de associados e parceiros para uma filantropia, um investimento social e um universo de ação cidadã mais efetivos, universais e sintonizados com os desafios fundamentais do país. Também no marco das duras simultaneidades desses dias, este especial do redeGIFE já estava pronto quando testemunhamos as cenas de quinta-feira à noite, como parte do esforço em buscar contribuir para a reflexão e ação adensadas diante da tarefa na sociedade brasileira. Como não pode deixar de ser, fica aqui sua edição então como uma singela homenagem adicional a João Alberto e a todos/as os/as cidadãos/ãs vitimados/as pela expressão da mesma violência na nossa experiência histórica e presente.

Poderia ser, em lugar disso, como celebração da nova camada de afirmação tardia mas vital que o tema encontrou este ano na agenda pública do país. Na maneira como, nesse contexto, ele logra ganhar terreno também nos compromissos e práticas empresariais e do setor privado em geral. Nas conquistas de representatividade nos espaços da política expostas pelas eleições municipais, também há apenas alguns dias. Mas o fato da última quinta-feira nos recorda da forma mais nítida que qualquer avanço será sempre apenas um modesto início, de largo percurso a demandar-nos toda resolução e determinação. Que seja assim pela reafirmação devida e renovada dessa ciência e compromisso por parte de todos/as no país, sem esmorecer em nenhum momento na centralidade da tarefa para nosso destino comum.

O racismo é um processo histórico que modela a sociedade brasileira – e não só – até hoje. Uma prova disso é que, enquanto a maior parte dos habitantes é negra (54%), essa parcela corresponde a 70% das pessoas que vivem em situação de extrema pobreza, 71% das vítimas de homicídio e 61% da população carcerária. Um jovem negro é assassinado a cada 23 minutos no país, enquanto 65,3% das mulheres assassinadas vítimas de agressão são negras.

 

Outras evidências do racismo que estrutura a sociedade brasileira passam pela baixa representatividade de negros nos espaços de poder; menores expectativas e estímulos para alunos negros ao longo do percurso educacional; falta de recursos destinados a iniciativas de jovens negros nas periferias, onde é mais alta a parcela da população negra; encarceramento em massa; e dificuldades de acesso e desenvolvimento no mercado de trabalho.

Esses e outros dados estão reunidos no guia O que o investimento social privado pode fazer por Equidade Racial ?.

A publicação é parte da série O que o ISP pode fazer por…?, do GIFE, que aborda agendas brasileiras nas quais a atuação do setor ainda é tímida com a perspectiva de orientar e incentivar a aproximação dos investidores.

O guia foi o pontapé inicial de um bate papo com Maíra Souza, líder de portfólio da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal; Michel Chagas, gestor de Ciência do Instituto Serrapilheira; e Mohara Valle, gestora de conteúdo do Instituto Ibirapitanga.

 

A convite do redeGIFE, os três se reuniram para analisar e repercutir essas evidências, além de apontar caminhos e inspirar ações por meio do que tem sido realizado em suas próprias organizações e no campo do investimento social e da filantropia de modo mais amplo.

 

São iniciativas que visam mitigar os impactos sobre as populações negras e fortalecer as resistências ao racismo, especialmente aquelas oriundas do movimento negro brasileiro, por meio do apoio a ações afirmativas e à representação simbólica e política dessas populações, entre outras oportunidades compartilhadas pelos entrevistados e também apontadas no guia.

O resultado dessa conversa você pode conferir no segundo episódio da série Especial redeGIFE, do Podcast GIFE

/

Vozes
do campo

“Nesse momento específico da história, o setor do investimento social privado tem uma grande responsabilidade e tem tido um papel muito importante até porque tem uma entrada privilegiada na sala de jantar dos que mandam que estão nas empresas e nas famílias. Temos um sentido não de urgência, mas de emergência.”

Atila Roque, diretor da Fundação Ford no Brasil

“Todos os indicadores demonstram que a desigualdade racial organiza o padrão de desigualdade do país como um todo. Pesquisa recente do Instituto Ethos revela que mais de 80% das empresas declaram não ter estratégias específicas para inclusão da população negra dentro de seus quadros de colaboradores. O investimento social privado pode ser um vetor não só de reconhecimento dos desafios, mas de proposição de agendas pelas empresas e sobretudo pela sociedade que valorizem o tema da equidade racial e proponham modos mais consistentes e adequados para o avanço da civilização brasileira em direção a uma maior harmonia.”

Ricardo Henriques, superintende do Instituto Unibanco

“Vejo no investimento social privado uma excelente oportunidade de trabalhar para a promoção da democracia a partir da população negra no Brasil. Nesse sentido, é fundamental que as organizações considerem avaliar e executar ações afirmativas dentro das suas práticas e respectivas áreas de atuação. Hoje, ser racista não basta, é necessário ser antirracista. Como sociedade, precisamos aplicar ações em prol de uma construção mais democrática, inclusiva e equânime para todos, não apenas para uma parte da população, dado que vivemos em um país no qual 54% da população é negra e majoritariamente excluída.”

Selma Moreira, diretora executiva do Fundo Baobá

/

ISP
na prática

Branquitude:
racismo e antirracismo

\

Uma realização do Instituto Ibirapitanga, o encontro foi um convite à reflexão sobre as relações raciais no Brasil a partir da compreensão de que desconstruir o racismo é responsabilidade do conjunto da sociedade – incluindo indivíduos brancos e instituições que reproduzem a lógica racista – e do chamado a assumir uma postura ética e responsável orientada à ação – de questionamento ao privilégio branco e enfrentamento ao racismo estrutural. Todos os debates realizados durante os três dias de evento estão disponíveis no canal do Instituto Ibirapitanga no YouTube. Acesse.

Casa
PretaHub

\

Inaugurada no final de setembro no centro de São Paulo, o espaço se apresenta como o primeiro co-working preto do país, oferecendo estrutura para a transformação digital de negócios criados por empreendedores negros. A solução, única na América Latina, é liderada por Adriana Barbosa, criadora da Feira Preta (considerado o maior evento de cultura e empreendedorismo negro da América Latina) e da PretaHub (plataforma de aceleração e incubadora de negócios negros) e eleita uma das 51 pessoas pretas mais influentes do mundo em 2017. A Casa congrega loja colaborativa; ambiente para leitura, estudos e cursos; galeria de arte negra; estúdios de som, audiovisual e fotográfico para pessoas e produtos; áreas gastronômicas para criar e vender; área de eventos; e espaço maker para prototipar projetos e negócios e nasce com o propósito de se tornar uma franquia social e ter o formato replicado em outros estados. A Fundação Tide Setubal está entre algumas das instituições e pessoas parceiras da iniciativa. Saiba mais.

Diversidade
na Ciência

\

Primeiro instituto privado de apoio à ciência, o Instituto Serrapilheira criou alguns mecanismos em suas chamadas públicas para oferecer aos grantees a oportunidade de diversificar seus grupos de pesquisa. Um deles foi vincular parte do recurso à diversificação e formação de cientistas negros. Para as mulheres, o Instituto criou mecanismos como acréscimo de anos à carreira de cientistas com filhos, além de bolsas para aquelas que tenham filho durante a vigência do apoio. A instituição também produziu um guia de boas práticas voltado à comunidade científica para maior diversidade de seus grupos de pesquisa. Saiba mais.

Escola
do Parlamento

\

Realizado pela Escola do Parlamento em parceria com o Geledés Instituto da Mulher Negra de 22/09 a 17/11, o curso de extensão universitária Raça, Gênero, Democracia e Participação Política foi uma iniciativa voltada à construção de alternativas para ampliar a participação de pessoas negras e de mulheres na democracia e nos espaços de decisão política.

Fundo Alas

\

Ainda em construção, a iniciativa é liderada pela Fundação Tide Setubal e foi criada com o objetivo de apoiar lideranças negras em diferentes momentos da vida (escola, faculdade, trabalho, etc.) a fim de promover a diversidade de raça e gênero nos espaços de decisão para reduzir os estigmas e a distância subjetiva entre centro e periferia, ampliando a cultura democrática e a capacidade de protagonismo dos agentes dos territórios. Como primeira iniciativa, o Fundo lançou um edital que vai apoiar 30 lideranças negras que tenham nascido e/ou vivido em periferias urbanas brasileiras ou contextos periféricos urbanos com aporte financeiro de até quinze mil reais que poderá ser investido em atividades formativas diversas. Saiba mais.

GIFE na pauta:
RT, ISP Por e Congresso

\

Há tempos o GIFE vem atuando no tema da equidade racial com o propósito de ampliar o debate entre os atores do investimento social privado e da filantropia e promover uma aproximação do setor com a agenda de forma instrumental e qualificada. Para isso, algumas iniciativas têm sido gestadas e conduzidas. É o caso da Rede Temática de Equidade Racial. Relacionadas a recortes temáticos ou regionais, as redes temáticas são uma tradição na atuação do GIFE e promovem espaços permanentes de discussão e troca, além de fomentar ações colegiadas entre associados e outros atores do setor. O lançamento da RT de Equidade Racial em julho deste ano, após um longo período de gestação, foi marcado por um evento online que reuniu representantes do setor, da imprensa e da academia e deu lugar ao debate sobre desafios como a incipiência de investimentos no tema e os irrisórios índices de pessoas negras nos quadros das equipes e instâncias diretivas das organizações do setor. Equidade Racial também é um dos temas da série O que o ISP pode fazer por…?, cujo propósito é chamar a atenção do investimento social privado (ISP) para desafios da agenda pública sobre os quais a atuação do setor ainda é tímida e apoiar investidores que tenham interesse em iniciar ou fortalecer sua atuação nesses temas. Lançado em maio de 2019, o guia O que o ISP pode fazer por Equidade Racial oferece um panorama a respeito do tema com conceitos e informações sobre contexto e tendências, bem como desafios e caminhos para atuação do ISP na agenda. Saiba mais e acesse a publicação. Neste vídeo, Ricardo Henriques, superintendente executivo do Instituto Unibanco, fala sobre os destaques e contextos da iniciativa. No dia 02/12, um painel sobre Equidade Racial encerra o trilho de atividades que compõe o 11º Congresso GIFE, cujo evento presencial será realizado em março de 2021.

Observatório
de Educação

\

Para quem busca um retrato do Ensino Médio para compreender os desafios de escolas e redes, o Observatório de Educação – Ensino Médio e Gestão, do Instituto Unibanco, é o lugar certo. Trata-se de uma plataforma online de referências e análises que organiza e disponibiliza dados, documentos e acervo audiovisual com foco em Ensino Médio e gestão em educação. Com mais de 16 mil documentos, o Observatório de Educação pode ser acessado gratuitamente. As informações são coletadas de diferentes fontes (órgãos oficiais, imprensa, periódicos, etc.) e mostram, por exemplo, como a desigualdade racial, somada aos novos desafios da pandemia, afeta o acesso, a permanência e a conclusão dos jovens negros no Ensino Médio. Acesse a plataforma e baixe o infográfico.

Expediente

Giovana Bianchi
COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO

Leonardo Nunes
ASSISTÊNCIA DE COMUNICAÇÃO

Estúdio Cais
REPORTAGEM/TEXTO

Estúdio Zuti
PODCAST

Marina Castilho
DESIGN & DESENVOLVIMENTO

0 Compart.
Compartilhar
Twittar
Compartilhar

Apoio institucional