Abordagem holística garante mais êxito em projetos de desenvolvimento agrícola com medidas de adaptação às mudanças climáticas na América Latina e Caribe

De acordo com o relatório Vantagens da América Latina e Caribe, publicado em dezembro de 2019 pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), projetos de desenvolvimento agrícola com medidas de adaptação às mudanças climáticas com foco em povos indígenas, jovens e mulheres têm mais chances de serem bem sucedidos na América Latina e no Caribe.

O documento é fruto de um processo de revisão de todos os projetos desenvolvidos pelo FIDA na região, que apontou que uma abordagem holística tende a ter um impacto sustentável e de longo prazo para as 17 milhões de unidades da agricultura familiar na região.

O relatório traz exemplos como o de projetos apoiados pelo FIDA no Haiti que vêm diminuindo a discriminação contra mulheres na área da agricultura, algo que tem sido considerado um desafio e prejudicado os esforços da agência para treinar agricultores para adaptação às mudanças climáticas.

Outra boa prática identificada em várias partes da região é o investimento na criação de redes que aumentaram o entendimento entre jovens agricultores sobre as melhores práticas para adaptação às mudanças climáticas. Na Colômbia, uma rede de 2.200 membros, de 70 localidades, conseguiu arrecadar mais de dois milhões de dólares do Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural em apoio à agricultura familiar.

Aliar conhecimentos indígenas ao desenvolvimento agrícola também vem dando resultados positivos. Na Bacia Amazônica, comunidades indígenas estão reintroduzindo culturas agrícolas mais resistentes ao clima instável. Somente em 2019, as perdas de colheitas em decorrência do clima caíram em 20%.

O relatório está disponível em versões em inglês e espanhol.

Notícias relacionadas

Modelo de agricultura beneficia quem planta e quem consome 

Trazido pelo alemão Hermann Pohlmann, a CSA é uma prática que foi adotada no Brasil em 2011 por agricultores familiares do estado de São Paulo, que passaram a implementar o modelo. De acordo com a CSA Brasil, a iniciativa consiste na relação direta entre produtor e consumidor,  criando uma relação próxima viabilizando a produção e a logística de distribuição de alimentos.  Nesse tipo de parceria, agricultores e consumidores, chamados de coagricultores,  dividem responsabilidades, riscos e benefícios da agricultura. 

Apoio institucional