‘Criança Esperança’ 2017 quer fortalecer a cultura da participação no país

Em um momento complexo pelo qual o país passa, com uma crise social que atinge, principalmente, os mais vulneráveis, o Criança Esperança de 2017 pretende trazer à tona a importância da união de esforços e da participação de toda a sociedade para a transformação social. Tanto é que escolheu como tema central para essa 32ª edição a ‘Sua esperança não está sozinha’.

“O Criança Esperança tem um compromisso para além da arrecadação. A proposta é ser uma grande mobilização no país para uma cultura de solidariedade e doação. Essa ideia da ‘esperança não estar sozinha’ é justamente para mostrar que uma iniciativa como o Criança Esperança é importante, pois ela une o cidadão comum, o beneficiário, as empresas, as organizações da sociedade civil para um bem único e comum. Fortalecer essa cultura de participação é fundamental. Neste momento, manter estes fios e atores conectados é essencial”, comenta Beatriz Azeredo, diretora de Responsabilidade Social da Globo, lembrando que, nestes 32 anos, mais de R$ 330 milhões em doações foram investidos em mais de 5 mil projetos sociais, beneficiando 4 milhões de crianças e adolescentes em todo país.

Uma das principais novidades deste ano é que os 85 projetos selecionados pela Unesco para receberem as doações estão alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), uma agenda que vai perpassar agora todas as iniciativas de responsabilidade social da empresa. No caso do Criança Esperança, Beatriz destaca que esse alinhamento é quase sinérgico, já que as iniciativas atuam em frentes como a busca por uma educação de qualidade, pela erradicação da pobreza e pela paz e justiça social. A proposta é justamente dar visibilidade aos ODS e a importância dessa agenda global.

Até o dia 27 de agosto, data em que se encerra a arrecadação pelo Mesão da Esperança, o Criança Esperança continua permeando toda a programação da emissora com diversas iniciativas, como o ‘Telefone da Esperança’, presente em todos os programas, além dos vídeos sobre as iniciativas, reportagens a respeito dos projetos, e o Click Esperança, reality que reúne jovens mobilizadores sociais para criação de uma campanha que irá ao ar na tela da Globo. A competição foi exibida em quatro episódios no Fantástico.

Beatriz Azeredo conta que essa é a terceira edição do Click Esperança, com a proposta de envolver a juventude na discussão sobre mobilização e cultura de doação não só enquanto beneficiários, mas como protagonistas de transformação social. Com isso, a expectativa é que o Criança Esperança possa se aproximar também do público jovem, a partir da linguagem, dos desejos e expectativas da própria juventude. “É uma forma de, cada vez mais, misturar as diferentes potências de mobilização social em torna das causas”, comenta a diretora.

Todas as produções do Criança Esperança podem ser conferidas no site (clique aqui).

Participação

Os projetos selecionados receberão os recursos em 2018. Após a seleção, a Unesco monitora e faz o acompanhamento técnico e financeiro de todas as iniciativas. Beatriz Azeredo ressalta que a participação dos projetos no Criança Esperança têm trazido novas oportunidades para as iniciativas e mais credibilidade para o próprio programa nas localidades.

“Ter essa chancela do Criança Esperança é benéfico para todos. Para os projetos, eles ganham em termos de qualidade e gestão, pois são auditados pela Unesco, recebem visitas, além do próprio reconhecimento e visibilidade que a iniciativa traz. Ao mesmo tempo, o programa também ganha, pois a partir do momento em que as pessoas veem que, de fato, os recursos chegam na ponta, passam a acreditar que a campanha é para valer. Assim, os projetos se tornam também embaixadores do Criança Esperança”, ressalta.

Os telefones para doar são 0500 2017 007; 0500 2017 020 e 0500 2017 040. As doações pelo site são disponíveis o ano inteiro. Até o dia 8 de setembro, irá ao ar ainda o programa ‘Minuto Criança Esperança’.

Associados