Estação Cultural da Fundação Romi comemora os 10 anos de história

A Estação Cultural celebra, dia 14 de dezembro, seus 10 anos de atividade em prol da Cultura regional, no exato ano em que a Estação Ferroviária de Santa Bárbara comemora seu centenário e a Fundação Romi seus 60 anos. Para marcar essa data memorável, a Orquestra Filarmônica “Ninho Musical” e o Coro de Alunos do “Núcleo de Educação Integrada” realizam um grande espetáculo no Armazém da Estação Cultural da Fundação Romi.

Resultado da revitalização da antiga estação ferroviária de Santa Bárbara d´Oeste pela Fundação Romi, A Estação Cultural é um lugar de encontros plurais e multiculturais, onde a comunidade pode aprimorar a sua percepção acerca da cultura local e regional, divulgar valores, trocar vivências, adquirir conhecimentos, experimentar emoções, elaborar pensamentos, tomar iniciativas e ajudar a constituir a identidade cultural da cidade e região.

Segundo o Superintendente da Fundação Romi, Vainer Penatti, “a Estação Cultural é um ambiente de conhecimento e troca de experiências. É isso que pulsa em nossos espaços. Acreditamos que aqui, nossa essência, é termos uma forte disposição para compartilhar práticas culturais, sobretudo, para contribuir com a sociedade. Nos é fundamental conhecer e promover esse amplo universo da Cultura, quer seja de entretenimento, de formação, de valorização, de propagação, de proteção ou de fomento. A cultura da nossa Estação é algo que nos une”.

Ao longo de seus 10 anos a Estação Cultural recebeu milhares de atrações musicais, teatrais, literárias, expressivas e expositivas. Ofertou incontáveis oficinas, palestras, encontros e feiras. Promoveu o intercâmbio de uma série de artistas locais com os mais diversos atores de regiões de todo o Brasil. Foi palco de pequenas esquetes, com minutos de apresentação, até as 24 horas corridas da Virada Cultural Paulista, iniciativa do Governo do Estado de São Paulo.

Com números extraordinários, a Estação Cultural fomenta a cultura local e movimento a economia criativa da região. Em sua trajetória 200mil pessoas foram beneficiadas, gratuitamente, por suas ações. Foram mais de 180 alunos da oficina de Capoeira. Mais de 120 nas oficinas de Hip Hop e K-Pop. Aproximadamente 930 acrianças e adolescentes no projeto Judô Socioeducativo. E mais de 750 na oficina de música orquestral “Ninho Musical”. Nas oficinas livres, pouco mais de 3.100 pessoas puderam aperfeiçoar seus conhecimentos e adquirir novos.

Já os eventos musicais arrebataram mais de 23.800 fãs. O teatro, a dança e a literatura reuniram mais de 14.000 pessoas em uma série de apresentações. Os encontros, feiras e exposição agruparam mais de 81.000 expectadores. E o Memorial da Ferrovia, espaço que guarda um recorte da história de um trecho de rede ferroviária do interior paulista, recebeu quase 10.000 visitantes. Por fim, a Virada Cultural Paulista trouxe para a Estação Cultural uma audiência de aproximadamente 65.000 pessoas.

É como se toda a população de Santa Bárbara d´Oeste e muitos outros, direta ou indiretamente, tivessem se beneficiado das iniciativas e projetos promovidos pela Estação Cultural. Esse marco de 10 anos de história firma a Estação Cultural da Fundação Romi como um importante mecanismo de disponibilização do acesso à cultura, promoção do artista local e regional e fomento à economia criativa. Para além dos números, a Estação Cultural se concretiza como um espaço de relações humanas e vivências.

Celebração

Sob a batuta do Maestro Paulo César Bellan, Orquestra e Coro, apresentam um repertório de músicas que inclui canções clássicas tradicionais, ícones de filmes e musicais renomados até as mais recentes baladas do universo pop.

O Ninho Musical é uma iniciativa da Estação Cultural da Fundação Romi e, nesta edição, é apresentado pelo Ministério da Cultura e Instituto CCR, com patrocínio CCR AutoBAn – empresa que integra o Programa de Concessões Rodoviárias do Estado de São Paulo –, por meio da Lei Rouanet. O projeto conta também com o apoio cultural da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Santa Bárbara d’Oeste. Sua orquestra é composta por alunos-músicos do projeto.

Agrupando 200 vozes, o Coral de Alunos do Núcleo de Educação Integrada é formado por adolescentes, de 10 a 14 anos, alunos da escola da Fundação Romi. Fundado em 1996, em comemoração ao Centenário do Comendador Américo Emilio Romi, o coral passou a compor a grade escolar a partir de 1997, tornando-se uma tradicional atração para a cidade de Santa Bárbara d´Oeste e região.

Histórico

Em 14 de julho de 1917, foi inaugurado o Ramal Ferroviário Nossa Odessa – Santa Bárbara. Localizada no final da Rua Dona Margarida, em um terreno doado à Companhia Paulista pelo Cel. José Gabriel de Oliveira e Souza, Capitão Joaquim Veríssimo de Oliveira e outros, no local, além do prédio da estação foram construídas as casas para residência do chefe da linha e demais funcionários da Rede Ferroviária Federal S/A que atuariam na cidade.

Embora idealizado no início do século XX, somente em 1916 o ramal começou a ser construído pela Cia. Paulista. A linha férrea partiu de Recanto, estação logo após Nova Odessa e chegou a Santa Bárbara em 1917. A construção do trecho entre Santa Bárbara e Piracicaba só ficou pronto em 1922, quando o tráfego foi aberto e foram inauguradas as estações de Caiubi, Tupi e Piracicaba.

Em 20 de fevereiro de 1977, aconteceu a última viagem de passageiros e a ferrovia passou a ser utilizada para transporte de cargas até ser desativada em 1995. Em 20 de fevereiro de 1988, a Prefeitura Municipal de Santa Bárbara d´Oeste passou a utilizar o espaço da estação ferroviária como a rodoviária do município, que permaneceu em funcionamento até setembro de 1999.

Mas foi em 05 de abril de 2005 que a Fundação Romi assumiu aqueles espaço e assinou o Contrato de Cessão de Uso da Estação Ferroviária de Santa Bárbara d’Oeste junto à Rede Ferroviária Federal S/A. Revitalizada, preservada e repaginada, dois anos depois era inaugurada a Estação Cultural, um espaço plural e multicultural voltado à comunidade. Nele e por meio dele, artistas amadores e profissionais, espectadores e consumidores de cultura podem aprimorar a sua percepção social, divulgar valores, trocar vivências, adquirir conhecimentos, experimentar emoções, elaborar pensamentos, tomar iniciativas e constituir a identidade cultural de Santa Bárbara d’ Oeste.