Filme “Tudo o que aprendemos juntos” leva para o cinema a história da Orquestra Sinfônica Heliópolis

No próximo dia 3 de dezembro chega aos cinemas nacionais o filme “Tudo o que aprendemos juntos”, de Sergio Machado. O longa é inspirado na história da formação da Orquestra Sinfônica Heliópolis e é estrelado pelo ator Lázaro Ramos, que vive Laerte, um músico promissor que decide dar aulas na comunidade após não passar numa audição para a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.

O roteiro é baseado em fatos reais, tendo como ponto de partida a peça “Acorda Brasil”, escrita por Antonio Ermírio de Moraes sobre a experiência do Instituto Baccarelli. O projeto contou ainda com o apoio do Instituto Votorantim para sua produção.

A Orquestra Sinfônica Heliópolis é uma iniciativa idealizada e capitaneada pelo Instituto Baccarelli desde a década de 90, que utiliza a música como canal para o fortalecimento da cidadania, no coração da maior comunidade de São Paulo e segunda maior da América Latina.

De acordo com Sergio Machado, diretor do longa, o projeto veio sob encomenda. “Foi o Fabiano Gullane quem me procurou para esse projeto.Duas coisas me motivaram: o fato de eu ser filho de músico e o segundo, e mais forte, foi a ideia de falar do Brasil e dos problemas brasileiros, mas apontando caminhos. Eu realmente acredito que as soluções para nossas questões passam pelo acesso à cultura e à educação nesse país.”

Sessão especial para os associados do GIFE

Na manhã de 17 de novembro, o GIFE e a produtora do filme “Tudo que aprendemos juntos”, a Gullane, promoveram uma sessão especial aos associados para exibir o longa. O objetivo foi engajar investidores sociais para a divulgação da produção e promover uma reflexão sobre o impacto social do trabalho cultural em comunidades vulneráveis.

Durante o evento, o produtor Fabiano Gullane citou o compromisso da empresa com produções ligadas ao campo social. “Buscamos usar o cinema como uma ferramenta de alto impacto social. Já trabalhamos em muitos filmes e acreditamos em diversos projetos que, comercialmente, não teriam um grande ganho, mas foram iniciativas muito importantes nas suas áreas, como os filmes ‘Bicho de sete cabeças’, na área da saúde mental, e o ‘Carandiru’,  na área da segurança pública. Esse longa é mais um exemplo.”

Saiba mais

Além da exibição no circuito convencional, o filme contará com sessões especiais em projetos sociais e organizações não-governamentais. Acesse a programação no Facebook.

Confira o trailer do filme aqui