Fórum de Finanças Sociais e Negócios de Impacto acontece em agosto em São Paulo

O Instituto de Cidadania Empresarial (ICE) e a Vox Capital lançam a segunda edição do Fórum de Finanças Sociais e Negócios de Impacto – Investir para Transformar. O evento, que reunirá empreendedores sociais, investidores, acadêmicos e especialistas nacionais e internacionais, acontecerá nos dias 3 e 4 de agosto, no Complexo Aché Cultural do Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.

Entre os temas que serão debatidos estão a inclusão dos negócios de impacto na cadeia de valor de grandes empresas, tecnologias que podem resolver problemas sociais, avaliação de negócios de impacto, novas formas de investimento, produtos e serviços para comunidades de baixa renda, entre outros temas relevantes para o fortalecimento desse campo no Brasil.

Já foram confirmados diversos palestrantes internacionais, como Andrea Armani (Transform Finance), Gayle Petterson (Partners for Change) e Rodrigo Villar (New Ventures), que comporão as mesas de debates junto com especialistas e empreendedores brasileiros como Maure Pessanha (Artemisia), Gonzalo Munõz (Triciclos), Waldemar de Oliveira Neto (WTT), Haissan Molaib (ProRadis), Frederico Rizzo (Broota), entre outros.

Os negócios de impacto social,  que têm como foco resolver problemas sociais e ambientais, são uma forte tendência da economia global, especialmente em países emergentes. Este tipo de negócio oferece à população soluções inovadoras e escaláveis em áreas como educação, saúde, saneamento e serviços financeiros, por exemplo.

“Para desenvolver esse ecossistema de finanças sociais precisamos articular uma série de atores para que consigamos propor modelos de negócios que possam resolver problemas sociais. A figura jurídica pode ser tanto uma associação como uma empresa, não importa. O importante é a crença de que modelos de negócios podem resolver problemas sociais e uma mesma organização pode ter impacto social e performance financeira”, destacou Fernanda Bombardi, gerente do ICE.

A proposta do Fórum, inclusive, é ampliar o debate sobre o tema, tendo em vista que a possibilidade de investimento via mecanismos de finanças sociais ainda tem muito a ser desenvolvido no país.

No Brasil, segundo estudo apresentado pela Força Tarefa de Finanças Sociais e Deloitte, estima-se que sejam investidos anualmente R$13 bilhões e a expectativa é que esse valor chegue a R$50 bilhões em 2020. Governos, setor financeiro, investidores, empresas e instituições intermediárias (entre elas aceleradoras, incubadoras, universidades e institutos de avaliação) podem fazer mais para ampliar a oferta de recursos disponíveis para viabilizar a atuação de organizações e empresas com investimentos em negócios de impacto social.

Para participar do evento, é preciso preencher a ficha de cadastro no site e pagar a taxa de inscrição no valor de R$ 200.

O Fórum conta também com o apoio de diversos associados do GIFE, além do ICE, como a Fundação Telefônica Vivo, Instituto Votorantim, Instituto InterCement e Instituto Sabin.

O tema, inclusive, faz parte das agendas estratégicas do GIFE, que conta atualmente com uma Rede Temática de Negócios de Impacto. No último encontro da RT, promovido no início de julho, os participantes discutiram questões conceituais sobre o campo, assim como ideias para fortalecê-lo, destacando o papel fundamental que os investidores sociais podem desempenhar para ampliar ainda mais a área no Brasil.

Apoio institucional