Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica reúne mais de 400 pessoas em Gramado (RS)

A segunda edição do Fórum Interamericano de Filantropia Estratégica, realizado de 24 a 27 de março em Gramado (RS) pelo Instituto Filantropia, reuniu mais de 400 profissionais atuantes no terceiro setor, que buscaram adquirir novos conhecimentos na área e estabelecer diálogo e conexões entre suas organizações. O GIFE esteve presente com duas participações.

Durante o Fórum, foram promovidas mais de 100 atividades, entre palestras, debates, oficinas e apresentações de cases, a partir dos temas: legislação, contabilidade, comunicação, administração, voluntariado e assistência social.

Marcio Zeppelini, editor da Revista Filantropia, abriu o evento com a palestra sobre “Filantropia estratégica: desafios e oportunidades para as ONGs brasileiras”. No dia seguinte, o debate sobre o novo Marco Regulatório do Terceiro Setor (Lei 13.019/2014), visando discutir o que muda na gestão das organizações, lotou a sala e os participantes tiraram suas dúvidas com Laís de Figueiredo Lopes, assessora especial da Secretaria-Geral da Presidência.

Na parte de “tira-dúvidas”, os participantes puderam conhecer mais sobre o funcionamento dos CMDCAs (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente), assim como a respeito do SICONV (Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse do Governo Federal), tributação para as OSCIPs etc. Foram feitas ainda apresentações sobre ferramentas para captação de recursos, programas de arrecadação via notas fiscais, dicas para a criação de vídeos institucionais, entre outros assuntos.

Investimento social

No dia 25, o GIFE participou do debate “Institutos e Fundações – Como se relacionar e trabalhar em conjunto”, que contou com a presença de representantes também do IDIS (Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social). Ana Carolina Velasco, gerente de Relacionamento do GIFE, apresentou, de acordo com dados do Censo GIFE e experiências de associados, as formas de interação e parcerias dos institutos e fundações, com organizações da sociedade civil.

O Prêmio Educador Nota 10 é um exemplo de articulação entre as entidades, unindo a Fundação Victor Civita e a Fundação Roberto Marinho para valorizar a iniciativa e projetos de professores. Outro projeto é o evento Transformar, organizado pelo Inspirare, Fundação Leman e Instituto Península.

Em sua fala, Carolina destacou que há algumas tendências das parceiras, tendo como base três pilares: 1. Inovação – incluindo relações colaborativas, tecnologias e saberes cruzados; 2. Impacto e Escala – com parcerias público-privadas e convergência e co-investimento; e 3. Redes – a partir de soluções compartilhadas, engajamento e participação e legitimidade.

Paula Fabiani apresentou também dados do BISC (Benchmarking de Investimento Social Corporativo) trazendo experiências a respeito das formas de parcerias de empresas com o terceiro setor.

Já no dia 26, a gerente do GIFE realizou a palestra “Investimento Social privado: conceitos e aplicações”. Na ocasião, Ana Carolina apresentou conceitos do investimento social, assim como do investidor social, lembrando que trata-se daquele que tem recursos próprios e investe
direta ou indiretamente numa ação e, também, aquele que não tem recursos próprios, mas capta para investir em outras organizações.

Ana exemplificou as características específicas dos: a. Institutos e Fundações corporativos (organizações sem fins lucrativos criadas e mantidas por uma empresa. Apresentam vínculos de governança e/ou gestão com a empresa); b. Familiares (organizações sem fins lucrativos criadas e mantidas por uma família e são geridas por seus membros); c. Independentes (organizações sem fins lucrativos mantidas geralmente por mais de uma organização ou indivíduo. Sua gestão é independente de seus mantenedores); e d. Comunitário (organizações sem fins lucrativos que reúnem recursos de uma ou mais organizações ou indivíduos, gerando um fundo usado para investimentos em determinada comunidade. Atuam em uma área geográfica ou em uma causa específica e são geridas por pessoas que se identificam como pertencentes àquela comunidade).

Durante o debate, Ana apresentou ainda formas de se fazer o investimento social e alguns exemplos sobre como operar projetos, fazer doação e parcerias em torno de causas.

O evento foi muito interessante e útil, com um ambiente de trocas de informações e conteúdos muito rico e proveitoso para as organizações da sociedade civil. Trata-se de um espaço importante de interação e de aprimoramento de conhecimento sobre os temas atuais do setor social”, comenta Ana Carolina.

O próximo FIFE já está marcado para acontecer de 05 a 08 de abril de 2016, na cidade de Fortaleza (CE). Confira no site.