Fundação Itaú Social lança novo processo de seleção de livros do “Leia para uma Criança”

Como uma forma de abrir novas possibilidades de participação a editoras e autores e aumentar o contato com famílias, o Itaú Unibanco e a Fundação Itaú Social lançaram o edital “Leia para uma Criança 2018”, que apresenta um novo processo de seleção das obras que serão oferecidas no ano que vem no programa.

Criada em 2010, a iniciativa já distribuiu cerca de 45 milhões de livros infantis à população. Apesar da participação de pais, mães e responsáveis ser fundamental no desenvolvimento das crianças, não é incomum encontrar pessoas que não sabem como estimulá-las. Por isso, o programa incentiva, por meio da leitura de histórias, a ampliação do repertório cultural das crianças e incentiva a convivência familiar e o fortalecimento de laços com os pequenos.

Segundo Anna Carolina Bruschetta, coordenadora de assessorias da Fundação Itaú Social, o programa Leia para uma Criança foi pensado com o desafio de envolver toda a sociedade com a questão dos direitos da criança e do adolescente. “Como a Fundação tem foco em educação, o tema escolhido foi a mediação da leitura, porque é um momento em que o adulto está em contato com a criança, fortalecendo o vínculo. Além disso, o programa apresenta a leitura não só como um objeto pedagógico, mas também uma questão lúdica, um hábito de lazer, de despertar a imaginação e a criatividade das crianças, o que pode ser feito em qualquer lugar.”, explica.

Novo modelo de seleção

Até a última edição do programa, os livros que participavam da seleção eram indicados por especialistas. Anna defende que, a mudança na forma como as obras chegam ao conhecimento da Fundação Itaú Social, deve-se à vontade de tornar as etapas do processo mais transparentes e contar com uma participação mais ativa da sociedade.

O edital é a forma de apresentarmos os critérios, as formas de contratação e de compra, para depois caminhar com os outros procedimentos mais técnicos e participativos”, ressalta.

O novo modelo de seleção tem como objetivo escolher duas obras literárias já publicadas, seja de prosa ou poesia, voltadas para crianças de zero a cinco anos. Qualquer editora pode participar da seleção, desde que não tenha sido escolhida em 2017.  

Seleção

O processo de seleção das obras será composto por seis etapas. A primeira delas é a triagem inicial, seguida da análise dos documentos enviados e dos cadastros realizados.

Em seguida, as obras selecionadas serão avaliadas por um comitê nacional, composto por representantes de cada região do Brasil, especialistas em literatura infantil, voluntários, bibliotecas comunitárias, organizações da sociedade civil, Secretarias de Educação, Cultura e Assistência Social, entre outros atores.

Outra novidade no processo desse ano será a experiência sensorial que será feita com famílias de todas as regiões do Brasil. Na quarta fase, os títulos viajarão o país para que adultos e crianças possam interagir com as obras. “Além de ter o olhar do especialista, do lado acadêmico, a gente também quer o olhar de quem vai manusear esses livros depois. Queremos saber se o livro dá certo com as crianças e as famílias, e aproveitar o momento para formar essas famílias, mostrar como se faz a mediação de leitura”, ressalta Anna.

Depois, será a vez dos especialistas analisarem as obras. Por fim, até 10 livros finalistas irão participar de um leilão virtual.

Ao todo, serão considerados quatro critérios na seleção das obras, desde representatividade da produção nacional; passando pela parte gráfica, como composição da capa e tipo de ilustração; a parte textual, de coerência e tratamento dado ao tema; até a relevância do conteúdo para a formação do leitor e se o tema é do interesse do imaginário infantil.

Com o edital, o objetivo da Fundação Itaú Social é disponibilizar até quatro milhões de exemplares, sendo dois milhões de cópias de cada título. Ainda, poderão ser produzidos 10 mil exemplares de cada livro em Braille, para pessoas com deficiência visual.

Impacto do programa

Ao contrário do que alguns podem pensar, o fato de um adulto ler para uma criança vai muito além do “contar uma história”. Anna defende que separar um tempo para estar verdadeiramente com a criança faz a diferença em seu desenvolvimento, fornecendo segurança e confiança. “ Parado na estante, é só um livro. Quando o adulto pega aquele livro para ler a história para uma criança, ele se torna uma história. Essa é a diferença: ele se torna um contexto da vida dos dois, e vai gerar uma lembrança desses laços afetivos”.

Além disso, estimular a imaginação durante a primeira infância é de extrema importância, já que envolve questões de convívio, como empatia. “As histórias contribuem para a ampliação de repertório. A criança entra em contato com os seus sentimentos e os dos outros, porque quando ouve uma história, ela pode se emocionar ou pode ficar assustada. Ela se coloca no lugar do personagem. Trata-se de um primeiro movimento na questão de empatia”.

Além de ajudar no processo de alfabetização e também no despertar do interesse pela leitura no futuro, o programa Leia para uma Criança impacta toda a família que recebe as obras em casa. “Nós recebemos histórias que chegam de lugares bem longínquos do Brasil, de muitas pessoas contando que, muitas vezes, é o filho já alfabetizado que lê para os pais”, relata Anna. Esse fato ressalta o cuidado na seleção das obras, que precisam ter um projeto gráfico que atenda essas necessidades. “Existe uma atenção com a ilustração, que deve complementar o texto. A história precisa ser contada mesmo para quem não consegue fazer essa leitura”.   

Inscrição

As editoras interessadas em submeter títulos ao processo de seleção devem preencher o formulário disponível no site Prosas.  Além disso, é necessário o cadastramento no site de fornecedores do Itaú Unibanco, disponível aqui.

Na etapa final, as editoras deverão encaminhar, via correios, um exemplar de cada título inscrito no edital, juntamente com o protocolo de inscrição gerado após o preenchimento do formulário e uma declaração de distribuição gratuita dos exemplares.

Os detalhes sobre a inscrição, como o endereço de destino dos livros, podem ser consultados no regulamento, que está disponível na íntegra neste link ou aqui, em vídeo.

Eventuais dúvidas sobre o edital serão esclarecidas pelo e-mail  [email protected]. Já as dúvidas sobre o processo de inscrição podem ser enviadas para o e-mail  [email protected] ou pelos telefones (31) 3070- 3600 e (31) 3070-3400.

Associados

Apoio institucional