Fundação Victor Civita abre inscrições para 22ª edição do prêmio Educador Nota 10

 

Se no começo da vida, os pais, mães e responsáveis servem de modelo para os mais novos, no Ensino Fundamental e Médio, os educadores podem ser verdadeira fonte de inspiração e incentivo para os estudantes. Para reconhecer e valorizar o trabalho desses profissionais, estão abertas as inscrições para o Prêmio Educador Nota 10.

A iniciativa foi criada em 1998 pela Fundação Victor Civita que, desde 2014, co-realiza o prêmio em parceria com Abril, Globo e Fundação Roberto Marinho e conta com apoio de Nova Escola, Instituto Rodrigo Mendes e Unicef, além do patrocínio de Fundação Lemann e SOMOS Educação.

Alinhada ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) quatro, que visa ‘assegurar a educação inclusiva e equitativa de qualidade e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos’, a chamada tem como objetivo identificar, valorizar e divulgar boas práticas educacionais.

Mariana Martinato, consultora de comunicação e relações institucionais da Fundação Victor Civita, explica que, independente dos desafios e discussões em diversas esferas que estão em curso no Brasil, diariamente, milhares de crianças e jovens estão em sala de aula acompanhados de professoras e professores que fazem seu trabalho da melhor forma possível.

“Não podemos esperar que as coisas se resolvam para depois trabalharmos no reconhecimento desses profissionais. Na cerimônia de premiação, por exemplo, convidamos representantes públicos, como secretários municipais. É uma forma de afirmarmos que existem grandes profissionais na educação e que, uma vez endereçados ou solucionados os grandes desafios, temos grandes perspectivas de ter um sistema educacional mais completo, robusto e que prepare melhor os alunos”, reforça.

Novidades

Para a edição deste ano, Mariana explica que a organização recolheu os feedbacks recebidos por meio de pesquisa realizada junto aos participantes da edição anterior e incorporou algumas das solicitações no prêmio deste ano.

Foi nesse sentido que a Fundação achou prudente incluir todos os componentes curriculares do Ensino Médio no escopo da premiação. “Inserimos arte, filosofia, educação física, língua estrangeira e sociologia, essa última uma das disciplinas mais requisitadas.”

Outra novidade é a inserção de atividades realizadas no contraturno escolar, que contribuem para a melhoria da aprendizagem e também no âmbito do atendimento educacional especializado. Mariana afirma que a parceria com o Instituto Rodrigo Mendes e o Unicef ajudou a Fundação a olhar com atenção para a questão do ensino para todos.

Participação

O Prêmio também é pautado na vontade da Fundação de valorizar diferentes profissionais envolvidos com educação. Dessa forma, podem participar da chamada professores, diretores, coordenadores pedagógicos e orientadores educacionais de escolas formais de ensino regular, públicas ou privadas, da Educação Infantil ao Ensino Médio.

“Cada função dentro do sistema educacional é importante e relevante e precisa ser valorizada. Não adianta um ótimo professor estar inserido em um contexto escolar que não dá apoio ou um bom coordenador não ter suporte do diretor e dos professores. Nós entendemos que são partes de uma engrenagem que faz as práticas pedagógicas serem aplicadas e difundidas”, afirma Mariana.

Profissionais já premiados em edições anteriores podem participar novamente, desde que apresentem um projeto/atividade inédito. Vale ressaltar que as atividades inscritas na premiação devem ter acontecido durante o ano letivo de 2018 ou estar em curso com finalização prevista para o mês de inscrição do trabalho.

Conquistas e aprendizados

Ao longo de 21 edições, 231 educadores e profissionais da educação foram premiados, com um total de R$ 2,6 milhões destinados aos prêmios. Além desses números, desde 2018, o Educador Nota 10 é associado ao Global Teacher Prize, premiação global da área de educação que destina, anualmente, um milhão de dólares americanos para um professor como reconhecimento por seus esforços na profissão.

Mariana explica que a associação é uma grande conquista devido ao fato de o Educador Nota 10 se conectar a uma iniciativa que coloca luz e reconhece globalmente práticas educativas de qualidade e professores inspiradores. “Com essa associação, conseguimos dar visibilidade para os professores brasileiros que fazem parte dessa iniciativa. Nos últimos três anos, tivemos professores entre os dez finalistas do Global.”

Débora Garofalo, professora da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Almirante Ary Parreiras, de São Paulo, foi uma das dez finalistas de 2019 do prêmio internacional com um projeto de robótica desenvolvido na Favela Alba a partir da coleta de lixo pelo bairro. Jayse Ferreira, professor de História da Arte da Escola de Referência de Ensino Médio Frei Orlando, de Itambé (PE), ficou entre os 40 finalistas por encorajar seus alunos que nunca tinham frequentado cinemas a filmar curtas.

Mariana explica que nenhum dos dois havia participado do Educador Nota 10, uma vez que desenvolvem projetos relacionados a tecnologia e artes, disciplinas que não figuravam entre as possibilidades do Prêmio. “São exemplos de atividades complementares que, combinadas com componentes curriculares oficiais, conseguem integrar os alunos e contribuir para diminuição do abandono escolar, distorção idade-série e vários desafios que temos na educação.”

Outro ponto positivo da associação ao prêmio internacional é o fato de que um representante da Varkey Foundation, organização que concede o prêmio, participa do corpo de jurados do Educador Nota 10.

Seleção

A seleção dos trabalhos inscritos será feita pela Academia de Selecionadores e de Jurados, que irá considerar os critérios: equidade e inclusão, inspiração para aplicabilidade em outros contextos, evidências de aprendizagem, didática específica da área e a correlação entre as aprendizagens propostas para a faixa etária correspondente com as competências específicas e gerais da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Os vencedores serão divididos em três grupos. No maior deles, serão escolhidos 50 finalistas, que receberão uma assinatura anual do site Nova Escola Digital, além de um certificado de participação. Esses mesmos prêmios serão entregues para os dez vencedores, juntamente com um vale-presente no valor de R$ 15 mil e outro no valor de R$ um mil para aplicação na escola onde o projeto foi realizado.

O profissional reconhecido como educador do ano receberá dois vales de R$ 15 mil e um vale de R$ 5 mil para a escola onde desenvolveu a atividade premiada.

Inscrições

Os interessados em participar podem realizar a inscrição até 27 de maio mediante preenchimento do formulário disponível no site do Prêmio. Em até três horas depois da realização da inscrição, o participante receberá um e-mail de confirmação.

Todas as regras da chamada estão no regulamento, disponível neste link. Eventuais dúvidas devem ser encaminhadas para o e-mail [email protected].

Notícias relacionadas

Apoio institucional