Instituto Alcoa destinará mais R$ 1,8 milhão a projetos nas áreas de Educação e Geração de Trabalho e Renda em 2019

Para gerar um legado de sustentabilidade nas comunidades onde a Alcoa está presente, o Instituto Alcoa apoia projetos desenvolvidos por organizações da sociedade civil (OSCs) e/ou poder público.

Em 2018, cerca de 12.500 pessoas foram beneficiadas pelo Programa de Apoio a Projetos Locais, que investiu mais de R$ 1,8 milhão em 22 projetos de diversas áreas.

Este ano, com a nova estratégia de atuação do Instituto, o Programa apoiará projetos nas áreas de Educação e Geração de Trabalho e Renda nos três municípios em que atua – Juruti (PA), Poços de Caldas (MG) e São Luís (MA) – e territórios do entorno.

No total, serão investidos mais de R$ 1,8 milhão em 16 projetos, sendo R$ 720.604,38 na área da Educação (40%) e R$ 1.089.961,65 em Geração de Trabalho e Renda (60%).

Monica Espadaro, gerente de projetos do Instituto Alcoa, destaca que o Programa de Apoio a Projetos Locais é uma oportunidade de construir relações de confiança com organizações da sociedade civil e com as comunidades.

“Este ano, com uma atuação focada nas áreas de Educação e Geração de Trabalho e Renda, queremos ampliar a participação, mobilização e engajamento das pessoas para a melhoria dos índices educacionais e diminuição das desigualdades nos municípios, de forma a contribuir positivamente para a melhoria dos territórios em que atuamos.”

Incremento da aprendizagem em Juruti

Em Juruti (PA), serão investidos mais de R$ 800 mil: cerca de R$ 349 mil em Geração de Trabalho e Renda e R$ 454 mil em Educação.

Em relação a essa última frente, além das atividades do Programa ECOA – Educação Comunitária Ambiental, ações de mobilização das comunidades em torno das provas do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), com o intuito de ampliar o entendimento e o engajamento acerca da importância da melhoria da Educação Básica, deram início a uma série de iniciativas que visam apoiar a aprendizagem dos alunos da rede pública do município e também do estado do Pará.

A esse arcabouço de ações se somará o Projeto Conectar 2020, da Associação de Pais e Mestres da EMEF Prof. Maria da Silva Pereira. Uma das contempladas pelo Programa de Apoio a Projetos Locais este ano, a iniciativa vai receber cerca de R$ 71 mil para investir em novas metodologias de ensino por meio do uso de tecnologias digitais a fim de atingir as metas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) definidas para o município.

O projeto foi pensado a partir da necessidade da escola de avançar de forma prática em relação ao Programa de Inovação Educação Conectada, do Ministério da Educação (MEC), cujo objetivo é apoiar a universalização do acesso à internet, além de fomentar o uso de tecnologia digital na Educação Básica.

Juruti aderiu ao programa por meio do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) interativo. Sendo assim, o município tem investido na formação de seu quadro de profissionais, a exemplo do 1º Encontro Amazon Maker, em que foram discutidas ferramentas que podem auxiliar o professor no uso de metodologias ativas.

“A eficácia do Programa de Inovação Educação Conectada, do MEC, só será possível se as escolas tiverem as ferramentas necessárias. O uso de laboratório móvel, além de tornar o aprendizado mais completo e colaborativo, oferece recursos para que os alunos possam viver o conhecimento de forma plena. Assim, a aquisição desses equipamentos oportunizará a professores e alunos o acesso às tecnologias e a aplicação de novas metodologias no processo de ensino-aprendizagem”, observa Regenilce Lima Silva, coordenadora pedagógica da EMEF Prof. Maria da Silva Pereira.

Além de melhorar seu resultado no Ideb, a escola espera reduzir a evasão e repetência, principalmente na etapa de Educação de Jovens e Adultos (EJA), onde a taxa de abandono é de 54% para 20% dos alunos escola. A instituição pretende ainda aumentar a participação dos pais nas atividades escolares, além disponibilizar os equipamentos para cursos de inclusão digital.

“O projeto será um piloto em parceria com a Secretaria Municipal de Educação (SEMED). A partir de resultados positivos, a ideia é multiplicar a iniciativa em outras escolas, seja com recurso do governo ou de incentivo privado”, afirma a coordenadora pedagógica.

Sustentabilidade em Poços de Caldas

Em Poços de Caldas (MG), projetos na área de Educação receberão cerca de R$ 103 mil, enquanto iniciativas para Geração de Trabalho e Renda contarão com cerca de R$ 337 mil, totalizando mais de R$ 439 mil.

O Projeto Reciclavidas, da Cooperativa Regional Sul de Reciclagem e Preservação Ambiental de Poços de Caldas (COOPERSUL), é uma das iniciativas contempladas pelo Programa de Apoio a Projetos Locais na área de Geração de Trabalho e Renda. A cooperativa foi idealizada em 2011 para fortalecer a atuação dos catadores de materiais recicláveis da zona sul de Poços de Caldas.

Cerca de R$ 100 mil serão investidos na cooperativa com o intuito de reduzir o impacto no meio ambiente com a destinação e tratamento correto dos diversos materiais; melhorar a qualidade de vida de catadores, recicladores e cooperados; gerar mais empregos diretos e indiretos; e promover o empreendedorismo por meio de pesquisa e busca de soluções simples como melhor aproveitamento dos recursos naturais em escolas, empresas, e residências.

“Hoje, há uma preocupação mundial em preservar, reciclar, cuidar do meio ambiente por sabermos que dele depende a continuidade de nossa existência na Terra. A participação da comunidade se mostra como necessidade real a partir da responsabilidade de cada um com a vida e com o meio ambiente. Esperamos com o Projeto Recliclavidas possa mobilizar e conscientizar a comunidade e melhorar sua participação nas questões que envolvem a vida, ou seja, pessoas e o meio ambiente”, afirma Samir Trindade, presidente da COOPERSUL.

Agropecuária e desenvolvimento sustentável em São Luís

Em São Luís (MA), o Programa de Apoio a Projetos Locais destinará mais de R$ 568 mil: cerca de R$ 163 mil na área de Educação e R$ 404 mil em ações para Geração de Trabalho e Renda.

Um dos projetos contemplados no município na frente de Geração de Trabalho e Renda foi o Vila Cabral Miranda: Desenvolvimento Sustentável na Zona Periurbana de São Luís. A iniciativa, da Associação Comunitária dos Moradores da Vila Cabral Miranda – organização que desenvolve atividades agropecuárias, tendo a suinocultura como carro-chefe – pretende investir o recurso do Programa de Apoio a Projetos Locais na revitalização das instalações e na implantação de dois biodigestores que garantirão o destino adequado aos resíduos dos animais, transformando-os em biofertilizantes. O projeto garantirá ainda a implantação de uma unidade irrigada de produção de alimentos de ciclo curto (feijão, mandioca, milho, etc.).

Para garantir o êxito do projeto, a Associação realizará capacitações em “Gestão participativa e empreendedora” e “Sistemas de produção sustentável em cultivos de ciclo rápido”, além de oferecer assistência técnica regular aos beneficiários.

Antônio José da Rocha Paula, responsável pela Associação Comunitária dos Moradores da Vila Cabral Miranda, conta que a ideia do projeto partiu dos próprios moradores, dada a importância de uma atividade agropecuária que obtenha retorno socioeconômico satisfatório para a comunidade.

“Com a implantação do projeto, as famílias de Vila Cabral Miranda terão condições de praticar sua atividade de criação de suínos de forma mais sustentável, com maior autonomia e em melhores condições. Como consequência, prevemos a redução dos índices sociais negativos dentro da comunidade, com o engajamento de mulheres, homens e jovens de forma igualitária para que todos cresçam juntos.”

Apoio institucional