Instituto Estre realiza Projeto Escolas Sustentáveis

As escolas encontram, diariamente, uma série de desafios a serem superados e um deles é como promover, de fato, uma educação ambiental em seu cotidiano, garantindo que este seja também um espaço de fomento à sustentabilidade.

Diante deste desafio, o Instituto Estre decidiu investir na causa e, desde 2011, realiza o Projeto Escolas Sustentáveis. A iniciativa tem como base o Programa Escolas Sustentáveis, criado por um comitê interministerial e hoje sob responsabilidade do Ministério da Educação (MEC). Essa política pública visa promover ações voltadas à melhoria da qualidade de ensino e apoiar as unidades escolares na adoção de critérios de sustentabilidade socioambiental, considerando o currículo, a gestão e o espaço físico, de forma a tornarem-se espaços educadores sustentáveis.

De acordo com o Manual do Programa, “escolas sustentáveis são aquelas que mantêm uma relação equilibrada com o meio ambiente e compensam seus impactos com o desenvolvimento de tecnologias apropriadas, de modo a garantir qualidade de vida às presentes e futuras gerações. Esses espaços têm a intencionalidade de educar pelo exemplo e irradiar sua influência para as comunidades nas quais se situam”.

As escolas participam por meio das Conferências Nacionais Infanto-juvenil pelo Meio Ambiente, com temas como “Vamos cuidar do Brasil com Escolas Sustentáveis”, ou pelo Programa Dinheiro Direto na Escola Escolas Sustentáveis (PDDE), nas quais recebem recursos para implementar ações.

Porém, mesmo com essas iniciativas, as escolas encontram dificuldades em incluir o programa em seu cotidiano. Segundo o professor Tiago Mendes de Almeida, da Escola Estadual Pereira Barreto, na cidade de São Paulo, “o Escolas Sustentáveis é muito interessante pela mobilização que propõe. Pensar e fazer a escola passa a ser de responsabilidade de toda a comunidade e não apenas do grupo de gestores e pedagogos. Não vejo forma melhor de trabalhar a educação ambiental do que propiciar aos alunos e alunas a oportunidade da construção coletiva. Mas seria muito melhor se as secretarias da educação o englobassem em seu plano de trabalho e tivesse um apoio mais detido a cada escola no início da caminhada”.

Juscelino Dourado, diretor do Instituto Estre, ressalta a importância da implementação de políticas públicas e a motivação do Instituto em fortalecer iniciativas como essa: “O MEC criou uma política pública e traçou alguns caminhos para que fosse implementada. Mas, existe uma longa distância entre as deliberações de um Ministério e a realidade da escola. Nosso intuito, ao trabalhar com o Escolas Sustentáveis é, por um lado, usar o conhecimento e as relações que o Instituto construiu ao longo dos anos e, por outro, diminuir este espaço que existe entre a política pública e a realidade de cada unidade escolar”.

Com o apoio do Instituto Estre e em parceria com as secretariais de educação, as escolas participaram de uma série de ações que visam ajudá-las a revisitar seus processos de gestão, seu currículo e sua edificação, para que estes se organizem em prol de um ambiente mais agradável, equilibrado e participativo. No projeto do Instituto, além destes três pilares que também fazem parte do programa do MEC, foi incluído o pilar de “cidadania”, a fim de incentivar uma postura mais crítica diante dos desafios atuais.

Assim, os educadores participam de oficinas de formação sobre temas que dizem respeito à educação ambiental e aos espaços educadores sustentáveis, como oferece subsídios para que as equipes de trabalho criem e executem planos de ação.

Segundo Alciana Paulino, gestora de Educação da instituição, o Estre já realizou parceria com a Secretaria de Educação da cidade de Piracicaba (SP), em conjunto com a OCA (Laboratório de Educação e Política Ambiental da ESALQ – USP) e, desde o ano passado, também desenvolve a iniciativa junto à Secretaria Municipal da Educação de Curitiba (PR). “Lá o percurso é pensado para ser realizado em dois anos e hoje conta com a participação de dez escolas em tempo integral e três escolas de período regular”, diz.

Em Curitiba faz parte da programação a realização de seis oficinas de cocriação e a visita periódica da equipe de educadores ambientais do Instituto Estre às 13 escolas participantes. Ainda em 2015 está previsto um ciclo de formação para a equipe da Secretaria Municipal da Educação e Cultura da cidade de Itaboraí, no Rio de Janeiro.

O Instituto Estre é associado GIFE

Apoio institucional