Instituto Sabin lança livro com reflexões contemporâneas sobre Investimento Social Privado

Qual o sentido público do Investimento Social Privado? Quais são as perspectivas de atuação social na área da saúde? Que reflexões são possíveis de fazer entre negócios de impacto e ISP? Estas são algumas das reflexões trazidas pelo livro “Reflexões Contemporâneas sobre Investimento Social Privado”, lançado pelo Instituto Sabin.

A publicação traz uma coletânea de textos e artigos elaborados por Fábio Deboni, gerente executivo do Instituto Sabin. Muitas das reflexões já tinham sido compartilhadas, inclusive no site do GIFE, e foram revistas e reeditadas a partir das novas tendências, demandas e desafios do setor.

Segundo Fábio, entre as principais motivações para a organização do livro está a carência de publicações sobre Investimento Social Privado no Brasil e pouca informação sistematizada e disponível. “Certos temas, embora permeiem nosso cotidiano, ainda não foram abordados nem discutidos de maneira mais formal. Há muito material técnico, o que dificulta o entendimento para quem está chegando neste campo de atuação. Além disso, vemos que muito conteúdo fica restrito a quem já circula nessa rede. O conhecimento está pouco distribuído. Por isso, a ideia é falar destes assuntos de uma maneira mais didática, com uma linguagem acessível, a fim de que todos possam acessar a informação”, comenta o gerente.

O livro traz cinco grandes questões, que se desenvolvem nos artigos elaborados: I. O papel do capital filantrópico para além de “pagar a conta”: é possível atuar como parceiro, investidor, aglutinador, “abridor de portas” e agente de transformação social?; II. Os limites dos mecanismos de mercado para enfrentar questões sociais: a emergência dos chamados “negócios de impacto social” e do campo das finanças sociais colocaria em risco a relevância e a presença do capital filantrópico? Qual seria o novo locus de atuação da filantropia nessa perspectiva?; III. A relação com o  mercado, movimentos sociais e políticas públicas: o Investimento Social Privado está preparado para atuar dentro dessa agenda complexa? Tem condições e ferramentas para transitar nessas fronteiras?; IV. A relevância, impacto e transparência: temos conseguido enfrentar essas questões com a agilidade que o tempo atual requer?; e V. O alinhamento ao negócio:  é possível unir propósitos empresariais ao investimento social? Quais as diferentes gradações de alinhamento?

As reflexões foram organizadas em duas partes. A primeira, ‘Encruzilhadas’, tem como objetivo oferecer pontos mais gerais sobre os dilemas e desafios enfrentados pelos profissionais do ISP no dia a dia. A segunda parte, ‘Perspectivas’, procura apontar caminhos futuros a partir de movimentos percebido pelo autor. Os artigos sistematizam tendências e indicam trajetórias possíveis para o ISP num futuro próximo. “O pano de fundo é o repensar e o ressignificar o ISP frente à nova fase que estamos vivendo no mundo. Não há como o ISP estar descolado disso”, alerta Fábio.

Os interessados podem baixar a publicação no site do Instituto Sabin ou solicitar um exemplar impresso pelo e-mail: [email protected].

Apoio institucional