Mapa da Rede Antirracista reúne práticas pedagógicas promovidas na região central de São Paulo

O Mapa da Rede Antirracista, lançado recentemente pela Ação Educativa, é um dos resultados dos encontros entre professores, famílias e demais pessoas envolvidas e atuantes em redes de proteção no âmbito do projeto Rede de Proteção dos Direitos de Crianças e Adolescentes, que conta com apoio do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (Fumcad).

Realizado com apoio do Itaú Social, o mapa é uma ferramenta online e colaborativa que objetiva combater o racismo disponibilizando práticas pedagógicas realizadas por escolas, centros culturais, coletivos e demais organizações da região central de São Paulo. Seu uso é aberto, mas é voltado especialmente a educadores e todos os profissionais que atuam com crianças e jovens.  

Para alcançar seus objetivos, o mapa reúne informações que podem ser filtradas de três formas: áreas de atuação das ações mapeadas (educação, cultura, saúde, ativismo social, assistência social e sistema de justiça), práticas das instituições (antirracistas, gênero e sexualidade e atuação em rede) e ainda pontos de presença negra e resistência espalhados pela cidade (marcos históricos e contemporâneos de resistência e histórias de vida).

As iniciativas podem ser pesquisadas em 18 bairros e regiões do centro da cidade de São Paulo: Luz, Marechal Deodoro, Parque Dom Pedro I, Anhangabaú, Barra Funda, Aclimação, Brás, Cambuci, Liberdade, Bela Vista, Consolação, Vila Buarque, República, Santa Ifigênia, Bom Retiro, Sé, Campos Elíseos e Santa Cecília.

Os pontos de resistência, por exemplo, são 16. Entre eles está a Avenida Rio Branco, a Rua General Osório, a Quadra da Escola de Samba Vai-Vai, a Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados, o Largo da Memória e a Ocupação Ouvidor.

Os pontos de ativismo social também aparecem bastante, tais como o Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (CEDECA), o Fórum Regional de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente da Região da Sé, a Fundação Projeto Travessia, entre outros. Já os três pontos sobre histórias de vida – Quilombhoje, Cursinho Popular Transformação e EMEI Alberto de Oliveira – trazem depoimentos em vídeos curtos dos profissionais que atuam nessas instituições.

Participe

O Mapa é uma ferramenta colaborativa. Todas as pessoas que desejarem contribuir com indicações de iniciativas e instituições que estejam dentro do escopo do combate ao racismo podem enviar sugestões a partir do preenchimento deste formulário.

Notícias relacionadas

Equidade Racial é o segundo tema da série O que o ISP pode fazer por…?

O guia O que o ISP pode fazer por Equidade Racial?, lançado pelo GIFE no dia 15 de maio, em São Paulo (SP), é o segundo tema da série O que o ISP pode fazer por…?, cuja finalidade é chamar a atenção do Investimento Social Privado (ISP) para desafios da agenda pública sobre os quais a atuação do setor ainda é tímida e apoiar investidores que tenham interesse em iniciar ou fortalecer sua atuação nesses temas.

Apoio institucional