Mulheres que atuam na Agroecologia irão receber premiação especial no Prêmio de Tecnologia Social da Fundação BB

Entidades podem se inscrever até o dia 21 de abril, pela internet

Uma das principais premiações do terceiro setor no país, organizada pela Fundação Banco do Brasil, está com inscrições abertas até o dia 21 de abril para receber propostas do Brasil, da América Latina e do Caribe. O Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social reconhece e certifica iniciativas como boas práticas  e que podem ser reaplicadas em todas as localidades do país. Para isso a Fundação BB desenvolveu o Banco de Tecnologias Sociais, que hoje conta com 986 projetos certificados durante os 18 anos em que organiza o Prêmio.

Na edição deste ano, uma das novidades é a premiação especial Mulheres na Agroecologia, que visa identificar tecnologias sociais que promovam o protagonismo feminino na gestão da produção agroecológica.

A agricultora Rita Ambrósio de Melo, de Monsenhor Tabosa, no sertão do Ceará, é uma das mulheres que transforma a moda em uma força para o bem por meio de seu trabalho. Ela participa do projeto Consórcios Agroecológicos com Algodão Mocó, desenvolvido pela ONG Esplar, com o apoio do Instituto C&A. Foi lá que Rita encontrou uma forma de transformação social.  “Hoje trabalhamos com a agroecologia, que aproveita o solo sem prejudicar o meio ambiente e o processo é livre de agrotóxicos”, revela. Para Rita, pensar na agroecologia é muito importante. “A gente planta milho,  feijão,  mamona e algodão. Vejo a agroecologia como uma forma de empoderamento feminino”, afirma.

“No Instituto C&A, buscamos fortalecer iniciativas inovadoras e inclusivas por meio de apoios a atores regionais, que nos ajudam a melhorar a qualidade de vida e a renda de pequenos produtores de algodão sustentável, incentivando a produção e a demanda da matéria-prima”, afirma Luciana Pereira, Gerente de Matérias-Primas Sustentáveis do Instituto C&A.

Reconhecimento

Na última edição do Prêmio, em 2017, a vencedora da categoria Agroecologia foi a tecnologia social Povos da Mata, que atua em Ilhéus/BA. Após dois anos da premiação a rede expandiu  por meio da formação de novos núcleos nas regiões de Porto Seguro, Chapada Diamantina, Vitória da Conquista, Petrolina e Jacobina.

Para Fabíola Almeida, uma das autoras do projeto, além da reaplicabilidade da tecnologia social nessas regiões, a gestão está mais organizada. ”Hoje os agricultores já entendem a sua importância na rede e, com isso, estão mais empoderados, com mais participação em todo o processo agroecológico”, afirma.

Fabíola diz que a rede desenvolveu um ciclo de circulação e comercialização de alimentos agroecológicos entre as feiras e também um intercâmbio de produtos com outras redes de agroecologia. ”Por meio desse circuito, já foram comercializados 65 toneladas de produtos agroecológicos, com diversidade de 40 itens, os quais também alimentam tanto as famílias agricultoras, quanto os consumidores, garantindo a soberania alimentar de todos envolvidos. Com isso a renda dos agricultores envolvidos no processo de comercialização aumentou consideravelmente. Hoje a Rede Povos da Mata conta com mais de mil famílias no processo de transição, das quais 326 agricultores possuem o certificado orgânico.

O Prêmio

Na edição deste ano, além da premiação especial Mulheres na Agroecologia, o Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social também irá reconhecer iniciativas em outras quatro categorias nacionais: “Cidades Sustentáveis e/ou Inovação Digital”; “Educação”; “Geração de Renda” e “Meio Ambiente”, outras duas premiações especiais: “Primeira Infância” e “Gestão Comunitária e Algodão Agroecológico,” e uma categoria Internacional, destinada a iniciativas da América Latina e do Caribe, onde serão identificadas tecnologias sociais que possam ser reaplicadas no Brasil e que constituam efetivas soluções para questões relativas a “Cidades Sustentáveis e/ou Inovação Digital”; “Educação”, “Geração de Renda” e “Meio Ambiente.”

Os três primeiros lugares de cada categoria nacional e especial serão premiados com R$ 50 mil, 30 mil e 20 mil, respectivamente. Todas as instituições finalistas irão receber um troféu e um vídeo retratando sua iniciativa. Além disso, as tecnologias sociais que promoverem a igualdade de gênero, o protagonismo e empoderamento da juventude receberão um bônus de 5% na pontuação total obtida na classificação.

As inscrições para o Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social podem ser feitas no site www.fbb.org.br/premio e estão abertas para entidades sem fins lucrativos, como instituições de ensino e de pesquisa, fundações, cooperativas, organizações da sociedade civil e órgãos governamentais de direito público ou privado, legalmente constituídas no Brasil ou nos demais países da América Latina ou do Caribe.

Nesta edição, o Prêmio conta com a parceria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Instituto C&A, Ativos S/A e BB Tecnologia e Serviços, além da cooperação da Unesco no Brasil e apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Ministério da Cidadania e Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Foto: Tatiana Cardeal

Apoio institucional