Na semana mundial da educação, GIFE lança infográfico sobre o tema

O dia 28 de abril ficou internacionalmente conhecido como Dia Mundial da Educação em razão do Fórum Mundial de Educação de Dakar, realizado nesta data, em 2000, no Senegal. O objetivo do encontro, do qual participaram cerca de 180 países, era firmar um compromisso mundial pela educação básica, de modo que ela fosse ampliada. Para isso, 164 nações assinaram um documento, que estabeleceu uma agenda para a educação norteada por seis metas que deveriam ser alcançadas até 2015.

Um novo documento foi assinado durante o Fórum Mundial da Educação em Seul, na Coreia, em 2015. Ele dá continuidade ao marco de Dakar e estabelece como prazo para cumprimento das metas o ano de 2030. O Brasil foi um dos países assinantes. Na nova declaração, mais de 150 países concordaram em investir de 4% a 6% do seu Produto Interno Bruto (PIB) em educação. O Brasil é um dos países em acordo com a meta, investindo, atualmente, 6,6% de seu PIB no setor. Apesar disso, os resultados ainda estão longe de serem suficientes para responder aos desafios da agenda.

Tanto é que muitas organizações têm desenvolvido várias ações para destacar a relevância e urgência do tema. Inspirada no lema “No one left behind” (Não deixar ninguém para trás), da Agenda 2030 – mobilização mundial em prol da adoção de políticas nacionais integradas, sendo uma delas a educação de qualidade -, a Fundação Roberto Marinho (FRM), por exemplo, promove neste mês uma ação marcada com a hashtag #Nem1PraTras. A mobilização se dará em diversas plataformas de mídia, incluindo os canais próprios de todos os parceiros da iniciativa. No dia 28, o canal Futura terá 24 horas de programação exclusiva sobre educação, incluindo o lançamento da série Entrevista, com Priscila Cruz, presidente do movimento Todos Pela Educação.

Um Guia de Atividades com sugestões está disponível para instituições – públicas, privadas e do terceiro setor – e pessoas físicas que desejarem aderir à ação e realizar iniciativas também em seus territórios de atuação. Também é possível enviar vídeos e sugestões pelo Whatsapp (21) 99416-6489. Nas redes sociais, a campanha incentiva o uso das hashtags #DiadaEducacao e #Nem1PraTras.

O ISP e a Educação

A educação é, historicamente, a principal área de atuação do investimento social privado (ISP), conforme apontam os dados de todas as edições do Censo GIFE, realizado bianualmente há 18 anos. Desde 2001, o estudo, considerado um dos principais sobre o setor no Brasil, mostra que mais de 80% dos investidores sociais afirmaram ter atuado com o tema, seja por meio do desenvolvimento de ações próprias ou do apoio a iniciativas de terceiros.

Frente a esse cenário, o GIFE tem empreendido, desde 2018, uma iniciativa com o apoio do Instituto C&A (parte do processo de legado da atuação do Instituto em educação) e em parceria com o Todos Pela Educação e com o PNUD por meio da Plataforma de Filantropia para os ODS Brasil, cujo objetivo é identificar desafios e oportunidades a fim de subsidiar o debate em torno de como é possível aprimorar a articulação estratégica dos investidores sociais privados entre eles e com os demais atores que atuam na agenda.

Como primeiro resultado do projeto, o GIFE produziu o Mapa da Atuação do Investimento Social Privado em Educação. Elaborado à luz dos dados do Censo GIFE 2016, o estudo analisa as informações setoriais oriundas das respostas das 116 organizações participantes da pesquisa.

Uma segunda etapa da ação empreendida pelo GIFE consistiu em uma escuta ampla com a realização de 30 entrevistas em profundidade com os executivos das principais instituições do setor em volume de recursos investidos em educação, além de pessoas e instituições de outros setores referência no tema.

O trabalho contemplou ainda a realização de dois workshops, que oportunizaram ouvir outras 30 personalidades referência no assunto entre investidores sociais, organizações da sociedade civil (OSCs) e organismos internacionais. A ação permitiu a formulação de um Diagnóstico da Percepção da Atuação do Investimento Social Privado em Educação em 4 dimensões: o seu papel, legitimidade, impacto e articulação. A partir desse diagnóstico, o próximo passo é construir ações concretas que possam endereçar os principais desafios apontados.

Ainda em diálogo com essa iniciativa, o GIFE vai lançar em breve mais um produto com foco no tema da educação. A partir de maio, o redeGIFE, boletim semanal da instituição, vai trazer uma série de podcasts com a participação de atores do investimento social privado e de organizações referência no assunto para discutir os desafios e caminhos para avanços na agenda.

Para esquentar o debate, o redeGIFE preparou um infográfico a partir da triangulação dos dados obtidos nessa empreitada e o documento Educação Já!, do Todos Pela Educação, que reúne recomendações e indica as sete prioridades para melhorarmos a educação básica baseadas em diagnósticos detalhados, informadas por evidências e experiências de sucesso nacionais e internacionais e referenciadas no Plano Nacional de Educação.

Confira no infográfico a seguir os destaques obtidos a partir da conexão dessas três fontes de informações. As respostas não são simples, mas ajudam a delinear um caminho no qual a valorização da educação seja peça-chave na construção de uma sociedade mais justa, equânime e sustentável.

Notícias relacionadas

Casa Familiar voltada à educação de jovens do Baixo Sul da Bahia recebe Prêmio ODS Brasil

A Casa Familiar Agroflorestal (Cfaf), escola técnica integrada ao Ensino Médio localizada em Nilo Peçanha (BA), foi reconhecida com o Prêmio Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) Brasil após ter sido selecionada entre mais de mil participantes. Apoiada pela Fundação Odebrecht por meio do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade (PDCIS), a Cfaf ficou em 2º lugar na categoria “Instituições de Ensino, Pesquisa e Extensão”.