Skoll World Forum reúne empreendedores sociais de todo o mundo na Inglaterra

Com a proposta de acelerar o impacto dos empreendedores sociais mais influentes do mundo, unindo-os com parceiros estratégicos para troca de ideias, soluções e trabalhos colaborativos de aprendizagem que visam promover a mudança social, foi realizada a 12ª edição do Fórum Mundial Skoll sobre Empreendedorismo Social, de 15 a 17 de abril, em Oxford, na Inglaterra.

A iniciativa é da Fundação Skoll e do Centro Skoll de Empreendedorismo Social Saïd Business School e reuniu mais de mil participantes convidados na Universidadede Oxford. O GIFE participou pela primeira vez do encontro e alguns associados também estiveram presentes, como a Fundação Roberto Marinho, Instituto Camargo Correa, Instituto Arapyaú, TV Globo, Fundação Avina e Instituto Alana.

Decidimos participar para podermos conhecer a dinâmica do evento e, principalmente, para verificar se é um espaço relevante para os associados ocuparem enquanto investidores sociais. Percebemos que o Fórum é muito interessante e estratégico para os associados que atuam com empreendedorismo e buscam conhecer experiências inovadoras e fazer novos contatos”, comenta Andre Degenszajn, Secretário-Geral do GIFE.

Ao longo de três dias foram realizados debates organizados pelos próprios participantes, painéis, plenárias, sessões de trabalho e encontros para networking que buscaram colocar em evidência as melhores práticas, inovações e líderes que atuam na promoção do progresso social global.

Entre as lideranças reconhecidas, esteve presente no Fórum, por exemplo, um dos principais pensadores de negócios do mundo, o professor Michael Porter, que falou sobre como o desenvolvimento econômico por si só não é suficiente para a transformação social e a importância de se criar um novo paradigma para os próximos 50 anos.

Com o tema “Belief” – em português, Crença -, o evento teve como foco central valorizar o potencial de inovação e de transformação social que cada empreendedor social pode promover quando tem uma crença inabalável de que mesmo o problema mais intratável oferece uma oportunidade inigualável para a mudança. A ideia foi chamar a atenção para o poder que todos têm em colaborar para a construção de um mundo mais justo e melhor, encontrando soluções mais eficazes e inovadoras que oferecem oportunidades reais e sustentáveis para as pessoas realizarem seus sonhos.

O Fórum foi focado no papel dos indivíduos, com as discussões sempre a partir da perspectiva do empreendedor, daquele que não se aquieta diante dos problemas do mundo. Muito mais do que iniciativas institucionais, o encontro procurou sensibilizar os participantes a partir das histórias pessoais. Além disso, as experiências colocaram em evidência como pensar novas parcerias estratégicas disponíveis para lidar com questões socioambientais”, comenta Andre.

Nessa perspectiva, um dos painéis trouxe iniciativas realizadas em parceria entre organizações, tendo a tecnologia como carro-chefe para acelerar impactos. Neste painel, inclusive, o Imazon – Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia apresentou a parceria com o Google para detectar, quantificar e monitorar, por meio de imagens de satélites, o desmatamento, a degradação florestal, a exploração madeireira, as estradas não oficiais e outras formas de pressão humana na Amazônia Legal. Os resultados do monitoramento são combinados com diversos mapas digitais, por meio de Sistemas de Informações Geográficas (SIG), para a qualificação dos problemas ambientais e planejamento regional.

Outra iniciativa brasileira de destaque durante o Fórum foi a apresentação de como o Índice de Progresso Social (IPS) está sendo utilizado no país em diversas experiências (veja matéria no GIFE a respeito). O Brasil está liderando a implantação do índice em projetos de níveis municipais e comunitários. O Imazon apresentou o IPS Amazônia e o Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos enfatizou como os indicadores serão utilizados para o monitoramento socioambiental nas comunidades do Rio de Janeiro.

Reconhecimento

Durante o evento, foi entregue o Skoll Awards para quatro empreendedores sociais de destaque.

Jagdeesh Rao Puppala, da Foundation For Ecological Security, na Índia, foi um dos premiados. No país, muitas comunidades rurais dependem de terras públicas para a sua subsistência. No entanto, essas terras têm sido mal geridas, levando à degradação e exploração. Assim, a Fundação liderada por Jagdeesh, ajuda os moradores a conquistarem o seu direito à terra, orienta a como gerenciá-las de forma mais sustentável e torná-las mais produtivas.

O segundo premiado foi Ma Jun, do Institute of Public and Environmental Affairs. O empreendor criou algumas ferramentas para que as pessoas possam acessar informações sobre a terra, o ar e água, tendo em vista a grande poluição presente na China. O resultado disso foi que cerca de duas mil fábricas tiveram de tomar medidas para limpar suas operações.

Já Safeena Husain, foi premiada pelo seu trabalho voltado à educação das meninas da Índia, principalmente as que vivem em comunidades rurais. Desde 2007, o projeto já beneficiou 1 milhão de crianças em 7.500 escolas. E, por fim, outro premiado foi Alasdair Harris pelas iniciativas voltadas a promover a preservação ambiental e conservação da costa, além da geração de renda, desenvolvidas em Madagascar.

O Fórum também realizou a entrega da premiação Skoll Global para Graça Machel, advogada que atua na causa de mulheres, crianças e comunidades afetadas pela injustiça. Ela foi ministra de Educação de Moçambique e, depois de deixar o Ministério, produziu um inovador relatório sobre o impacto dos conflitos armados nas crianças que mudou a forma como a ONU atua em zonas de conflito.

Outras ferramentas

Além do evento, o Skoll World Forum online é uma plataforma em que, durante todo o ano, o público tem a sua disposição uma série de notícias e informações a respeito de práticas inovadoras em diversas temáticas, como desmatamento, educação, oportunidade econômica, saúde, entre outras.

Apoio institucional