Fundação Romi publica seu Balanço Social e Relatório de Sustentabilidade

Mais de 290.000 pessoas foram impactadas, beneficiadas ou usufruíram das ações realizadas pela Fundação Romi por meio de suas três áreas estruturantes – o Núcleo de Educação Integrada, o Centro de Documentação Histórica e a Estação Cultural – ao longo do ano de 2018, fortalecendo os mais de 60 anos dedicados à promoção e ao fomento da Educação e da Cultura em Santa Bárbara d´Oeste e região. Foram dezenas de oficinas, feiras, exposições, expedições, intervenções, manifestações, espetáculos, formações, visitações, projetos e investimentos.

O ano de 2018 marca o lançamento de nossa nova e renovada escola, o Núcleo de Educação Integrada, que passou a atender da Educação Infantil ao Ensino Médio. Instituído em 1993, de projeto educacional no contraturno da escola regular, em 2014, tornou-se uma escola regular de Ensino Fundamental II em período integral. Abarcando pouco mais de 200 alunos por ano, a escola de metodologia própria, na vanguarda da educação nacional, desprovida de salas de aula tradicionais, materiais didáticos engessados e apostilas, expôs para Santa Bárbara d´Oeste e região uma nova forma de pensar e fazer educação. Frente ao sucesso dos seus “novos” desafios fez-se a oportunidade de uma nova mudança: desta vez evolutiva e excepcional.

A transformação do Núcleo de Educação Integrada perpassou tanto a formação dos docentes, atuais e novos contratados, até a reestruturação das edificações. Foi concluído um complexo educacional que envolve mais de 30 salas temáticas, laboratórios, ateliês e espaços de convivência reunidos em 6.000 m², além de um ginásio poliesportivo e multicultural, um campo de futebol e quadra de areia. Todo esse arcabouço compreendeu grandes investimentos empregados em infraestrutura e recursos humanos, com a contratação de mais de 60 novos educadores, tudo isso para atender as 700 vagas abertas e, integralmente, preenchidas para 2019.

No âmbito dos educadores, não apenas Jean Piaget, mas também, em Lev Vygotsky, Benjamin Bloom, Loris Malaguzzi, Howard Gardner, Paulo Freire, dentre outros estudiosos, integram o elenco de pesquisadores e pensadores que estão aprimorando aquilo que o NEI já vem fazendo há 25 anos e, agora, revolucionando “a melhor forma de educar” nesta nova etapa de sua existência.

Paralelamente ao Núcleo de Educação Integrada, o Centro de Documentação Histórica também enfrentou mudanças estruturais. Dando lugar ao NEI em seu antigo prédio, o CEDOC expandiu suas ações extramuros. Ultrapassou as fronteiras das edificações da Fundação Romi e, literalmente, abraçou outras cidades do entorno de Santa Bárbara d´Oeste. Mais de 190 professores da Rede Pública e de Instituições Privadas foram recebidos no Centro de Documentação Histórica para participarem do curso de formação da ação educativa “Baú da História”. Dezenas de escolas aderiram ao projeto, o que resultou em milhares de alunos do Ensino Fundamental I diretamente beneficiados.

O “Baú da História” foi um instrumento didático rico em conteúdo e ludicidade. Através dele os educadores tiveram a oportunidade de recriar meios de contar e trabalhar a história da cidade com seus alunos. Por meio deste projeto, o CEDOC chegou às escolas de Santa Bárbara d´Oeste de uma forma inédita, oportunizando que cada entidade educacional, professor e aluno conhecesse nosso trabalho de preservação, guarda e compartilhamento da memória do município e, sobretudo, tivesse acesso à história desta bicentenária cidade.

Concomitantemente, mais de 250.000 espectadores, em Santa Bárbara d´Oeste, Nova Odessa, Americana e Campinas, prestigiaram a exposição itinerante “CEDOC em Movimento: Santa Bárbara 200 anos”. A iniciativa resgatou três dos principais pontos histórico-turísticos da cidade através de registros fotográficos. A mostra foi uma oportunidade para que os munícipes das cidades visitadas acessassem um recorte histórico de Santa Bárbara d’Oeste, cujos pontos retratados fazem parte da história regional e externalizam o passado, ao mesmo tempo em que dialogam com o presente em uma relação de continuidade e mudança.

Outro marco protagonizado pelo CEDOC, nas celebrações dos 200 anos do município, foi o lançamento do livro “Santa Bárbara d´Oeste 200 anos”. A narrativa foi construída pelo renomado escritor José Pedro Martins ao lado do premiado fotógrafo Ricardo Pereira Martins. Este projeto retrata a trajetória da cidade, sua fundação, a presença dos imigrantes, as usinas, a industrialização, a explosão populacional, a evolução urbanística, o polo universitário e tecnológico, sua trajetória cultural, aspectos ambientais e traz um panorama dela frente ao século XXI. Além disso, no ano em que celebrou seus nove anos neste formato de atuação, o Centro de Documentação registrou números extraordinários os quais refletem a atividade de Processamento Técnico da instituição, outra imprescindível frente de atuação do CEDOC.

Somando forças ao Núcleo de Educação Integrada e ao Centro de Documentação Histórica, a Estação Cultural também teve uma atuação importante. Resultado da revitalização da antiga estação ferroviária, a Estação celebrou 11 anos de atividade, em 2018, em prol da cultura regional. Foram mais de 8.000 pessoas beneficiadas pelas várias ações promovidas como oficinas de formação, palestras, encontros, feiras, exposições, teatros, esquetes, shows, danças e literatura, além das mais de 14.000 que prestigiaram a Virada Cultural Paulista. Com foco em fomentar o empreendedorismo cultural e criativo, acrescentadas às dezenas de oficinas culturais e de formação, aconteceram também sete edições da “Estação Artesanal”. Reunindo 109 artesãos que puderam expor e comercializar seus trabalhos feitos à mão, desde costura criativa à gastronomia, a mostra movimentou milhares de pessoas, promovendo o intercâmbio entre artistas de diversas localidades da região.

Estes de 11 anos de história firmam a Estação Cultural como um importante mecanismo de disponibilização do acesso à cultura, promoção do artista local e regional e fomento à economia criativa. Para além dos números, a Estação se concretiza como um espaço de relações humanas e vivências.

Encerrando o ano de 2018  Fundação Romi recebeu em sua a Rede de Investidores do Interior Paulista (RIS), vinculada ao GIFE (Grupo de Institutos, Fundações e Empresas), uma associação de investidores sociais do Brasil, para realizar o balanço do ano e discutir as estratégias para atuação em rede e traçar novas metas para 2019. Como uma rede regional, o objetivo do RIS é se fortalecer no território, numa articulação voltada para o interior paulista, trocando experiências e elaborando soluções conjuntas de impacto social entre as instituições integrantes do grupo.

Assim, o Superintendente da Fundação Romi, Vainer Penatti, convida todos vocês para que desfrutem deste caderno especial:  “O ano de 2019 promete ser um ano impressionante, assim como foi 2018 para todos nós da Fundação Romi e para todos aqueles que, direta ou indiretamente, se relacionaram conosco por meio de nossas áreas estruturantes, ações e projetos. Arrebatamos milhares pessoas no último ano. É como se toda a população de Santa Bárbara d´Oeste, e outros mais, vivenciasse conosco nossas realizações. Neste Relatório de Sustentabilidade e Balanço Social você encontrará uma série de informações, números e feitos que vêm fortalecer nossos laços com a população e com a história de Santa Bárbara d´Oeste. Aqui reiteramos nosso compromisso com nosso município: promover o desenvolvimento social e humano através da Educação e Cultura. Para nós não há nada melhor do que comprimirmos nossa Missão”.

Para acessar o Relatório de Sustentabilidade e Balanço Social edição 2018/2019 clique aqui.

Conteúdo produzido pela Fundação Romi

Notícias relacionadas