Governo do Mato Grosso e investidores sociais discutem oportunidades para projetos de interesse público

Apoiar o aperfeiçoamento do ambiente político e institucional do campo social para ampliar a qualidade e relevância dos investimentos de organizações da sociedade civil é o compromisso principal do GIFE. Contudo, é natural que a maioria das articulações e boa parte do conhecimento gerado sobre o tema estejam concentrados nos grandes polos econômicos do país – majoritariamente no eixo Rio-São Paulo. Sendo assim, nos últimos anos, o GIFE tem assumido a empreitada de ampliar sua esfera de atuação Brasil adentro, propondo diálogos e articulando novas redes de caráter regional.

A mais nova articulação nessa linha está acontecendo no Mato Grosso, estado da região Centro-Oeste brasileira conhecido por sua extensa área –  são mais 903 mil km² -, pelo seu protagonismo no agronegócio e na mineração, por suas fronteiras com importantes parceiros econômicos do Brasil e por ser berço de três importantes biomas: Amazônia, Cerrado e Pantanal.

O diálogo entre diversas organizações que atuam na região, marcado pela realização do primeiro “Encontro de Investimento Social Privado – Mato Grosso 2016”, busca colocar o estado em um papel de destaque no mapa do campo social brasileiro. O evento, articulado pelo Governo do Estado em parceria com o GIFE, Instituto Tellus e investidores com atuação destacada no Mato Grosso, aconteceu no último dia 30 de novembro no Palácio Paiaguás, sede do governo.

O governador iniciou o encontro agradecendo a presença de todos os representantes das organizações e dos secretários de governo. Pedro Taques reforçou a ideia da integração de esforços dos setores público e privado para busca de soluções para demandas sociais. Também reforçou que a relação com o tempo é muito diferente nessas duas esferas e que o setor produtivo – e por consequência o Investimento Social Privado – tem muito mais capacidade de gerar resultados em um período curto do que o poder público.

Andre Degenszajn, secretário-geral do GIFE, comentou durante o evento que esse tipo de diálogo representa um compromisso explícito de todos os setores com a questão social e que as parcerias entre as organizações da sociedade civil e o poder público são fundamentais para atingir resultados de impacto.

“Este movimento tem potencial para se tornar referência de um tipo de articulação entre organizações da sociedade civil e esfera pública. A relação com a política pública está inserida na própria lógica de Investimento Social Privado e é assim que se alcança impacto. Precisamos buscar sinergias entre o campo privado e o público para conseguirmos avançar”, explicou Degenszajn.

Maria Stella Lopes Okajima Conselvan conta que o caminho para o diálogo está sendo construído. Maria Stella é diretora presidente da MTPAR, uma sociedade de economia mista criada pelo Governo do Estado para promover a geração de investimentos por meio de parcerias público-privadas. “Estamos aqui realizando um desafio que nos foi proposto em abril e, de lá pra cá, construímos uma relação muito interessante. Hoje estamos vivendo um momento de sensibilização sobre a relevância do Investimento Social Privado. O Mato Grosso não tem essa agenda estruturada e é a primeira vez que o GIFE realiza essa discussão por aqui. Nossa intenção é ter uma rede de investimento social no estado.”

Repercussão

Rogerio Bressan, diretor executivo da Fundação Banco do Brasil, contou que a organização atua sempre com parceiros estratégicos, especialmente em iniciativas voltadas para a área da inclusão socioprodutiva. “Somente no estado do Mato Grosso já foram destinados 30 milhões nos últimos 10 anos. Esperamos poder continuar atuando em projetos que sejam importantes para o estado.”

Cloves Carvalho, diretor do Instituto Votorantim, contou que o Grupo Votorantim está presente no estado desde 1990 por meio do negócio de cimento. E que, nestes anos, muitos programas e projetos já foram desenvolvidos. “Entendemos a necessidade de apoiar as parcerias público-privadas e estar próximos das políticas públicas locais. Um dos nossos grandes desafios é pensar como o Investimento Social Privado pode aumentar a eficácia e eficiência da gestão pública.”

Para o secretário de Educação do Mato Grosso, Marco Marrafon, iniciativas como esta reforçam o pressuposto de integração entre poder público e sociedade civil. “A educação pública de qualidade trabalha basicamente com recursos públicos, mas, a sociedade também tem que assumir a sua responsabilidade nestes investimentos”, pontuou.

Outra convidada do evento, a Fundação Cargil, representada por sua gerente, Alice Damasceno, celebrou a oportunidade de participar de um encontro desse porte. “Trabalho há muitos anos com Investimento Social Privado e é a primeira vez que vejo algum governo procurando os investidores sociais para iniciar um diálogo dessa forma.”

Entre os convidados do Governo do Estado do Mato Grosso e do GIFE, estiveram presentes no encontro o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES); Instituto Votorantim; Fundação Cargill; Banco do Brasil; Fundação Lucia e Pelerson Penido; Nascentes do Xingu; Oi Futuro; Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr e Quiroga Advogados; Sicredi; Roche Farmacêutica; AmBev; Agro Amazônia; Instituto de Corresponsabilidade pela Educação (ICE); Instituto Natura; Fundação Andre e Lúcia Maggi; Instituto Semeia; Instituto Equipav e Grupo Roncador.

Cobertura feita pelo governo do Mato Grosso