Plataforma incentiva conscientização sobre solidariedade e doação desde a infância

Não é novidade que o tema cultura de doação marcou noticiários, reportagens, reuniões, atividades e até mesmo conversas informais desde a chegada da pandemia ao Brasil. Muitas pessoas que antes não realizavam nenhum tipo de ação de solidariedade ou o faziam pontualmente, começaram a discutir mais sobre o tema e se engajar nessa direção. O ideal, entretanto, é chamar atenção para a importância de desempenhar práticas cidadãs e solidárias desde cedo, ainda com crianças. 

Foi pensando nisso que a organização Umbigo do Mundo, de São Paulo, criou a  Plataforma de Educação para a Gentileza e Generosidade Dia de Doar Kids, uma das quatro iniciativas selecionadas pela segunda edição do edital do Fundo BIS, chamada pública voltada a apoiar iniciativas que colaboram e criam mecanismos para o fortalecimento da cultura de doação no Brasil. 

A iniciativa Dia de Doar Kids é dividida em três frentes: família, ecossistema dos jovens e metodologia. A seleção pelo Fundo BIS apoiou o desenvolvimento da metodologia Dia de Doar Kids, que consiste em sete princípios  – gentileza, generosidade, sustentabilidade, respeito, diversidade, cidadania e solidariedade – a serem trabalhados junto a crianças por professores e demais profissionais da educação nas escolas. 

Se antes a plataforma contava com três atividades, o apoio do Fundo BIS possibilitou o desenvolvimento de três atividades para cada eixo, totalizando 21 propostas, que, juntamente com as três existentes e mais duas adições, resultou em 26 práticas. 

Marina Pechlivanis, sócia da Umbigo do Mundo e idealizadora da Plataforma Dia de Doar Kids, explica que o objetivo principal da metodologia é oferecer ao professor um território didático, narrativo e transdisciplinar que facilite a implementação de práticas e atividades que discutam a doação em sala de aula. 

“Nossa dinâmica de ensino se baseia em um processo acolhedor, integrativo e transformacional, incentivando que as crianças saiam de um determinado estado de percepção e consciência e dirijam-se a outro. A metodologia facilita a implementação de uma temática complementar ao currículo, que os professores já sabem que é super importante, mas que, sem um material apropriado, pode ficar perdido”, afirma Marina. 

Dessa forma, a proposta é oferecer uma metodologia sistêmica, que seja capaz de construir um fio condutor a ser trabalhado a partir de diversas atividades ao longo do ano. “Costumamos falar que ‘todo dia é Dia de Doar’, mas precisamos oferecer complementos para que os professores possam criar uma base consistente, fazendo com que os alunos percebam que não se trata de algo isolado. Não é ‘doei no Dia de Doar e acabou’. É perceber como tudo isso interfere na cidadania, na diversidade, no respeito, no pensamento solidário, em ser gentil e sustentável. Pensamos de uma forma que um eixo contribua com o outro.” 

Entenda a proposta 

Cada um dos sete eixos citados acima conta com uma frase de inspiração, uma proposta para ser trabalhada pelo professor e a justificativa de sua importância, além de planos de aula prontos para download. No eixo solidariedade, por exemplo, a ideia é estudar seu valor nas relações humanas, conhecer personalidades que fizeram a diferença por sua conduta solidária e experimentar a solidariedade desenvolvendo e implementando iniciativas na comunidade local. 

Entre as atividades propostas nesse eixo estão realizar um círculo da solidariedade, estudar a questão dos refugiados – e, consequentemente, construir empatia – e presentear outras pessoas no dia do seu próprio aniversário. 

Todas as atividades foram pesquisadas a partir da plataforma americana Learning To Give, adaptadas e divididas entre os sete princípios que compõem a metodologia, traduzidas, avaliadas por pedagogos e coordenadores pedagógicos e, posteriormente, enviadas para realização do projeto piloto nas escolas. 

Inicialmente, a ideia era criar as estratégias para serem desenvolvidas de forma presencial em sala de aula. Entretanto, Marina explica que a chegada da pandemia alterou os planos. Dessa forma, a equipe teve o cuidado de pensar em alternativas e adaptações para o mundo online para todas as propostas dos sete eixos de trabalho. 

Projeto piloto nas escolas 

Depois do anúncio dos projetos selecionados pelo Fundo BIS, teve início todo o processo de aprimoramento da metodologia Dia de Doar Kids. Em seguida, as articulações com escolas resultaram em quatro parcerias para aplicação do projeto piloto: São José dos Campos, Sorocaba e Brasília – uma escola pública em cada localidade – e Sorocaba – em uma escola da rede particular. 

Marina explica que o processo foi particularmente desafiador por conta de três agravantes: a pandemia de Covid-19, que suspendeu aulas em todo o país; o período eleitoral, que impôs algumas restrições de atividades, principalmente em instituições de ensino da rede pública; e o final de ano, desafiador para professores e demais profissionais da educação devido à quantidade de atividades e propostas que se acumulam nessa época. 

“Começamos as conversas com as escolas em agosto, mas, depois disso, realizamos várias reuniões prévias para formação dos professores que iam implementar as atividades. Todos os feedbacks que temos recebido mostram que, apesar dessas três principais dificuldades, a proposta foi bem recebida. O eco dessa metodologia em toda a comunidade escolar e familiar é incrível. Temos relatos de professores que falam que entraram nessa jornada achando que iam transformar seus alunos mas, na verdade, eles é que foram transformados, juntamente com as famílias dos estudantes”, relata Marina. 

Em linhas gerais, a proposta apresentada ao Fundo BIS foi justamente a aplicação do projeto piloto junto a algumas escolas, para que elas possam relatar o que estão entendendo e gostando da metodologia, como estão aplicando, se estão sentindo dificuldades. Com os feedbacks, Marina reforça que a equipe da Umbigo do Mundo tem percebido que está no caminho certo.

Conheça os outros eixos 

O eixo família reúne as super dicas, ou seja, orientações simples, claras e direcionadas para que seja possível debater o assunto da doação em casa com pais, irmãos, tios, avós e demais parentes. Videos curtos de até dois minutos abordam o impacto econômico da generosidade, o valor do dinheiro e da doação, educação financeira para crianças e outros temas, enquanto as aulas práticas também contam com temáticas diversas: a importância da doação, doação em plataformas virtuais, economia da generosidade, bolinho da gentileza, faça sua campanha, dancinha da doação e para aprender a doar. 

O ecossistema dos jovens inspiradores consiste em um grupo de adolescentes e jovens que já têm um olhar desenvolvido para a área social e, a partir disso, apoiam a disseminação das ideias da plataforma. Marina comenta que diversos estudos comprovam maior nível de empatia quando crianças observam e passam a conhecer projetos desenvolvidos por jovens, devido à criação de um eixo de proximidade.

Notícias relacionadas

Apoio institucional