Plataforma Parceiros pela Amazônia divulga negócios de impacto selecionados para programa de aceleração

Já estão disponíveis os nomes dos 15 negócios selecionados pela segunda chamada do Programa de Aceleração PPA, da Plataforma Parceiros pela Amazônia

A primeira versão do edital foi lançada em 2018 com o objetivo de, além de reconhecer o crescimento do ecossistema de negócios de impacto na Amazônia, selecionar iniciativas que proponham um novo modelo econômico para a região – contrário ao desmatamento e às atividades predatórias – e fornecer assessoria jurídica e contábil, bolsas de estudo, além de viabilizar espaços de coworking e participação em workshops e mentorias.  

Se em 2018 foram aceitos somente projetos originários e atuantes na região, a chamada de 2019 recebeu iniciativas de todo o Brasil. Dos 15 selecionados, seis estão localizados no estado do Amazonas, quatro no Pará, dois no Mato Grosso, dois no Rio de Janeiro e um em Santa Catarina.

Selecionados 

Os 15 negócios foram selecionados entre 201 inscritos. São eles: Academia Amazônia Ensina, Cacauway, Coex Carajás, CODAEMJ, Instituto Ouro Verde, ManejeBem, Na Floresta, NavegAM, Nossa Fruits, Oka, ONF Brasil, Prátika Engenharia, Serras Guerreiras de Tapuruquara, Taberna da Amazônia e Tucum. 

Os empreendimentos englobam 14 dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS): educação de qualidade, parcerias e meios de implementação, ação contra a mudança global do clima, vida na água, paz, justiça e instituições eficazes, cidades e comunidades sustentáveis, redução das desigualdades, igualdade de gênero, água potável e saneamento, indústria, inovação e infraestrutura, saúde e bem-estar, fome zero e agricultura sustentável, erradicação da pobreza e vida terrestre.

As iniciativas englobam cursos sobre sustentabilidade, tecnologia e conservação do meio ambiente; produção e industrialização de cacau e chocolate; produção, venda e entrega de óleos de sementes de andiroba, murumuru e ucuuba para a indústria de cosméticos; extração sustentável das folhas do jaborandi; vendas de passagens e transporte de cargas fluviais online; entre outras ações. 

Além de terem acesso a workshops e mentorias – voltadas a apoiar o início de concepção e desenvolvimento -, as iniciativas também receberão assessoria contábil e jurídica, de design e comunicação e poderão fazer uso de espaços de coworking em Manaus e Belém. 

Antes disso, os negócios darão início ao processo de aceleração ao participar de uma rodada com investidores em dezembro deste ano com o objetivo de levantar investimentos de até R$ 800 mil para suas iniciativas.

Notícias relacionadas

FGV Direito SP disponibiliza working paper sobre requerimentos da CPI da Amazônia 2019 e o que as antigas CPIs das ONGs têm a ensinar 

Em face a novos requerimentos solicitando CPIs em virtude das queimadas e desmatamentos na Amazônia, que dirigem suas atenções para a atuação das ONGs de modo genérico e podem dar início a ampla investigação de todo o setor, a FGV Direito SP publicou o working paper “Os requerimentos da CPI da Amazônia em 2019: o que as antigas CPIs das ONGs têm a ensinar”.

Sementes da Amazônia sustentam famílias de áreas de conservação

O óleo extraído de três tipos de amêndoas tem garantido renda para mais 500 famílias que vivem nas comunidades ribeirinhas nas vizinhas Reserva Extrativista (Resex) Médio Juruá e Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Uacari, no município de Carauari (AM), a 790 quilômetros da capital Manaus. O trabalho de coleta é feito conforme a regulamentação ambiental, com o objetivo de contribuir para a preservação da floresta.

Apoio institucional