Prêmio da Fundação Nestlé reconhece iniciativas de promoção de hábitos saudáveis

 

Seguindo seu propósito de melhorar a qualidade de vida e promover hábitos mais saudáveis, a Fundação Nestlé irá lançar o Prêmio Crianças Mais Saudáveis. Como o próprio nome adianta, a iniciativa busca reconhecer práticas que estimulem as crianças a se alimentarem melhor e de forma mais consciente.

Para isso, a metodologia escolhida pela Fundação é selecionar e premiar escolas e educadores que já desenvolvem ou querem colocar algum projeto em prática, sempre considerando o viés da alimentação saudável e promoção de melhores hábitos.

A analista sênior da Fundação Nestlé, Bruna Fanchini, explica que a organização busca estimular cinco comportamentos: 1. Escolhas variáveis e nutritivas na alimentação (priorizando frutas, verduras e legumes); 2. Brincar ativamente (com estímulo do movimento e da cultura corporal); 3. Beber água (que as crianças tenham a água como principal bebida e entendam sua importância); 4. Entender o porcionamento, isso é, as porções a serem consumidas em cada refeição (no sentido de incentivar escolhas conscientes e equilibradas); e 5. O hábito de comer juntos e aproveitar as refeições com as pessoas queridas e colegas, de forma que a alimentação seja um momento agradável, proporcionando a criação de um vínculo com o alimento.

Escolas e professores que têm um projeto mas que não conseguiram sua implementação, seja por uma questão de planejamento, capacitação, consultoria ou recursos financeiros, podem participar da premiação, que tem como um de seus objetivos ajudar a tirar ideias do papel. Entretanto, a chamada também está aberta àqueles que se interessam pelo tema e buscam um incentivo para desenvolver uma ação nessa área.

Quem pode participar

Como trata-se da primeira edição, a Fundação optou por limitar as inscrições a dois estados: São Paulo e Bahia. Segundo Bruna, a ideia é trazer duas regiões com características diferentes, de forma que a organização possa entender na prática como o Crianças Mais Saudáveis funciona. “Para escolher São Paulo e Bahia, nós olhamos para pontos como IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), quantidade de crianças por escola, se o perfil da escola é mais urbano ou rural, o acesso dos professores à internet, entre outros. Escolhemos esses dois perfis diferentes para ver como o programa irá se desenvolver para que depois expandi-lo”, explica.

Criar uma horta escolar é um exemplo de iniciativa que conversa diretamente com os objetivos do prêmio. Alguns outros pontos também podem ser contemplados, como, por exemplo, a reformulação do espaço do refeitório, a reforma de quadras ou compra de materiais e instrumentos para educação física. “Na parte do refeitório, um ponto bem importante é implementar o autosserviço, é algo que a gente vê que funciona muito bem. Muitas vezes, no momento da refeição na escola, as crianças já recebem o prato pronto, ou nem veem o rosto da pessoa que cozinhou, então não tem uma conexão. Se implementar um autosserviço, onde a criança escolhe o que vai comer, a chance de se alimentar melhor é grande. Mas, para isso, precisa de uma infraestrutura, que é onde entra o nosso apoio”, exemplifica Bruna.

Prêmio

Um total de R$ 350 mil está disponível para aplicar nos dez projetos selecionados. O prêmio não fará um repasse da verba, e sim a compra dos insumos mencionados na proposta inscrita.

O site oficial da premiação será lançado no dia 18 de abril. A partir daí, os interessados em concorrer terão até o dia 1º de junho para enviar sua proposta. O anúncio dos vencedores será feito no início de julho e, em seguida, a Fundação irá reunir todos os selecionados em São Paulo para uma capacitação em conjunto, oferecida pelo Instituto Crescer, parceiro da Fundação Nestlé.

“A ideia da capacitação é ajudar os professores a aprofundar ainda mais o projeto deles. Vamos usar algumas metodologias de design thinking e de inovação para definir como vai ser o monitoramento, fechar os cronogramas, a fim de que eles saiam daqui com a clareza de como vão conseguir colocar a proposta de pé”.  

Eventos de lançamento

Para reunir educadores e gestores escolares e explicar mais detalhadamente o funcionamento e a dinâmica do prêmio, a Fundação irá realizar dois eventos de lançamento. Em São Paulo, acontecerá no dia 19 de abril, no Instituto Tomie Ohtake, das 11h às 13h, e as inscrições podem ser realizadas neste link. Já em Salvador, o encontro acontecerá no dia 26, também das 11h às 13h, na Casa Salvatore, com inscrições aqui.

São eventos gratuitos, abertos à todos os interessados na temática. Na programação, estão debates e conversas com especialistas, como a professora e vencedora do Prêmio Educador Nota 10, Jacqueline Cristina Jesus Martins, que dará dicas para os interessados em participar da seleção; a nutricionista com foco em práticas pedagógicas relacionadas à Nutrição e Educação Lúdica, Juliana Bonato; e a ex-jogadora de vôlei Ana Moser, para falar sobre a importância da prática esportiva nas escolas.

Plataforma de cursos

Além da premiação destinada a educadores, o programa traz também outra iniciativa: uma plataforma online e gratuita de cursos sobre hábitos e alimentação saudáveis. Trata-se de um portal aberto, criado para inspirar educadores em todo o território nacional.

Os conteúdos foram elaborados com a vivência e experiências da Fundação em outros projetos. Além disso, Bruna ressalta que, posteriormente, as melhores ações ficarão disponíveis para servir de exemplo à outros profissionais da educação.

Inicialmente, cinco cursos estarão disponíveis: cada um deles será baseado em um comportamento que a Fundação pretende estimular. Ao final, é possível obter um certificado mediante a resposta de um questionário.

Notícias relacionadas