Territórios colaborativos pela educação

Com determinação e persistência, o Instituto Chapada de Educação e Pesquisa (Icep) nasceu há mais de 20 anos, na Chapada Diamantina (BA), com o sonho de transformar a vida de crianças garantindo a elas o direito a uma educação pública de qualidade. À época, os desafios eram diversos: recursos escassos, não havia coordenadores pedagógicos nas escolas e as redes de educação atuavam de forma desarticulada. Foi então que a educadora Cybele Amado teve a ideia de reunir educadores e gestores promovendo um movimento de colaboração em torno desse propósito.

Desta forma nasceu a Tecnologia Social “Territórios Colaborativos pela Educação”, que atua em três pilares: na formação continuada de educadores, gestores e equipes técnicas das redes municipais; na produção de materiais didáticos e documentos curriculares municipais; e na mobilização sociopolítica de atores sociais para a permanência das boas práticas e políticas educacionais nos municípios.

A tecnologia educacional realiza a articulação com os setores público, privado e a sociedade civil; a troca de experiências entre redes, com ênfase na colaboração e a implantação e fortalecimento da política municipal de formação continuada vinculada às práticas profissionais. A iniciativa promove também a avaliação e o monitoramento permanente das aprendizagens. “Nessa metodologia, é fundamental que a comunidade e os educadores legitimem todas as estratégias que se pretenda aplicar a fim de criar um ambiente educador em cada cidade”, explica Elisabete Monteiro, diretora presidente e pedagógica do Instituto Chapada.

Atualmente a rede Icep abrange 285 mil estudantes, 2.600 escolas e mais de 15 mil educadores. A tecnologia é amplamente aplicada em todos os municípios de atuação do Instituto Chapada. Atualmente abrange cerca de 30 municípios da Bahia, em quatro territórios: Chapada Diamantina e Regiões, Litoral Sul, Agreste Litoral Norte, Salvador e região metropolitana. Os territórios da Chapada Diamantina e Regiões e do Agreste Litoral Norte atuam em regime de colaboração através dos Arranjos de Desenvolvimento da Educação (ADE). Uma novidade é que neste ano a tecnologia encontra-se em expansão também nos estados de Alagoas e São Paulo.

Os impactos e resultados da atuação do Icep por meio da metodologia “Territórios Colaborativos pela Educação” nos municípios são expressivos e se destacam em cinco dimensões: participação dos pais e da comunidade no planejamento da educação municipal; consolidação de espaços de acompanhamento, análise e reflexão da prática didática nas redes municipais parceiras; gestão pública mais comprometida com resultados na educação e articulada em níveis intramunicipal e intermunicipal; redução significativa dos índices de reprovação e abandono dos estudantes à escola; aumento do número de crianças plenamente alfabetizadas (89% no 2º ano de escolarização); e crescimentos das notas nas avaliações nacionais como o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB).

Todo material produzido é disponibilizado ao público pelo portal e redes sociais do Icep, as publicações podem ser acessadas e baixadas gratuitamente no site. Os vídeos estão disponíveis no canal do Youtube.

O início

A história teve início em 1997, com o Programa de Desenvolvimento e Auxílio ao Professor, no município de Palmeiras (BA), abrangendo escolas rurais, desenho inicial do que viria a ser uma tecnologia colaborativa.  E em 1999 com investimento, comprometimento e participação coletiva em prol da qualidade da educação pública nasceu o Projeto Chapada, elaborado a muitas mãos por educadores, comunidade local, associações de agricultores, pais e secretários municipais de educação de 12 municípios da Chapada Diamantina. Desse trabalho coletivo e a partir dos resultados alcançados nos primeiros anos, em 2016 constitui-se o Instituto Chapada, uma organização que acredita na educação como principal instrumento de inclusão, de crescimento social e democracia.

Certificação

Em 2019, a metodologia recebeu certificação no Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social. “É um orgulho e uma alegria ter a certificação, pois é um reconhecimento da Tecnologia Social criada e desenvolvida pelo Instituo Chapada, há mais de 20 anos, de forma colaborativa com parceiros públicos e privados que acreditam na transformação da educação. O selo valoriza e reforça a importância da nossa atuação, demonstrando que é uma tecnologia que traz resultados efetivos para as comunidades em que atuamos e que pode ser replicada em outros territórios”, destaca Elisabete.

Inscrições abertas!

Estão abertas as inscrições para o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social 2021. As instituições interessadas têm até o dia 28 de maio de  2021 para se cadastrar, exclusivamente pelo site transforma.fbb.org.br/premios. Os resultados de cada etapa do Prêmio – certificadas e finalistas – serão divulgados no portal de notícias da Fundação BB e na Plataforma Transforma! Podem participar entidades sem fins lucrativos, como instituições de ensino e de pesquisa, fundações, cooperativas, organizações da sociedade civil e órgãos governamentais de direito público ou privado, legalmente constituídas no Brasil.

Para tornar o processo de participação mais acessível, os interessados podem conferir o vídeo tutorial com todo o passo a passo para inscrever novas iniciativas.

Apoio institucional