UNESCO lança versão em português do Relatório Conciso de Gênero

Já está disponível a versão em português do Relatório Conciso de Gênero. O material faz parte de uma série que começou em 2011 e propõe análises das questões de gênero a partir de conclusões e dados coletados anualmente pelo Relatório de Monitoramento Global da Educação da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

A edição atual deste último fala sobre a responsabilização para o sucesso da Agenda Educação 2030, que designa o próprio relatório como instrumento de controle e monitoramento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 4: “assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos”.

O Relatório Conciso de Gênero aponta que a substituição dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) pela agenda dos ODS traz um conjunto mais amplo de fontes de informação e indicadores para monitoramento dos Objetivos, principalmente o quarto. No subtítulo “Cumprir nossos compromissos com a igualdade de gênero na educação 2018”, o material chama atenção justamente para o fato de que toda a população, incluindo governos, profissionais da educação e sociedade civil, tem um papel no processo de eliminar as desigualdades de gênero no âmbito educacional.

A sexta edição do material foi lançada durante o webinário “Tendências globais da igualdade de gênero na Educação”, realizado em junho no Brasil pela UNESCO e pela Associação de Jornalistas de Educação (Jeduca). O evento contou com representantes das duas instituições, que, na ocasião, expuseram alguns dados do relatório.

O que os números mostram

Um conjunto de informações da publicação diz respeito à paridade de gênero nos níveis de educação. Segundo o relatório, 34% dos países não alcançaram a paridade de gênero na educação primária (que equivale aos primeiros anos do Ensino Fundamental), 55% não alcançaram a paridade no primeiro nível da educação secundária (equivalente aos anos finais do Ensino Fundamental) e 75% dos países não alcançaram a paridade no Ensino Médio. O documento mostra ainda que apesar das disparidades de gênero nas taxas de crianças e jovens fora da escola terem diminuído nos últimos quinze anos, em 2015, 264 milhões de crianças e jovens em idade escolar estavam fora da escola.

Além das análises textuais, o relatório traz imagens e gráficos, como o que aponta que países mais ricos têm chances maiores de alcançar a paridade de gênero. Avançando para fases seguintes da vida, o relatório também traz informações sobre a desigualdade em posições de liderança ao afirmar que as mulheres são sub-representadas em cargos de liderança de agências da ONU e de organismos de ajuda e cooperação. Exemplo disso é que até outubro de 2017, 16 de 21 diretores da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) eram homens. A representatividade cai ainda mais quando a análise acontece no âmbito nacional. Também em 2017, de 193 países da ONU, 11 tinham uma mulher como chefe de Estado e 12 tinham uma mulher como chefe de governo.

Para além do ODS 4, a publicação também analisa a questão educacional relacionada a outros fatores e Objetivos com perspectivas de gênero em saúde, saneamento e agricultura. Produzido com apoio de diversos órgãos como Iniciativa das Nações Unidas sobre Educação de Meninas (UNGEI), o relatório completo pode ser acessado em português neste link.

Notícias relacionadas