Vem aí o Dia de Doar

Uma coalizão de organizações e indivíduos que atua pelo engajamento das pessoas com causas e organizações da sociedade civil por meio da doação para o fortalecimento da democracia. Assim se constitui o Movimento por uma Cultura de Doação que, em 2013, realizou a primeira edição do Dia de Doar no Brasil.

A ação começou nos Estados Unidos em 2012 e se tornou uma campanha mundial que já mobiliza 55 países, oficialmente, com ações espalhadas por mais de 190. Nos demais países, a iniciativa tem o nome de Giving Tuesday (Terça-feira da Doação, em português) e ocorre após o Thanks Giving (Dia de Ação de Graças) dos Estados Unidos, em resposta ao alto grau de consumo incrementado por datas como Black Friday e Cyber Monday. Trata-se uma terça-feira de mobilização por um mundo mais generoso e solidário.

Chegando à sétima edição no Brasil, este ano, o Dia de Doar acontecerá em 3 de dezembro. A expectativa é que milhões de brasileiros demonstrem seu apoio doando e tornando pública a doação compartilhando a hashtag #diadedoar nas mídias sociais. Milhares de organizações já estão preparadas para receber essas doações, que apoiarão diversas causas socioambientais.

A campanha disponibiliza marca, vídeos, jingle, cartazes e diversos tutoriais para quem quer participar se apropriando dos materiais e criando sua própria ação. A Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR) tem liderado a organização do Dia de Doar no Brasil em parceria com a Umbigo do Mundo Comunicação Estratégica.

João Paulo Vergueiro, diretor-executivo da ABCR, destaca, entre as novidades desta edição, as campanhas comunitárias. “Estamos incentivando bastante a realização dessas iniciativas porque entendemos que elas mobilizam recursos das comunidades para as próprias comunidades e fazem com que as pessoas se engajem localmente com suas organizações e causas. A proposta  está crescendo. Já temos a Doa Sorocaba, Doa São José, Doa Pirassununga, Doa Tubarão, Doa Gramado e várias outras pelo país. Também começaram a surgir as campanhas temáticas, como o Dia de Doar Kids.”

Números

Em 2017, o Dia de Doar alcançou 16,8 milhões de pessoas e teve mais de 200 ações cadastradas por organizações da sociedade civil.

Em 2018, foram 22 milhões de pessoas alcançadas pela hashtag #diadedoar nas mídias sociais, contabilizando apenas o dia em que aconteceu a campanha. Considerando a mídia em edifícios comerciais e residenciais, a iniciativa alcançou 17 milhões de pessoas.

Segundo pesquisas, 90% das pessoas que ficaram sabendo da campanha fizeram algum tipo de ação ou doação. Quanto às doações online, foram R$ 1,2 milhões – um crescimento de 94% em relação a 2017.

“Essas mensurações são aproximadas. O movimento é tão capilarizado e acontece de formas tão distintas que complexifica o mapeamento de tudo o que ele gera, especialmente nas demais dimensões da doação, para além do dinheiro. Doação de tempo, conhecimento, objetos, alimentos, órgãos, sangue, notas e cupons fiscais, carinho e atenção, abraços e sorrisos. Se tudo isso pudesse ser mensurado, certamente as estatísticas seriam infinitamente maiores”, afirma Marina Pechlivanis, sócia da Umbigo do Mundo.

João Paulo observa que, ao longo dos anos, as iniciativas em torno do Dia de Doar têm surgido de forma cada vez mais espontânea. “Naturalmente, queremos que as doações movimentem mais que os 1,2 milhões registrados no ano passado e também que a campanha gere cada vez mais alcance.”

O diretor-executivo da ABCR afirma que incentivar a doação é o caminho para transformar a cultura brasileira.

“Temos que tornar a doação algo habitual e regular para o brasileiro. E essa doação tem que ser feita de forma estratégica, ou seja, se engajando com as organizações que representam as causas nas quais se acredita. A partir do momento que conseguirmos mostrar a importância de a própria sociedade financiar a atuação da sociedade civil organizada, estaremos transformando como as pessoas entendem as organizações e a importância de doar. Falamos muito de cultura, não porque o brasileiro não doe, mas para transformar algo que já é habitual em estratégia para o fortalecimento das nossas organizações.”

Aprendizados

Para o especialista, um dos grandes aprendizados do Dia de Doar é que é possível apostar em um modelo descentralizado de campanha, algo que é muito diferente do que se conhece no Brasil.

“O Dia de Doar quebra o paradigma do ‘tudo mastigado’ ou do ‘faça do meu jeito’. É uma campanha no estilo ‘faça você mesmo’. E percebemos, observando o crescimento da campanha, que a partir do momento que entendem, as pessoas aderem, se engajam e se empolgam”, conta.

Na opinião de Marina, vale destacar também o elemento da comunicação entre os aprendizados gerados pelo Dia de Doar no Brasil. “Cada ano foi um grande laboratório. Testamos diferentes linguagens visuais e conceituais e tivemos a certeza de que estávamos no caminho certo quando lançamos um jingle. O povo brasileiro é muito sonoro, tem memória musical. E registrar uma iniciativa – que é simples, mas na hora de explicar pode parecer complexa – em forma de ‘canção-estilo-jingle-colante’ foi um acerto. Aos poucos, as pessoas foram cantando, dançando e se apropriando, substituindo as cenas de banco de imagens que usamos nos filmes por cenas retratando a realidade das próprias organizações, associações, cidades ou empresas. Claro que a cada ano o impacto comunicacional fica maior, pois mais pessoas se mobilizam e, assim, mobilizam muito mais gente também.”

Materiais

Todos os materiais da campanha, assim como os tutoriais, modelo de projeto de lei para campanhas locais e histórias inspiradoras estão disponíveis no site do Dia de Doar. Os participantes estão convidados a cadastrar suas ações para que a organização da iniciativa possa mensurar seu alcance ao final da campanha.

Para Marina, a geração de conteúdo e bons exemplos para estimular a doação, a generosidade, o voluntariado e a gentileza é primordial para servir de referência à sociedade contemporânea.

“Precisamos falar sobre valores humanitários e mostrar sua importância para que figurem nas atitudes e gestos do dia a dia, nas mais diversas circunstâncias. Daí a importância da página Minha História de Doação – uma conquista para o legado do Dia de Doar que serve de inspiração e espelho para quem quer fazer a diferença no mundo –, além de iniciativas como o recém-lançado Dia de Doar Kids, que está se preparando para gerar conteúdo que estimule crianças e jovens a fazerem suas próprias iniciativas, assim como para inspirar pais e professores a levarem essa pauta para suas práticas educativas.”

Notícias relacionadas

Instituto Cooperforte promove 3ª Corrida Doar 10k

No dia 17 de novembro, o Instituto Cooperforte realiza a terceira edição da Corrida Doar 10K. Ao todo, são esperados 2 mil participantes, entre corredores profissionais e amadores, que farão percursos de 6km e 10Km, no Parque Sarah Kubitschek em Brasília/DF.

Apoio institucional