Amazônia é o novo tema da série O que o ISP pode fazer por…?

No âmbito da série O que o Investimento Social Privado pode fazer por…?, o GIFE lançou, na sexta-feira (30/04), a plataforma ISP pela Amazônia. O objetivo  é trazer reflexões e apontar caminhos para aprofundar o engajamento da filantropia e do investimento social privado (ISP) na conservação e no desenvolvimento inclusivo e sustentável da região para unir esforços para a produção de conhecimento e consolidação de alianças em favor da Amazônia.

A plataforma apresenta dados sobre como institutos, fundações e empresas investem e atuam nos nove estados da Amazônia Legal – Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e uma parte do Maranhão – e disponibiliza o mapeamento de iniciativas do setor e suas articulações na região, além de conteúdos de referência, como relatórios, estudos, artigos, guias, vídeos, podcasts e outros materiais informativos sobre a interface do ISP, em particular, e da sociedade civil, em geral.

Panorama ISP na região: futuro possível

As oportunidades de atuação do setor na região amazônica respondem a desafios atuais que podem ser agrupados nos três pilares do ESG: Ambiental (combate ao desmatamento, à degradação florestal e à poluição das águas); Social (melhoria de todos os indicadores sociais); e governança, com o fortalecimento das instituições democráticas e mais transparência e ética.

A plataforma aponta  diretrizes para a atuação do ISP: Interlocução e parceria com as comunidades locais e tradicionais, coordenação de esforços entre o ISP e o poder público, fortalecimento das instituições locais, atenção à diversidade territorial da região e perspectiva de longo prazo e abordagem sistêmica.

Para Virgílio Viana, superintendente geral da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), o ISP deveria ter como objetivo estratégico fortalecer as organizações da sociedade civil da região. “As organizações amazônicas têm um potencial diferenciado de incidência sobre políticas públicas com a presença perene no território, independentemente da duração de projetos de curta duração.”

O especialista aponta como estratégias centrais: canalização dos recursos priorizando a região, mapeamento de iniciativas relevantes já desenvolvidas e que podem ser potencializadas pelo ISP, maior produção de conhecimento sobre o bioma, consolidação das boas práticas e experiências de sucesso na Amazônia e apoio ao desenvolvimento de políticas públicas mais efetivas e que estruturem uma agenda de advocacy.

 “Uma oportunidade importante é o co-financiamento com o setor filantrópico internacional, aproveitando a visibilidade da Amazônia em função da agenda climática”, observa.

Fique por dentro

A plataforma ISP pela Amazônia traz mais de 120 iniciativas, projetos e programas sociais desenvolvidos na região, além dos principais dados do Censo GIFE 2018 sobre a atuação de investidores sociais nos estados da Amazônia Legal. A iniciativa é apoiada pela Fundação Amazônia Sustentável, Fundação Avina, Instituto Arapyaú, Instituto Clima e Sociedade (ICS) e pelo Instituto Humanize.

Notícias relacionadas

Apoio institucional