Associação Samaritano e Artemisia lançam chamada de aceleração para soluções de prevenção de doenças crônicas

Diretamente relacionada ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) três, que visa assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos em todas as idades, a iniciativa Artemisia Lab – promoção da saúde e prevenção está com inscrições abertas.  

Em parceria com a Associação Samaritano, a Artemisia irá oferecer um período de aceleração de seis semanas a até 15 negócios de impacto social em estágio inicial que tenham soluções inovadoras relacionadas a prevenção de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT).  

As enfermidades que entram nessa categoria – doenças cardiovasculares e respiratórias crônicas, câncer, diabetes e outras – são consideradas silenciosas, pois são desenvolvidas ao longo da vida de acordo com pré-disposições genéticas e fatores como gênero, idade e hábitos não-saudáveis: sedentarismo, alimentação inadequada, tabagismo e ingestão demasiada de bebidas alcoólicas.

Luiz Maria Ramos Filho, superintendente de responsabilidade social da Associação Samaritano, explica que essa é uma experiência nova para a organização e acredita que um novo enfoque de projetos na área social é uma tendência. “A Associação tem direcionado o foco para as DCNT. Temos alguns projetos mais tradicionais, mas estamos buscando uma metodologia diferente para enxergar essas doenças e projetos relacionados a elas a partir dos negócios de impacto social. Acreditamos que trabalhar esse conceito e modalidade de projeto deve trazer muito mais resultado e é isso que estamos buscando”.

O superintendente ressalta que se há alguns anos as principais causas de óbito em níveis mundiais eram complicações decorrentes de doenças transmissíveis, esse cenário mudou. “O envelhecimento da população, juntamente com a própria evolução dos diagnósticos, dos tratamentos e da assistência médica, reduziu o impacto das doenças transmissíveis. Se antes as pessoas morriam por uma simples infecção, hoje a população vive mais e tem mais chances de desenvolver câncer, diabetes e hipertensão.”

As DCNT são as principais causas de óbito no país e no mundo. Segundo a Organização Panamericana de Saúde (OPAS), doenças crônicas não transmissíveis fazem 36 milhões de vítimas por ano, o que equivale a 63% das mortes mundialmente. A esses números soma-se o fato de que mais de 57 milhões de brasileiros têm alguma doença crônica não transmissível, o que reforça a importância da chamada.

Luiz afirma que os números impactantes sobre o tema são uma tendência mundial. No Brasil, o cenário é ainda mais crítico, pois o país está vivendo uma curva acentuada de envelhecimento da população, processo que já aconteceu em diversos países europeus. A prevenção de enfermidades dessa categoria está, em grande parte, relacionada a atitudes que dependem de cada pessoa. “A doença crônica está fundamentalmente associada ao hábito de vida e às possibilidades de fazer as coisas de forma diferente. Então, por exemplo, pessoas obesas devem emagrecer, hipertensos devem se exercitar e tomar os remédios de forma regrada. A grande prevenção, eu diria, é não só a adesão ao tratamento, mas uma mudança de hábitos para alcançar melhor qualidade de vida”, explica.

Participação

Podem participar da chamada empreendedores de qualquer região do Brasil que tenham soluções inovadoras na promoção da saúde e prevenção de doenças, com foco especial nas DCNT. Por se tratar de uma área ampla, iniciativas diversas podem concorrer, como propostas relacionadas a prevenção, identificação, monitoramento ou apoio no tratamento de diabetes; doenças cardiovasculares, como hipertensão, hipertireoidismo, insuficiência renal; respiratórias: asma, bronquite, enfisema; câncer; saúde da mulher, criança e idoso; saúde mental; combate ao sedentarismo e incentivo a alimentação equilibrada.

Entretanto, a chamada foi desenhada para propostas que já saíram da fase de ideação e tenham um protótipo, produto ou serviço desenvolvido, uma vez que as formações serão destinadas a processo de validação de proposta de valor e elaboração e consolidação do modelo de negócios.  

Seleção e inscrições

A seleção de até 15 propostas será feita com base em um leque de critérios. O impacto a públicos vulneráveis e de baixa renda é um deles, juntamente com o potencial de escala para atender a um grande número de pessoas, o grau de inovação e a vontade do empreendedor e de sua equipe de impactar positivamente a realidade do setor de saúde brasileiro.

Por acreditarem ainda que uma solução efetiva envolve todos os atores sociais, a Artemisia e a Associação Samaritano encorajam a participação de pessoas de outras regiões do país, de diferentes credos, gêneros e orientações sexuais.

Os selecionados receberão mentorias com a metodologia da Artemisia para formatar seus modelos de negócios; acesso a ferramentas e conteúdos; conexão com outros empreendedores e especialistas em negócio, impacto social e saúde; e participação na Rede Artemisia. Além disso, há a possibilidade de três negócios que se destacarem no processo receberem R$ 20 mil como capital semente e mentorias extras.   

Interessados em participar devem realizar a inscrição até 15 de abril no site do Artemisia Lab, onde estão disponíveis todas as regras da chamada. Os selecionados serão comunicados em maio. Eventuais dúvidas devem ser enviadas para o e-mail artemisia@artemisia.org.br.

Notícias relacionadas