Curso “Ferramentas de Gestão” finaliza um ciclo de 15 anos de sucesso

Criado e oferecido pelo GIFE desde 2001, o curso “Ferramentas de Gestão” teve um papel fundamental na formação e desenvolvimento do setor, qualificando cerca de 4 mil integrantes das equipes dos associados, parceiros, colaboradores de organizações e profissionais de diversas regiões do país, como Brasília, Bahia, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

Seu período de criação coincidiu com um momento de crescente demanda pela profissionalização da gestão em organizações da sociedade civil. Ao longo de suas edições foram trabalhados temas como planejamento estratégico, elaboração e avaliação de projetos e mobilização de recursos, que procuraram desenvolver, juntos aos participantes, formas e instrumentos capazes de aprimorar a eficiência das organizações em um contexto de retração das suas formas de sustentabilidade institucional e financeira.

Adriane Coimbra, coordenadora de Operações do GIFE destaca que, quando o curso surgiu, o setor no Brasil também estava em pleno desenvolvimento fazendo com que existisse um espaço a ser ocupado com o tipo de formação que o GIFE vinha oferecendo. Hoje o setor apresenta outras inquietações e necessidades que impulsionam o GIFE a buscar construir um novo espaço no campo da formação e capacitação de organizações.

Assim, passados 15 anos, o GIFE se propôs a repensar o seu papel como agente formador decidindo por encerrar um ciclo pelo qual vem operando o modelo do ‘Ferramentas de Gestão’. “Existem hoje muitas instituições de ensino que oferecem temas semelhantes e que têm nos procurado para atuarmos juntos. Nos questionamos se não seria o momento de reavaliar e nos unirmos, oferecendo modelos e temas novos e que ainda não são cobertos por outras organizações”, ressalta Adriane.

Na avaliação de Monica Bose, docente do módulo de Gestão de Pessoas do curso, repensar os modelos formativos têm sido uma tendência de todo o setor educacional, devido às demandas dos profissionais, que buscam por conhecimentos e formações que deem conta das necessidades de sua atuação cotidiana.

“Hoje, com o conhecimento e os materiais mais acessíveis a todos, por meio das plataformas tecnológicas, é o momento para as instituições incluírem novas metodologias pedagógicas, a fim de continuarem contribuindo com a formação das pessoas. No entanto, com ferramentas mais modernas e arrojadas e que atendam a este cenário em que vivemos na sociedade. Tal repensar do GIFE vem neste sentido”, comenta.

Para Judi Cavalcante, consultor do módulo de Comunicação e Marketing para OSCs, o ‘Ferramentas de Gestão’ cumpriu um papel essencial na estruturação e qualificação do setor. Contudo, já não poderia atender ao momento de consolidação do setor social, especialmente ao universo fundacional, e dos profissionais que nele atuam, o que justifica a sua não continuidade.

Aprimoramento

O curso contou com vários módulos. Eles foram pensados e direcionados a profissionais de institutos, fundações e empresas, assim como a profissionais de organizações não-governamentais e gestores de políticas públicas.

Temas como legislação, elaboração e avaliação de projetos, comunicação e marketing e mobilização de recursos permaneceram nas formações e os conteúdos foram sendo reformulados em acordo com as exigências e necessidades do setor social.

Ao longo dos anos, assuntos foram ganhando destaque, acompanhando os avanços e discussões também no campo do investimento social privado. São exemplos os módulos “Investimento de impacto e empreendedorismo” e “Gestão de pessoas”, iniciados em 2011, e o “Novo Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil”, incluído a partir de 2015, acompanhando a legislação recente.

“O tema de gestão de pessoas, por exemplo, sempre foi um desafio para todas as organizações. Assim, a formação foi muito importante para instrumentalizar os gestores e analistas das instituições a desenvolver competências básicas para administrar pessoas. E o retorno, por parte dos alunos, foi muito positivo, pois eles enfatizavam a aplicabilidade dos conhecimentos e práticas em suas organizações”, comenta Monica Bose, lembrando, inclusive, que o módulo ganhou outros formatos ao longo das edições.

“Se no início o foco foi mais em questões administrativas, percebemos a necessidade de deslocar o foco da formação para o papel da liderança dentro de uma organização da sociedade civil. Foi um amadurecimento do curso”, avalia.

Expansão

Desde o início do curso, o GIFE contou com sólidas parcerias a fim de realizar as formações em diferentes regiões de São Paulo e do Brasil.

Em 2011, o GIFE levou a oferta de cursos para as regiões Sul, Nordeste e Centro-Oeste, com a proposta de ampliar sua abrangência regional, de acordo com os valores concebidos em sua Visão ISP 2020. A expansão para outras regiões respondeu também a uma demanda de descentralização do curso, o que facilitou o acesso a profissionais atuantes fora da região Sudeste. Para essas atividades, o GIFE teve o apoio de associados como, por exemplo, Bradesco, Fundação Odebrecht, Instituto Coca-Cola Brasil, Itaú Cultural, Instituto Votorantim, Instituto Lojas Renner e Instituto Sabin.

“O principal benefício é que conseguimos atingir um público que dificilmente viria para São Paulo devido às despesas com deslocamento, hospedagem e inscrição do curso. As parcerias ajudaram a dar escala à formação do GIFE”, comenta Adriane. Esse movimento permaneceu até 2013 quando, a partir dos últimos três anos, os cursos voltaram a ser oferecidos somente em São Paulo.

As parcerias estabelecidas colaboraram para qualificar os cursos e trazer outros assuntos para a formação. Em 2008, por exemplo, o GIFE contou com o apoio do Itaú Cultural que, além de disponibilizar sua infraestrutura para a realização do curso, ajudou a elaborar um módulo complementar inédito chamado “Cultura e Desenvolvimento”. No mesmo ano, no Rio de Janeiro, foi formulado um módulo complementar “Voluntariado e Redes Sociais”, criado em conjunto com a organização Riovoluntário.

Modalidades

Desde sua criação, o curso “Ferramentas de Gestão” foi oferecido também no modelo in company, atendendo a uma demanda das organizações interessadas. Nele, o GIFE desenvolve e adapta o conteúdo do curso de acordo com a realidade e as necessidades levantadas.

Nos últimos seis anos, foram oferecidos cerca de dois cursos por ano nesta modalidade, direcionando a formação tanto para associados como para as demais organizações interessadas. São exemplos a Fundação ArcelorMittal Brasil, associada ao GIFE desde 2001, que contratou seis módulos do curso Ferramentas de Gestão para ser realizado para seus funcionários; e a Assistência à Infância de Santos – Gota de Leite, instituição voltada ao atendimento de crianças em vulnerabilidade social da cidade de Santos (SP), que contratou o módulo “Planejamento Estratégico”, em 2011.

Já no ano de 2014, a Eletrobras contratou o módulo de “Desenvolvimento e Gestão do Voluntariado” para capacitar colaboradores de diversas áreas da empresa. O objetivo foi levar os participantes a entenderem como o voluntariado se relaciona com as demandas da sociedade e como alinhá-lo à identidade e estratégia de negócios da empresa.

Adriane destaca as vantagens deste formato, como a integração da equipe por meio de discussões e dinâmicas sobre conteúdos relacionados à sua prática diária, além do alinhamento interno de conceitos entre os colaboradores. Essa modalidade, inclusive, será mantida pelo GIFE em 2017 (clique aqui para saber mais).

Entre os diversos módulos, aqueles dedicados à elaboração e avaliação de projetos têm sido os mais buscados pelos investidores sociais, dado os desafios permanentes no campo. O curso, nesse sentido, se constituiu como importante oportunidade de entender processos de construção de um projeto, seleção e avaliação de organizações apoiadas, e as atuais metodologias, tendências e abordagens na avaliação.

Resultados positivos

Os resultados alcançados pelo curso “Ferramentas de Gestão” têm sido muito positivos. Nos últimos seis anos, a média de satisfação dos alunos foi de 92%. Nas avaliações, os participantes destacam a qualidade dos professores, a ampla possibilidade de troca de experiências entre o público presente, assim como a aplicação prática das temáticas abordadas no curso.

Cesar Neres, da Fundação Cargill, participou de vários módulos oferecidos pelo ‘Ferramentas de Gestão’ e destaca o impacto positivo que os cursos do GIFE tiveram em sua vida profissional. “Ingressei no terceiro setor em 2006, e a diversidade de temas abordados ao longo destes anos na formação, além da experiência de todos os palestrantes, foram fundamentais para compor minha carreira e sedimentar minha posição profissional atual. Tenho certeza que o papel do GIFE como agente formador foi essencial e verdadeiramente transformador. Fui um dos principais beneficiados disso. Novos desafios se apresentam e o GIFE certamente cumprirá seu papel de liderança e transformação, para impulsionar o terceiro setor brasileiro”, ressalta.

Já Aletéa Rufino, da Fundação André e Lucia Maggi, ressalta que os cursos dos quais participou com sua equipe trouxeram experiência e troca de conhecimento sobre temas voltados ao terceiro setor e ao investimento social privado, essenciais para quem atua na causa. “Outro ponto marcante foi o quanto as formações nos proporcionaram entender que o terceiro setor, assim como o primeiro e o segundo, precisa e deve ser mais estratégico, mais transparente em suas relações, melhorar suas formas de se comunicar e também de mensurar seus resultados e impactos nas comunidades. Participar de tudo que o GIFE nos proporciona no últimos anos para nós, da Fundação, foi um divisor de águas, a fim de que pudéssemos entender qual é nosso papel nas comunidades onde atuamos”.

Próximos passos

Para 2017, o GIFE já prepara novidades para os cursos e formações. No segundo semestre, será lançado o novo curso de Governança, que está sendo reformulado para se alinhar aos Indicadores GIFE de Governança, lançados neste ano.

Além do alinhamento aos princípios do projeto – ancorados em histórica atuação e experiência do GIFE no tema da governança no campo – o curso pretende estar antenado com as mais recentes discussões e tendências da área inovando, para isso, em abordagens e conteúdos.

A reformulação está sendo elaborada também com parceiros e profissionais que têm pensado não somente as questões relativas ao tema, mas também as novas formas de produzir e compartilhar conhecimento atualmente.

Apoio institucional