Do mel aos cosméticos

Famílias do Pará recebem incentivo para revitalização de meliponários, aproveitamento de frutas e fabricação de cosméticos

A meliponicultura é uma das atividades desenvolvidas pela Associação dos Meliponicultores de Curuçá (Asmelc), entidade que recebeu apoio da Fundação Banco do Brasil, por meio do edital Ecoforte Extravismo no estado do Pará.  O recurso de cerca de R$ 526 mil foi usado no aprimoramento e fortalecimento dos processos produtivos da associação, com a finalidade de melhorar a renda familiar e a qualidade de vida dos associados da entidade.

Meliponicultura é a criação de abelhas sem ferrão, especialmente dos gêneros melipona e trigona. A meliponicultura já era praticada há muito tempo pelos povos indígenas da América Latina.  Os objetivos da meliponicultura estão na produção e comercialização de colmeias, mel, pólen, resinas, própolis e outros produtos derivados do mel.

Os beneficiados são moradores das comunidades de Santo Antônio, Cabeceiras, Caju, Pingo D’Água, Pedras Grandes e São Pedro, situadas em áreas de mangues e de matas e pertencentes à Reserva Extrativista Mãe Grande de Curuçá (PA).  Entre as atividades destacadas no projeto está  preparação das 30 famílias para trabalhar com as abelhas nativas da Amazônia, as abelhas sem ferrão.

O projeto também contemplou uma pesquisa científica, realizada em parceria com Universidade Federal do Pará, para a identificação de espécies de plantas com potencial para a produção de mel e pólen de abelhas sem ferrão, e recomposição florestal nas áreas no entorno dos meliponários das sete comunidades.

Com o resultado da pesquisa, a Asmelc adquiriu mudas que já estão sendo  usadas no reflorestamento das matas. A principal matéria prima, o mel, é usada na produção artesanal de artigos de higiene e cosméticos – sabonetes, shampoos, esfoliantes, creme hidratante – comercializados em feiras e eventos do município.

A bióloga e gestora do projeto, Maria Liliana Rodrigues, aponta o aumento da exploração sobre a fauna e flora, a exemplo da diminuição dos peixes em função da pesca em grande escala por pescadores de outras regiões, com métodos mais eficazes; a diminuição das águas dos igarapés e da caça, como os maiores desafios enfrentados pelos moradores das comunidades. E aliado a isso, ela conta que a região precisa também de plano de manejo, pesquisas e fiscalização, para manter os recursos naturais, que são a base de sobrevivência das famílias.

“A parceria da Fundação BB com a Asmelc favoreceu a revitalização dos meliponários, o aumento da flora, contribuiu para o maior aproveitamento das frutas da nossa região e possibilitou a reativação da confecção de cosméticos, que por falta de recursos tínhamos parado a produção”, disse.

Liliana também explica que a cooperativa está em vias de receber o Selo de Inspeção Municipal, que vai permitir a associação vender os produtos para os mercados da região.

Além da atuação na cadeia produtiva do mel, as famílias também se dedicam à  outras atividades como fonte de sobrevivência – pesca, coleta de caranguejos, lavoura de mandioca e as culturas de manga, banana, açaí, cupuaçu, urucum, taperebá, citros -, muitas dessas usadas na fabricação de polpas de frutas, picolés e sorvetes.

Com o valor que recebeu da Fundação BB, a Asmelc adquiriu kits apicultor, compostos por chapéu-véu, suporte de cobertura, chave de fenda, pratos descartáveis, seringa, faca, formão, balde inox, medidor de pH, bomba de vácuo, além de despolpadoras, seladora, balanças, mesa de lavagem de frutas, freezer, caixas, mudas frutíferas, materiais de irrigação, minhocário,  assistência técnica que permitirá aos agricultores manejo, beneficiamento e comercialização dos produtos.

Elias Correa do Mar vive na comunidade do Caju. Ele é artesão e trabalha com a confecção de pássaros de madeiras e também é meliponicultor. Com as 25 caixas de colmeias que têm instaladas na propriedade, consegue extrair 27 quilos de mel em três colheitas anuais, entre os meses de julho a janeiro. Cada quilo é vendido por R$ 70. “Meu objetivo e duplicar o número de caixas ainda este ano. Nós agora podemos vender também as polpas de frutas que vão ajudar na renda, porque temos um lugar para armazenar. Com esse incentivo da Fundação, a associação está dando um grande passo na preparação das abelhas e vai  melhorar a vida de todos nós associados”, celebrou.

Sobre o Ecoforte Extrativismo

O Programa Ecoforte Extrativismo tem como objetivo fortalecer empreendimentos coletivos nas fases de produção, beneficiamento ou comercialização de produtos extraídos por meio de práticas sustentáveis na floresta. Os recursos da parceria Fundação Banco do Brasil e Fundo Amazônia, gerido pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES),  que apoiou 51 projetos, com investimento de R$ 33 milhões, envolvendo mais de 14 mil participantes.

Notícias relacionadas

Como a diversidade se relaciona com o desenvolvimento territorial?

Para o desenvolvimento, seja ele sociocultural, econômico ou territorial, a diversidade é extremamente relevante e, ao ser levada em consideração, favorece a construção coletiva, inovadora e democrática e abre espaço para que todos sintam-se representados em sua individualidade.