Fundo BIS divulga vencedores do seu primeiro edital de fomento à cultura de doação no país

O Fundo BIS – primeiro fundo brasileiro destinado exclusivamente para ampliar a cultura, o volume e a qualidade das doações no país – acaba de anunciar os quatro projetos vencedores do seu primeiro edital. Todas as iniciativas visam criar um ambiente cada vez mais favorável e motivante para que todos os brasileiros e brasileiras tenham causas e sejam, com orgulho, doadores e doem cada vez mais.

Isso porque, apesar do Brasil ser um país solidário – a maior parte dos brasileiros (77%) fez algum tipo de doação em 2015 (seja de tempo, bens ou dinheiro) -, é preciso avançar. Enquanto nos Estados Unidos, por exemplo, a doação representa 2% do Produto Interno Bruto do país, por aqui, mesmo com 52% dos brasileiros doando dinheiro, esse número representa apenas 0,23% do PIB nacional, segundo dados das pesquisas Doação Brasil (2015) e ‘Eficácia dos Investimentos Sociais’ McKinsey (2008).

O Fundo BIS vem ser um impulsionador para mudar esse cenário. A iniciativa nasceu de um grupo de organizações da sociedade civil com reconhecida atuação no campo socioambiental que se uniu em prol da causa. Neste primeiro edital, o Fundo BIS está sendo incubado pelo GIFE, com aportes do Instituto Arapyaú, do Instituto C&A, do ICE -Instituto de Cidadania Empresarial e do Instituto Cyrela.

Ao todo, 218 projetos se inscreveram para esta primeira edição do edital. Os projetos foram avaliados segundo critérios como: foco na promoção da cultura de doação; impacto coletivo/desenvolvimento do campo; histórico positivo dos proponentes; e viabilidade de implementação da iniciativa. Ao todo, serão investidos R$280 mil nas iniciativas em quatro frentes: inovação para promoção da cultura de doação; campanhas de comunicação e produção de conteúdo de incentivo à cultura de doação; pesquisa, produção e disseminação de conhecimento; e advocacy e incidência.

Conheça os projetos vencedores:

Marco Bancário da Doação

Criar um ambiente mais favorável à doação passa, necessariamente, por mudanças de ordem legislativa, jurídica, normativa e tantas outras regras que regem o país. Essa é a aposta dos diversos especialistas no campo. Neste sentido, um dos projetos vencedores, apresentado pela Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR), é a construção de um Marco Bancário da Doação.

Segundo João Paulo Vergueiro, diretor executivo da ABCR, o sistema financeiro ainda não diferencia a doação de um pagamento, o que acarreta uma série de entraves para as organizações da sociedade civil. Um exemplo é no momento de emissão de boleto. Hoje, se a OSC deseja incentivar as doações via boleto bancário, precisa emitir um boleto de pagamento, o que dificulta, pois essa ferramenta não permite deixar campos abertos para que a pessoa doe quanto e quando quiser – sem necessidade de ter uma data fechada para a transferência do dinheiro.

“Já tivemos várias conversas com o sistema bancário, mas até então era algo para tentar resolver caso a caso. Percebemos a necessidade de criar uma regulamentação específica e construir no Brasil um marco próprio junto ao sistema financeiro. Decidimos então construir a proposta da sociedade civil para regulamentar a doação. Com o apoio do Fundo BIS, vamos conseguir viabilizar a primeira fase do projeto, com a contratação de um escritório de advocacia que irá nos ajudar a elaborar esse marco, com tudo o que diz respeito à doação e transação financeira – no cartão de credito, boleto, débito em conta, transferência bancaria etc. Em janeiro, inclusive, vamos lançar uma consulta pública para que todas as organizações possam dar sugestões. Com o documento em mãos, vamos apresentar ao Banco Central. A ideia é que as doações sejam facilitadas pelos bancos e não prejudicadas”, comenta o diretor da ABCR.

Plataforma Viralize

Ampliar a cultura de doação passa por fomentar e dar escala a um processo intenso de comunicação. Isso fica evidente na Pesquisa Doação Brasil, do IDIS. Questionados sobre o que fariam mudar de ideia e passar a doar, grande parte das respostas tem ligação direta com o ato de comunicar: 16% a entidade ser mais transparente; 13% conhecer uma organização; 9% comprovação da necessidade do ser humano.

Quem doa também tem suas referências a partir do que é divulgado: 74% buscam informações sobre as organizações antes de doar. Outro ponto central é que as pessoas mais doam quanto mais próximas estão da causa: 87% escolhem com cuidado a causa e 11% passariam a doar diante da sensibilidade, envolvimento e solidariedade com a causa.

Os doadores ressaltaram que a forma mais indicada de abordagem para fomentar a doação é a divulgação por meio de redes sociais, se possível com elementos tangíveis de credibilidade da instituição e sem insinuação de obrigatoriedade.

A Viralize – projeto vencedor do Fundo BIS – une estes três aspectos – necessidade de divulgação, proximidade à causa e acesso às novas tecnologias. A ideia é usar a oportunidade de conversar com uma audiência grande – (90,8% dos internautas brasileiros acessam redes sociais; as pessoas ficam conectadas, em média, 4h59 por dia; 94% são usuárias do Facebook) por meio de influenciadores digitais.

A partir da disponibilização de conteúdos em diversos formatos, a proposta é conectar uma enorme audiência hoje presente na internet a causas relevantes e urgentes em busca de financiamento. A ponte entre estes dois mundos serão os influenciadores digitais. Hoje, segundo a Rede Snack há cerca de 310 mil canais de vídeo on-line no país e na lista dos 100 canais mais influentes do mundo, 24 são brasileiros. Com isso, esperasse trazer novos públicos e formadores de opinião para a conversa sobre a cultura de doação, ampliando o impacto do campo e permitindo que o tema se espalhe em diversas frentes.

“Como a Viralize irá selecionar projetos disponíveis hoje em plataformas de financiamento colaborativo (que buscam de pequenas a grandes doações) e irá oferecer um cardápio temático aos influenciadores digitais, será possível conectar o projeto a um amplo público: desde um grupo de mães que acompanha instagramers de maternidade e, portanto, sensíveis a causas da infância; chegando a centenas de jovens que acompanham blogueiras que falam sobre alimentação, que podem ser mobilizadas a doar a projetos de combate à desnutrição. O projeto tem a possibilidade, portanto, de convidar novos elementos para essa conversa – em especial o público jovem, que tem demonstrado, cada vez mais, a sua vontade de atuar em causas sociais. A cultura de doação, assim, se capilariza pelas ondas da internet”, comenta Daniele Próspero, sócia-diretora da empresa Estúdio Cais – Projetos de  Interesse Público, proponente do projeto.

E a comunicadora completa: “Ao mesmo tempo, com a produção de conteúdos qualificados sobre o tema a serem disponibilizados na plataforma Viralize, esperamos gerar um novo olhar sobre a importância da doação para o fortalecimento das OSCs”.

Ferramenta de arredondamento

O Movimento Arredondar é assim: os consumidores têm a oportunidade de arredondar o valor da conta nos locais que aceitam arredondar: R$ 22,70 vira 23,00, por exemplo. Todo valor arrecadado vai diretamente para organizações sociais selecionadas que trabalham pelos 8 Objetivos do Milênio, da ONU. A ideia tem dado tão certo que já envolveu mais de 7 milhões de doadores, com R$ 1.518.552,86 arredondados. O esforço valeu também alguns reconhecimentos, como a conquista de um edital do Google, o Prêmio Empreendedor Social de Futuro 2016 e o Prêmio Trip Transformadores 2017.

Mas, para dar escala a esta ideia é preciso ir além das lojas físicas e ganhar os consumidores da internet. Por isso, o Arredondar irá colocar em prática, também com o apoio dos recursos recebidos via Fundo BIS, uma nova ferramenta de arredondamento, agora para e-commerce. “Esse novo projeto ajuda muito na nossa missão, que é ampliar a cultura de doação. Trabalhar no universo online é o futuro. Acreditamos que, com a ferramenta, teremos muito impacto a médio e longo prazo”, comenta Nina Valentini, presidente do Arredondar.

O projeto prevê apresentar a ferramenta a algumas plataformas que têm vendas online – tanto lojas que já são parceiras do Movimento quanto novos contatos – para estabelecer a parceria.

Pesquisa comportamental sobre doadores médios

Conhecer e saber o perfil e o comportamento dos doadores é ponto de partida fundamental para que as organizações da sociedade civil possam pensar e traçar as melhores estratégias de mobilização de recursos. Atentas a esse disparador, a Conectas – organização de Direitos Humanos – juntamente com a Fundação Getúlio Vargas (FGV) – percebeu que existia ainda um gap de informações a respeito de um tipo de potenciais doadores: brasileiros com alta faixa salarial.

“Muitas das pesquisas que temos até agora traçam esse panorama a respeito dos pequenos ou grandes doadores. Sentimos falta desse grupo de profissionais que pode ser ativado e mobilizado para doar mais. Decidimos então, junto com o professor Mario Aquino Alves, da FGV, propor para o Fundo BIS a realização de uma pesquisa a fim de conhecermos as motivações e o que incentivaria esse grupo a doar mais”, explica Amanda Fazano, coordenadora de Captação de Recursos da Conectas.

Outro ponto a ser observado será entender o que motivaria estes possíveis doadores a direcionarem recursos especificamente para OSC que atuam com direitos humanos, tendo em vista que muitas destas organizações têm visto, cada vez mais, seus recursos diminuírem nos últimos anos.

Para desenvolver o estudo, Conectas e FGV pretendem formar um grupo focal com esse perfil para, em seguida, ter os insumos necessários a fim de lançar uma pesquisa online para todo o Brasil. Com os resultados consolidados, a proposta é aproveitar a expertise da Conectas em disseminar e compartilhar conhecimentos e experiências, para divulgar os achado do estudo. Estão previstos o lançamento de um hotsite e um evento. “Com isso, pretendemos inclusive reunir captadores que atuam com direitos humanos para pensarmos em estratégicas específicas para este público de potencial doadores”, destaca Amanda.

Notícias relacionadas

Cultura de doação em debate

Plataformas voltadas à geração de conhecimento, mecanismos de doação no momento da compra, mobilização social para a ação voluntária. O que aconteceu no ano que passou e qual a expectativa para o que se inicia.