Nova plataforma promove transparência sobre uso de recursos doados e ações da filantropia durante a pandemia

Mais de 47 milhões de casos e 1,2 milhões de mortes são os números mais recentes da Covid-19 no mundo, de acordo com o monitoramento realizado pela Johns Hopkins University. Por ser uma doença que afetou praticamente todos os países e regiões, mesmo que de maneiras e com intensidades diferentes, muitas têm sido as respostas vindas de inúmeros setores na tentativa de mitigar as consequências da pandemia. 

O Monitor das Doações, da Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR), contabiliza, atualmente, mais de R$ 6,4 bilhões em doações como resposta ao novo coronavírus. Mas onde foi alocada essa quantia? Como o recurso foi usado? Todas essas perguntas têm em comum a importância da transparência quando o assunto é doação. 

Pensando nisso, o projeto Emergência COVID-19, do GIFE, em parceria com a ABCR, acaba de lançar a Central de Transparência Doações Covid, uma plataforma que reúne  informações sobre a destinação dos recursos mobilizados desde a chegada da Covid no país. A iniciativa foi criada no âmbito do eixo quatro do projeto: Promoção de transparência e prestação de contas na destinação dos recursos mobilizados. 

Segundo João Paulo Vergueiro, diretor executivo da ABCR, a criação de uma plataforma destinada especificamente a mostrar como o recurso doado durante a pandemia está sendo usado é importante, considerando a relevância da compreensão não só sobre a quantia doada, mas também do impacto da mesma. 

“Considerando o projeto Emergência COVID-19 e o Monitor das Doações, entendemos que era interessante juntar as duas organizações, GIFE e ABCR, para criar uma ferramenta que estivesse à disposição dos investidores sociais e doadores. Nesse sentido, a plataforma foi criada justamente para oferecer um panorama maior da atuação e contribuição da filantropia nesse período e mostrar a qualidade das doações e seus resultados, para que possamos entender melhor o que foi a generosidade na pandemia, seu tamanho e impacto.”

Transparência e prestação de contas para incentivar doações 

Inúmeras pesquisas sobre doação contam com perguntas destinadas especificamente à confiança da população nas organizações da sociedade civil. Isso porque confiar nas instituições é um passo importante para que doações pontuais se transformem em doações recorrentes, como explica João Paulo. Dois estudos realizados ainda no período pré-pandemia mostram que, de forma geral, os brasileiros confiam nas organizações. 

Segundo a Wellcome Global Monitor, pesquisa conduzida por Gallup e Wellcome, 61% dos brasileiros confiam nessas organizações, contra 34% que não confiam. O índice fica acima da média mundial, de 52% de confiança. 

Já a Brasil Giving Report 2020, pesquisa realizada anualmente pela Charities Aid Foundation (CAF) para avaliar as práticas de doação no mundo, mostra que, entre agosto de 2018 e julho de 2019, quando os dados foram coletados, houve aumento da percepção positiva dos brasileiros sobre as organizações nas três instâncias de medição: 38% dos respondentes avaliaram que as OSCs têm impacto muito positivo na comunidade local (contra 31% em 2018), 35% no Brasil como um todo (26% em 2018) e 40% internacionalmente (32% em 2018). 

Além disso, 43% dos entrevistados afirmaram que doariam mais se soubessem com certeza como o dinheiro é gasto, ao passo que 36% e 32%, respectivamente, praticariam mais a doação se houvesse mais transparência por parte das organizações e se soubessem mais sobre as atividades das instituições. 

De acordo com João Paulo, é a transparência da organização que garante a confiança, o que se faz ainda mais urgente em um momento em que se deseja reforçar a importância da doação. “Em um primeiro momento, as pessoas podem doar pela sensibilidade e pela urgência, mas se não há transparência e retorno em relação a essa doação e continuidade no relacionamento, a doação futura, assim como o vínculo e a confiança, se perdem. Então, a transparência possibilita que uma doação emergencial em um primeiro momento vire uma doação recorrente e contínua e que aquela pessoa, empresa ou investidor se torne um doador costumas, gerando e proporcionando cada vez mais impacto na sociedade”, explica o diretor.  

Plataforma colaborativa 

Todas as organizações do grupo Articulação Emergência, parte do projeto Emergência Covid-19, foram convidadas a preencher o formulário disponível na nova plataforma, voltado ao mapeamento da destinação dos recursos doados. Erika Sanchez Saez, coordenadora do Emergência Covid-19, explica que esse mapeamento não está restrito a organizações associadas ao GIFE ou a instituições participantes do projeto. A ideia é possibilitar que todos os investidores sociais ou gestores dos recursos filantrópicos dirigidos à emergência possam comunicar como investiram os recursos doados, bem como os resultados de suas ações/doações. 

Além do preenchimento do formulário online, os interessados também podem enviar outros relatórios produzidos por sua organização. A partir da inclusão dos dados individuais de cada organização, a plataforma gerará um conjunto de informações e gráficos das diversas contribuições efetivadas pelo setor.

Participe 

João Paulo ressalta a expectativa  de engajamento do maior número possível de doadores com a plataforma, de forma a contar com registros e contribuições de diferentes perfis. “Assim, teremos uma amostra bastante representativa das doações neste período de pandemia.” 

Para incluir dados sobre a organização na Central de Transparência Doações Covid, é necessário acessar este link, criar uma conta na opção ‘cadastre-se’ e preencher o formulário. O preenchimento pode ser realizado em etapas: é possível salvar as informações e continuar posteriormente. Eventuais dúvidas devem ser encaminhadas para o e-mail [email protected]

Related news

Apoio institucional