Relatório de atividades do ICE destaca agenda de 2018, tendências e desafios para o setor de impacto no Brasil

Paralelamente ao crescimento do ecossistema de Investimentos e Negócios de Impacto no Brasil em 2018, retratado pelo 2º Mapa de Negócios de Impacto Social + Ambiental, o trabalho do Instituto de Cidadania Empresarial (ICE) para o fomento do campo rendeu boas notícias contadas em seu novo Relatório Anual. Produzido pelo Estúdio Cais, a publicação traz uma entrevista exclusiva com Célia Cruz, diretora-executiva do ICE, e apresenta uma série de infográficos que  contam a trajetória de cada programa.

A quarta turma do Programa de Incubação e Aceleração de Impacto, composta por 25 aceleradoras e incubadoras, teve início em dezembro de 2018. Já são 57 organizações, de todas as regiões do Brasil, incubadas pela iniciativa, em parceria com Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), desde a primeira edição do programa em dezembro de 2015.

Outro destaque é a Rede de Professores do Programa Academia ICE, que em 2018 ampliou as oportunidades de formação e troca entre seus membros, especialmente com o lançamento de uma plataforma virtual de estudo e rodadas de atualização online. Atualmente, a Rede é composta por 81 professores de 49 IES, públicas e privadas, em 19 estados. Há registro de mais de 3 mil estudantes inscritos em disciplinas relacionadas ao tema impacto.

A Estratégia Nacional de Investimentos e Negócios de Impacto (ENIMPACTO) foi outro ponto central da agenda do ICE em 2018. Em seu primeiro ano de implementação, a mobilização de parceiros-chave além do governo federal foi fundamental. O comitê composto por 26 instituições públicas e privadas (incluindo sete ministérios), se reuniu bimestralmente ao longo do ano passado, mobilizando 57 organizações em um total de 69 estratégias. Todas as ações estão registradas no Relatório de Atividades do Comitê de Investimentos e Negócios de Impacto de 2018.

Já a edição de 2018 do Fórum de Finanças Sociais e Negócios de Impacto, outro marco importante do ano passado, reuniu mais de 1.050 participantes presenciais, além das 2.300 pessoas online, que acompanharam sessões com 170 palestrantes brasileiros e seis internacionais. Realizado a cada dois anos em parceria com Impact Hub e Vox Capital, o evento tem como missão fortalecer o ecossistema de Finanças Sociais e Negócios de Impacto no Brasil.

Um importante destaque nessa frente foi a chamada para conhecer e apoiar eventos sobre o tema de Investimentos e Negócios de Impacto em diferentes estados. O resultado do levantamento foi um mapa com 43 eventos de todas as regiões do Brasil. Ao todo, 10 foram selecionados e contaram com apoio no segundo semestre de 2018. O Fórum de 2018 também levou a agenda de impacto a novas dimensões (ambientais, de gênero, raça e contextos periféricos).

“Esses e outros resultados do ICE ao longo de 2018 são apresentados neste relatório. A última boa notícia é que decidimos continuar trabalhando pelo desenvolvimento e fortalecimento do ecossistema dos investimentos e negócios de impacto para além de 2020, como previmos inicialmente. Vamos adiante nessa agenda até 2024. Sem deixar de lado, é claro, nosso mantra: mais capital para o campo, mais negócios escaláveis, mais organizações intermediárias fortalecidas e mais talentos para o impacto”, afirma Renata Nascimento, diretora-presidente do ICE.

Notícias relacionadas

Apoio institucional