Bibliotecas Comunitárias Ecofuturo colaboram para melhora do desempenho escolar

O Instituto Ecofuturo, mantido pela Suzano, lançou neste mês uma pesquisa inédita que mostra os impactos das Bibliotecas Comunitárias da sua rede no desempenho escolar de crianças e jovens de municípios que receberam o projeto. O estudo foi realizado a partir da avaliação da qualidade do serviço oferecido por uma amostra das 107 bibliotecas implantadas até 2017, em 12 estados brasileiros, e o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) dessas cidades, comparados aos de outros municípios com características semelhantes aos analisados, mas que ainda não possuem bibliotecas do Instituto.

Os resultados identificados pela consultoria METAS Sociais, responsável pelo desenvolvimento do estudo, são positivos e revelam uma maior consolidação do aprendizado. Foi comprovado que os municípios com Bibliotecas Comunitárias Ecofuturo apresentaram melhora de 7,8% no Ideb no Ensino Fundamental II, bem como uma taxa 2% superior em Proficiência em Matemática e 4,3% maior em Proficiência em Leitura, em comparação com cidades de mesmo porte, mas que não têm bibliotecas do projeto. Além disso, o estudo apontou uma elevação de 4,2% na taxa de aprovação dos alunos do Ensino Fundamental II, e de 3,4% no Ensino Fundamental I. Verificou-se ainda uma relação positiva entre a presença das bibliotecas e uma maior participação das famílias na vida escolar dos estudantes.

Um trabalho semelhante de mensuração dos impactos das Bibliotecas Comunitárias da rede já foi realizado em 2010, quando o Instituto divulgou os resultados de uma pesquisa baseada na análise de 55 das 70 bibliotecas implantadas até 2007. Coordenada pelo professor e economista Ricardo Paes de Barros, a Pesquisa de Impacto indicou, na época, que as bibliotecas contribuíam para potencializar a taxa de aprovação e a redução da evasão escolar.

“O Instituto realiza o projeto Biblioteca Comunitária há quase duas décadas e, ao longo dessa trajetória, investimos esforços para mensurar os impactos da iniciativa, que corroboram com o que constatamos nas comunidades, durante e após as implantações, a partir de relatos e cases que conhecemos. Os resultados obtidos com este novo estudo reforçam o potencial do projeto para contribuir com a educação no País e o empoderamento dos cidadãos”, afirma a superintendente do Ecofuturo, Marcela Porto.

Apenas 39% das escolas municipais de ensino fundamental possuem bibliotecas ou salas de leituras, segundo dados do último Censo Escolar 2017. “Essas informações mostram que ainda há uma grande lacuna a ser preenchida relacionada ao acesso ao livro no País e reafirmam a importância de iniciativas consistentes de implantação de bibliotecas, formação leitora e promoção de leitura”, completa a superintendente.

O projeto Biblioteca Comunitária Ecofuturo e a sua importância na formação de leitores foi tema do painel “Formação Leitora e o papel das Bibliotecas Comunitárias”, apresentado durante a 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo. Marcela Porto conduziu o debate, que teve também a participação de Bel Santos Mayer, gestora da Rede LiteraSampa/RNBC. O relatório completo com os indicadores de impacto do projeto está disponível para download no site ecofuturo.org.br.

Material produzido pelo Instituto Ecofuturo

Notícias relacionadas