Edital do Instituto CCR promove produção cultural descentralizada das capitais

Organizações que apostam na produção cultural, fiquem atentas. Até 21 de fevereiro estão abertas as inscrições do 4º Edital Instituto CCR de Projetos Culturais. Com o objetivo de promover a produção cultural descentralizada das grandes capitais e fomentar a criação artística local, o Grupo CCR busca movimentar e incentivar a economia criativa nos municípios localizados no entorno de unidades administradas pela instituição.

As ações devem estar alinhadas às áreas de atuação do Instituto CCR: saúde e qualidade de vida, educação e cidadania, cultura e esporte, meio ambiente e segurança viária.

Marina Mattaraia, diretora do Instituto CCR, explica que o desenvolvimento e estímulo a cultura nas regiões onde o Grupo CCR atua é um dos quatro pilares de atuação do Instituto. Segundo a diretora, a escolha pela cultura deve-se ao fato de que cada negócio do Grupo CCR dura em média de 20 a 40 anos, impactando de duas a três gerações. Por isso, a organização busca a realização de programas e parcerias de longo prazo e, nesse sentido, o desenvolvimento cultural é um bom investimento.

“Hoje, nossas operações estão 95% no território brasileiro. Então, estimular o desenvolvimento e, principalmente, a democratização da cultura brasileira é extremamente importante por vários motivos, entre eles pela nossa riqueza e diversidade cultural. Temos projetos e propostas culturais na Bahia que são completamente diferentes do que recebemos na região sul, que são muito diferentes do que recebemos no centro-oeste e assim por diante. Nós acreditamos que de fato há infinitas possibilidades para explorar positivamente a cultura”, ressalta.

Além disso, Marina afirma que a política de investimento do Grupo é voltada a proporcionar acesso e democratização cultural. Por isso, um dos critérios de seleção do edital é a produção descentralizada das capitais. “O nome da CCR não aparece em grandes produções do teatro, por exemplo. Nós queremos trabalhar naquela comunidade que nunca foi ao cinema, que não teve oportunidade de ir ao teatro e com o pessoal de escola municipal pública que está em formação porque acreditamos que é esse público que, uma vez impactado, pode fazer diferença.”

A diretora do Instituto defende que a própria iniciativa do edital é uma forma de trabalhar pela democratização da cultura, uma vez que proponentes que não têm contato com o Grupo CCR podem inscrever suas ações. “A nossa política de investimento social existe desde 2002, mas em 2019 iremos completar cinco anos de Instituto. É a consolidação de vários trabalhos bacanas que já realizamos.”

Participação

Cada proponente pode inscrever diferentes projetos, desde que se encaixem nas condições do edital. A principal delas é estar aprovado na Lei Rouanet (artigo 18) e publicado no Diário Oficial da União (DOU).

Além disso, é necessário que as propostas tenham o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), ou seja, sejam sediados em um dos 265 municípios listados no regulamento do edital ou nas capitais Salvador, Campo Grande, Belo Horizonte, Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. No caso de sede em alguma capital, é obrigatória a realização de atividades no interior do estado.

Projetos que já estão em andamento podem participar da seleção, mas o edital determina que o recurso seja utilizado para ações a serem desenvolvidas no ano de 2020. Além disso, as propostas realizadas em algum dos municípios listados não têm obrigatoriedade de realizar atividades também nas capitais, com exceção de projetos da Bahia que, se realizados no interior, também precisam atender a capital Salvador.

Boas práticas

O edital abrange atividades em inúmeras áreas relacionadas a cultura. Para exemplificar, Marina cita o caso da Acesa Capuava, uma organização localizada na região de Campinas que trabalha para o desenvolvimento de crianças e jovens com algum tipo de deficiência intelectual ou física.

O caso ganhou um episódio na série Iniciativas que vão chegar lá, do Instituto CCR. O vídeo conta a história de Jakson Salvadeo, jovem de 19 anos que, apesar de não ser alfabetizado, tem uma sensibilidade para desenhar, habilidade encorajada pelo projeto. “Ele começou a desenvolver trabalhos como os de um estilista. Inclusive, foi convidado para apresentá-los em uma edição do São Paulo Fashion Week.”

Seleção

As proposta serão avaliadas em duas fases. No primeiro momento, passarão pelo crivo de representantes das unidades de negócio do Grupo CCR em áreas como comunicação, relações institucionais e responsabilidade social. Já na segunda fase, serão avaliadas por uma comissão formada por presidentes das empresas do Grupo (CCR Lam Vias, CCR Infra SP, CCR Mobilidade e CCR Aeroportos), diretores do Instituto CCR e outros funcionários.

Entre os critérios que serão considerados para a seleção estão: ação alinhada às áreas de atuação do Instituto CCR, atuação local do projeto, ação específica para o público-alvo, relevância do projeto dentro da comunidade, atendimento de pessoas com necessidades especiais, contrapartidas, entre outros.

Ao todo, estão disponíveis R$ 4,2 milhões para serem destinados às propostas. Cada uma delas poderá receber até R$ 300 mil e a decisão ficará a cargo do Instituto CCR. Projetos com valor superior a R$ 300 mil, entretanto, também podem se inscrever. Basta indicar no momento da inscrição quais etapas custariam esse valor, além de suas contrapartidas.   

Inscrição

As inscrições, abertas até 21 de fevereiro, podem ser realizadas neste link. A divulgação do resultado da chamada de projetos será realizada até agosto de 2019 no site do Instituto CCR.

Eventuais dúvidas podem ser esclarecidas nas Perguntas Frequentes (FAQ), disponíveis no regulamento do edital ou enviadas para o e-mail [email protected].   

Associados

Notícias relacionadas