Famílias da Região Amazônica recebem apoio da Fundação BB para trabalhar com látex

Investimento social está sendo usado na aquisição de veiculo, equipamentos, maquinas e treinamentos  

A tecnologia social Encauchados de Vegetais da Amazônia, do Polo de Proteção da Biodiversidade e Uso Sustentável dos Recursos Naturais – Poloprobio foi destaque no Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social de 2007. Vencedora há mais de uma década, a metodologia segue contribuindo no desenvolvimento social e sustentável de  moradores de comunidades indígenas, ribeirinhas, quilombolas e de assentados da reforma agrária.

Este ano, a entidade foi contemplada no edital de Reaplicação de Tecnologias Sociais (Reaplica TS), da Fundação Banco do Brasil e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), para promover a inclusão socioprodutiva de famílias de agricultores em situação de vulnerabilidade social, auxiliando na renda, com cidadania e respeito a cultura local. A ação está beneficiando moradores de 75 comunidades de municípios paraenses.

A metodologia Encauchados de Vegetais da Amazônia combina técnicas indígenas no manuseio do látex para a produção da borracha. O líquido vulcanizante, que não deixa o látex perder a elasticidade e coagular, foi desenvolvido pelo pesquisador Francisco Samonek. O material misturado com fibras vegetais é usado na fabricação de toalhas de mesa, tapetes, sousplat (acessório utilizado como base para prato, que ornamenta o ambiente da refeição e protege a toalha de mesa), centros de mesa, porta-trecos, embalagens, bolsas, camisetas pintadas em blockprint (impressão xilográfica) com látex pigmentado, 50 variedades de folhas, marcadores de textos, estofamentos para móveis, biojoias, mantas decorativas, fios emborrachados, solados para calçados, chinelos, sandálias e palmilhas.

O investimento social de quase R$ 1 milhão está sendo usado na aquisição de equipamentos para coleta do látex, máquinas de costura, moldes para o artesanato, treinamentos em sangria, artesanato, corte e costura, biojoias e na compra de um carro. Serão beneficiadas 1.750 pessoas de 75 comunidades dos municípios paraenses de Acará, Anajás, Belém, Belterra, Breves, Castanhal, Curralinho, Inhangapi, Oriximiná, Santarém e São Francisco do Pará.

As mulheres ocupam mais que o dobro das colocações e abraçam a oportunidade como alternativa para a independência financeira. “Com mais essa parceria com a Fundação Banco do Brasil, buscamos o empoderamento e a emancipação das mulheres para obterem uma renda complementar, de forma contínua. Além disso, estamos proporcionando qualificação profissional para homens e mulheres”, destaca Maria Zélia Machado Damasceno, artesã, instrutora nos cursos de artesanato e coordenadora pedagógica dos Encauchados.

Maria Zélia também explica que a iniciativa traz benefícios não só para as famílias, mas também para o meio ambiente. “Para cada quilo de borracha produzido, um hectare de floresta é mantido em pé. Ao se qualificar profissionalmente, o agricultor/a familiar se habilita a se credenciar como produtor de borracha orgânica junto ao Ministério da Agricultura. Esse material é produzido por meio de uma tecnologia social que elimina a necessidade de uma usina de beneficiamento para que possa ser utilizado nas indústrias”, disse. A coordenadora faz pontuações importantes – “Para beneficiar um quilo da borracha na usina seriam gastos, no mínimo, 10 litros de água, pois a borracha convencional contém muitas impurezas e contaminações por microorganismos. A água que seria utilizada geraria efluentes que precisariam ser armazenados e tratados antes de serem devolvidos ao ambiente. Enquanto a borracha do produtor orgânico vai direto para a fábrica sem nenhum tratamento e transforma-se em produtos de mercado”-, finaliza.

Além do Poloprobio , o edital selecionou entidades das regiões do país – cinco do Nordeste, duas do Norte, duas do Sul, uma do Centro-Oeste e uma do Sudeste. Os valores disponibilizados variam entre R$ 500 mil e R$ 1 milhão por proposta. As entidades com diretorias compostas por, no mínimo, 50% de mulheres ou que possuam tecnologia social certificada pela Fundação BB receberam bonificação extra, conforme os critérios do certame. O investimento total na seleção foi de R$ 10 milhões. Acesse aqui para conhecer todas entidades habilitadas no Replica TS.

 

Notícias relacionadas

Fundação BB ganha prêmio Aberje com a proposta do Programa Integridade

A Fundação Banco do Brasil ganhou o Prêmio Aberje regional Minas Gerais e Centro-Oeste na categoria Ética, Integridade e Compliance.  A conquista veio por meio da apresentação do Programa de Integridade – um documento que reúne dispositivos para prevenir e detectar ocorrências de fraudes, corrupção e desvios de conduta.

Fundação BB e parceiros premiam iniciativas por transformações sociais

As tecnologias sociais vencedoras do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social foram conhecidas na quarta-feira (16). As primeiras colocadas são dos estados de Alagoas, Paraíba, Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Sul (2) e do Distrito Federal. A vencedora da categoria internacional é da República Dominicana.

Ações que promovem amamentação, saúde de gestantes e visitação na primeira infância são finalistas do Prêmio Fundação BB

Entre as 24 finalistas do Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social deste ano, três estão diretamente ligadas ao desenvolvimento da primeira infância. A premiação inédita busca identificar tecnologias sociais que promovem ações de desenvolvimento infantil (linguagem, cognitivo, motricidade e socioafetividade), o fortalecimento de vínculos familiares e o exercício da parentalidade.

Apoio institucional