Grupo de Conhecimento se estrutura para debater produção de dados e informações do campo do ISP e sociedade civil

Com a premissa de reunir organizações de referência relacionadas à produção de dados e informações sobre o campo do Investimento Social Privado (ISP) e da sociedade civil para estimular um ambiente de troca, articulação e cooperação que possibilite uma atuação como setor, um grupo de organizações formou em 2018, por estímulo do GIFE, o “Grupo de Conhecimento no ISP”.

Com alguns encontros estratégicos realizados no ano passado, a iniciativa ganha força em 2019. O  objetivo geral do grupo é contribuir para o fortalecimento da infraestrutura de investimento social privado no país por meio do aprimoramento e aumento da capacidade de produção de conhecimento sobre o campo.

Dentro das possibilidades e projetos específicos das organizações participantes, levanta-se um leque de ações com a participação de diferentes atores: ABCR, Comunitas; Fundação Getulio Vargas (FGV); GIFE; Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); Instituto de Cidadania Empresarial (ICE), Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social (IDIS);  Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Rede de Filantropia para a Justiça Social e Wings.

Sendo assim, são dois os desdobramentos do Grupo de Conhecimento. De um lado estão as ações concretas e/ou mais imediatas, a partir do trabalho em temas e projetos já existentes. Entre as possibilidades estão a troca de dados e informações, a retomada do catálogo de pesquisas sobre o campo e elaboração conjunta de um Boletim de Análise Político Institucional (BAPI) – modelo de publicação do IPEA – para configurar um panorama geral sobre as pesquisas da área. Do outro lado, está o preenchimento de lacunas e a criação de uma nova agenda do grupo.

Encontros

O primeiro encontro, realizado em junho de 2018, serviu para que algumas diretrizes fossem definidas. Sistematizar o conhecimento difuso sobre o campo e elaborar projetos conjuntos são algumas possibilidades, assim como o fortalecimento de instituições de produção de conhecimento, consolidação de bases de dados compartilhadas e apoio para nutrir esforços de bases de dados públicas.

Entre os temas centrais para o grupo estão aqueles relacionados a repasse voluntário de recursos privados para fins públicos. Por isso, nas lacunas e demandas relacionadas à produção de conhecimento, foram levantadas questões que podem ser melhor exploradas, como dados sobre pequenas e médias organizações, a necessidade do fortalecimento do grantmaking no Brasil, maior conhecimento sobre a heterogeneidade das organizações da sociedade civil (OSCs), alcançar maior compreensão sobre investidores sociais e doadores, entre outros temas.   

Em um segundo encontro, foram definidos dois grandes destaques. Um deles é a necessidade de mobilização e atuação conjunta para que o grupo atinja bem os seus objetivos. Uma das possibilidades é o compartilhamento de informações, que permite um trabalho mais integrado e articulado. O outro é o movimento de pensar em temas e formas de atuação que unam todas as organizações para além dos interesses de cada instituição.

O terceiro encontro do grupo serviu para que os participantes levantassem possíveis consequências da atual conjuntura política do país para o setor e qual seria o papel da produção de conhecimento nesse contexto em que reforçar a importância e a função social das organizações da sociedade civil ganha um novo destaque. Debateu-se a necessidade de encontrar novas narrativas e estratégias de comunicação para garantir a produção, a transparência e a publicização das informações do setor.

Além disso, as principais pesquisas e trabalhos de produção de conhecimento dos membros do grupo foram apresentadas no sentido de compartilhar conhecimento, buscar sinergias e identificar lacunas. Foram apresentadas: Benchmarking do Investimento Social Corporativo (BISC), da Comunitas; Censo GIFE, As Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos (FASFIL) do IBGE;  Programa Academia do Instituto de Cidadania Empresarial (ICE); pesquisas do Projeto Sustentabilidade Econômica das OSCs e demais linhas de atuação da Coordenadoria  de Pesquisa Jurídica Aplicada da FGV Direito SP; projeto de Pesquisa sobre Grantmaking da Rede de Filantropia para a Justiça Social; Censo ABCR e pesquisas sobre o Dia de Doar (Giving Tuesday), da ABCR, Perfil das Organizações da Sociedade Civil no Brasil, do IPEA e pesquisas sobre doação, do IDIS (World Giving Index 2017; Pesquisa Doação Brasil 2015 e Country Giving Report 2017– Brasil).

Notícias relacionadas

Com nova plataforma de conteúdo e chamada de artigos, GIFE inova na produção de conhecimento em 2018

Depois de falar sobre os destaques gerais de 2018, o que aconteceu nas Redes Temáticas e regionais, a produção em termos de comunicação e audiovisual e a série “O que o Investimento Social pode fazer por…?”, também é preciso listar as produções de conhecimento do GIFE e de seus parceiros durante o ano. Entre as iniciativas desenvolvidas durante o ano estão o novo SINAPSE, chamada de artigos e publicação sobre negócios de impacto.

IPEA e GIFE conectam ferramentas de governança e transparência

O GIFE e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) inovam ao conectar as plataformas do Painel de Transparência e os Indicadores de Governança com o site do Mapa das OSCs, produzido pelo Ipea.  Com a conexão, os associados do GIFE agora podem acessar sua página no Mapa das OSCs diretamente da sua página de associado no site do GIFE, bem como nas páginas das organizações no Painel de Transparência.

Cinco destaques da agenda do GIFE em 2018

Reveja as principais ações do ano implementadas com finalidades de aprimoramento e evolução do setor nas esferas de ambiente, conhecimento, cooperação, inovação, fortalecimento, fomento e disseminação.