Instituto SEB de Educação chega ao GIFE para colaborar e aprender

Sustentabilidade, educação, inovação e empreendedorismo social. Esses são os quatro pilares que sustentam e guiam a atuação do Instituto SEB de Educação, novo associado ao GIFE.

José Luiz do Carmo, diretor da instituição, explica que a preocupação da família Zaher, fundadora do Grupo SEB, com o terceiro setor constitui uma das razões para a fundação do Instituto, criado para reunir as ações sociais que eram promovidas pelo Grupo. Com o estatuto de 2015, as atividades tiveram início em 2016, em Ribeirão Preto, no interior do estado de São Paulo, e a missão do Instituto ficou definida como o engajamento, por meio de uma educação inovadora, de crianças e jovens, para que se tornem protagonistas do desenvolvimento sustentável da sociedade.

“Em 2015, a família adquiriu um prédio histórico em Ribeirão Preto. É uma antiga fábrica da Cia. Paulista de Cerveja que fica em um prédio tombado, muito bonito e de construção centenária, que estava em um processo de decadência. Nós temos muito cuidado com a preservação e modernização do local. Hoje, concentramos todas as atividades que o Grupo SEB realizava pontualmente neste prédio que chamamos de A Fábrica”, explica José Luiz.

Projetos

Muitas das ações realizadas no espaço-sede do Instituto SEB ou que são administradas pela organização têm um cunho educacional. É o caso do Centro de Formação Integral da Criança (CEFIC). O diretor ressalta que esse é um dos projetos que já eram realizados pela família Zaher antes mesmo da criação do Instituto.

“Há 15 anos, o Grupo SEB acolheu uma das creches municipais em um dos bairros de maior fator de risco de Ribeirão Preto. A partir do instante em que o Instituto foi fundado, o CEFIC passou a ser uma responsabilidade dele. É uma creche municipal, mas nós somos responsáveis pelo ambiente. Além de termos reformado o espaço, fornecemos alimentação e uniforme para as crianças e auxílio para as famílias e professores.”

Outro programa desenvolvido no pilar educação é o NAU Vestibular, um cursinho preparatório gratuito. “É um curso inteiramente voluntário destinado a jovens que estão cursando o terceiro ano do Ensino Médio ou que já terminaram a escola. Ele foi realizado pela primeira vez em 2018 e, de uma turma de 100 estudantes, tivemos 35 aprovações em faculdades públicas.”  

Com um cunho de programa social, o NAU Mercado de Trabalho também destina-se a jovens, mais especificamente àqueles que buscam oportunidades de emprego. José Luiz explica que, duas vezes por ano, o Instituto SEB divulga em seus canais de comunicação a abertura das inscrições para o projeto de capacitação profissional, que destina-se especialmente a jovens com baixa renda mensal, desempregados e/ou alunos de escolas públicas.

“A partir de um trabalho com psicólogos e orientadores, o curso ensina os alunos a como se vestir, como se portar em entrevistas de emprego, como montar um currículo, como fazer uma apresentação de trabalho e outros pontos. Eles ficam seis meses com a gente no Instituto e depois têm mais seis meses de acompanhamento. O nosso índice de empregabilidade chega em torno de 40%”, conta o diretor.

Também voltado à comunidade, o Mentoria Social é um programa de fomento, fortalecimento, capacitação e auxílio a organizações da sociedade civil (OSCs) de Ribeirão Preto. As OSCs identificadas pelo Instituto recebem orientação e suporte para melhorar sua estrutura, gestão administrativa, financeira, contábil e de projetos, aprimorar a formação técnica e captação de recursos e ampliar a capacidade de atendimento. O objetivo principal do projeto é estimular o desenvolvimento do setor, que pode melhorar a qualidade de vida da população.

“Representantes das organizações passam seis meses no Instituto participando de palestras e outras vivências. Depois, têm mais seis meses de acompanhamento em suas instituições para verificar se as ações estão sendo implementadas. O projeto está no primeiro ano de funcionamento e nós trabalhamos com 20 OSCs de Ribeirão Preto.”

Outras ações

Para cumprir sua intenção de ser um polo irradiador de cultura e educação, o Instituto SEB também realiza outras iniciativas, como o espaço maker e de robótica, com ferramentas para disseminar a cultura da robótica e das atividades ‘mão na massa’. “Temos projetos de educação tanto para alfabetização de adultos, quanto parcerias com universidades visando à produção de pesquisas e de conhecimento sobre novas formas de aprendizado”, exemplifica José Luiz.

Outra iniciativa é o Quem Inova, parceria entre o Instituto SEB, a Escola Concept e o Catraca Livre com o objetivo de unir três temas relevantes para uma educação inovadora: educomunicação, inovação e impacto social. Segundo o diretor, grupos de alunos de escolas localizadas em Ribeirão Preto, São Paulo e Salvador escolhem uma comunidade a ser trabalhada durante o ano. Depois de um trabalho de pesquisa, organiza-se uma atividade em conjunto a ser realizada no local escolhido. Posteriormente, os alunos realizam entrevistas e produzem textos sobre as experiências, que são publicados no site do projeto.

Aprendizado e associação ao GIFE

Criado em 2015, mas em funcionamento desde 2016, o Instituto SEB é considerado uma organização nova. Por ser originária de um grupo que trabalha com educação privada, José Luiz argumenta que o Instituto tem muito a aprender a partir da atuação com outros públicos. “O SEB é uma instituição de ensino que trabalha há 50 anos com educação. Está dentro do nosso DNA aprender com a prática. Então, o CEFIC, por exemplo, é hoje uma instituição reconhecida, mas nós precisamos aprender com a própria comunidade a trabalhar com ela. Todos os nossos projetos vêm de muita pesquisa nas comunidades para verificar quais são as reais necessidades.”

Sobre a associação ao GIFE, José Luiz argumenta que uma das maiores motivações do Instituto SEB é a vontade de fazer parte de um grupo de organizações com quem possa dividir aprendizados e conhecimento.

“Quem trabalha nesse setor sente uma solidão muito grande. Nós fazemos as pesquisas ao nosso redor, mas sentimos a necessidade de fazer parte de um grupo maior, para que possamos ampliar os horizontes. O GIFE é o grupo reconhecidamente mais importante do país nesse sentido. Ele congrega instituições de altíssima qualidade e grande alcance. Como trabalhamos em educação, acreditamos naquilo que chamamos de colaboração criativa: ninguém sabe tudo sobre tudo. Então é de extremo interesse participar de uma organização com o alcance e capilaridade do GIFE e contribuir com a nossa visão de educação e de interventor social em comunidades. Esperamos contribuir e receber do GIFE essa colaboração criativa porque juntos podemos um pouco mais do que sozinhos”, ressalta o diretor.  

Notícias relacionadas

Casa Familiar voltada à educação de jovens do Baixo Sul da Bahia recebe Prêmio ODS Brasil

A Casa Familiar Agroflorestal (Cfaf), escola técnica integrada ao Ensino Médio localizada em Nilo Peçanha (BA), foi reconhecida com o Prêmio Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) Brasil após ter sido selecionada entre mais de mil participantes. Apoiada pela Fundação Odebrecht por meio do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade (PDCIS), a Cfaf ficou em 2º lugar na categoria “Instituições de Ensino, Pesquisa e Extensão”.

Fundação Salvador Arena busca projetos de educação, saúde e assistência social

Estão abertas as inscrições para o Programa de Apoio a Projetos Sociais (PAPS) da Fundação Salvador Arena (FSA), que tem como objetivo fortalecer o terceiro setor a partir do apoio a organizações sem fins lucrativos de São Paulo e suas causas. Na edição de 2019 da chamada poderão participar projetos que contribuam para a proteção, promoção e desenvolvimento de populações em situação de vulnerabilidade e risco socioeconômico. As ações podem ser desenvolvidas em três áreas: educação, assistência social e assistência social na área da saúde.