GIFE inicia campanha para nova coleta do Censo e divulga novidades

Uma nova edição do Censo GIFE será divulgada ainda em 2019. Por isso, o Grupo de Institutos, Fundações e Empresas deu início a uma campanha para obter o maior número de respostas que ajudarão a compor o cenário do investimento social privado no Brasil.

Desde 2001, o GIFE realiza o Censo GIFE, uma das principais pesquisa sobre investimento social privado (ISP) do Brasil. As informações, coletadas bienalmente junto aos investidores sociais, buscam traçar um panorama de como e quanto se investe no Brasil, quais são as estratégias e perfil dos projetos e programas desenvolvidos e sobre a estrutura das organizações de diferentes origens  – empresarial, familiar, independente e comunitária – que investem recursos privados em ações de finalidade pública.

No Censo GIFE 2016, por exemplo, 116 organizações – 90% dos 129 associados ao GIFE na época -, responderam a questões relativas a suas atividades e estrutura em 2016. Da amostra, 15% são empresas, 53% institutos e fundações empresariais, 19% familiares e 14% independentes e comunitárias. Cada edição do levantamento gera uma grande quantidade de dados e informações. A fim de explorar esse volume, o GIFE produziu inúmeros produtos com recortes variados a partir da informação coletada em 2016.  

Um deles é um conjunto de infográficos alinhados às oito agendas estratégicas do GIFE: 1. alinhamento do investimento social às políticas públicas, 2. alinhamento entre investimento social e o negócio, 3. ampliação da doação no investimento social privado, 4. avaliação; 5. comunicação, 6. fortalecimento das organizações da sociedade civil, 7. governança e transparência e 8. negócios de impacto social. Cada arquivo reúne informações sobre determinado tema em textos curtos e gráficos diversos.

Novidades

A edição de 2018 terá novidades tanto em sua estrutura quanto nos recortes temáticos e na forma de divulgação dos resultados.

As perguntas estão divididas em sete blocos temáticos: 1. dados gerais, 2. governança e gestão, 3. recursos financeiros, 4. estratégias de atuação, 5. projetos e programas, 6. monitoramento e avaliação e 7. Comunicação. O modelo de coleta dos dados permanecerá o mesmo da edição passada: o questionário será enviado por e-mail e não precisa ser respondido em uma única vez, permitindo diversos acessos, inclusive por mais de uma pessoa simultaneamente, desde que em blocos diferentes. O questionário online será enviado em breve e apresenta aprimoramentos em relação à última edição com o objetivo de facilitar o processo de preenchimento.

Graziela Santiago, coordenadora de conhecimento do GIFE, afirma que uma das grandes mudanças temáticas está no bloco de programas e projetos, dando continuidade ao processo de aperfeiçoamento desse bloco iniciado já na última edição do Censo. Esse processo busca produzir informações mais específicas e detalhadas sobre como os investidores sociais estão de fato atuando em seus projetos e programas. Nesta nova edição o GIFE quer que o respondente possa escolher diversas formas de respostas e tenha mais possibilidades para identificar seu foco de atuação. “Isso aumenta o leque de respostas possíveis e a caracterização por parte do próprio respondente a partir do seu foco de atuação. Estamos tentando deixar o questionário um pouco mais específico e adaptável à realidade de cada organização.”

Já sobre os temas, são alguns outros temas nos quais o GIFE tem intenção de se aprofundar tanto durante a coleta dos dados, quanto em sua análise posteriormente são: inovação, escala, atuação em rede, transparência, prevenção de risco e gestão de crise.

Além do processo de coleta e análise, a etapa de divulgação também terá melhorias. “Queremos apresentar os dados de uma forma mais dinâmica, objetiva e atrativa, investindo em modelos como os infográficos”, explica Graziela. Segundo a coordenadora, organizar as informações em diferentes formatos permite o acesso a diferentes públicos e a ampliação do uso dos dados, pois cada grupo tem um interesse diferente em relação ao Censo.

“Com os infográficos, por exemplo, queremos tornar os dados mais acessíveis, amigáveis, palatáveis e interessantes para quem não está acostumado a trabalhar com dados ou entender gráficos. Eles possibilitam a compreensão fácil e ágil da mensagem principal de cada temática. Ao mesmo tempo, a publicação principal traz dados mais analíticos para aqueles que querem entender de forma mais detalhada alguma questão específica ou querem se aprofundar nos temas do Censo como um todo.”

Graziela afirma ainda que o objetivo da organização é estimular que outros atores e setores como a academia, por exemplo, usem o Censo e o façam de forma mais constante, não só logo após sua divulgação, mas também nos meses seguintes. Para isso, o GIFE também disponibiliza tabelas com todas as perguntas e respostas e os cruzamentos de informações para aqueles que querem explorar dados que não estão na publicação.  

Relatórios de Comparação

Além de fornecer dados que ajudam a compor o cenário atual do investimento social privado no Brasil, os respondentes da pesquisa têm outros benefícios. Cada um que disponibiliza suas informações e empenha tempo para responder o questionário recebe um relatório de comparação entre suas respostas e as respostas do grupo. “É um relatório curto, e é interessante porque, por ser personalizado, ajuda as organizações a se perceber diante do todo e contribui para seus processos de tomada de decisão e definição estratégica”, reforça Graziela.

Um modelo do relatório de comparação pode ser encontrado aqui.

Disseminação de dados individualizados

Apesar de toda a análise dos dados ser feita de forma agregada, garantindo a confidencialidade das informações fornecidas pelas organizações, Graziela afirma existir uma demanda recorrente por parte dos investidores sociais por maior articulação, mais trocas e aprendizados e por identificação e disseminação de boas práticas e cases. Nesse sentido, em alguns pontos pré-determinados, o GIFE solicitará autorização para identificar nominalmente as organizações e, com isso, poderá produzir leituras e bases de dados online que apresentem os dados de forma individualizada possibilitando conexões entre os atores do campo

Conexão com a Pesquisa Organizacional

Às novidades do Censo somam-se convergências com outros materiais e atores. Para essa próxima edição, o GIFE está buscando um maior alinhamento do Censo à Pesquisa Organizacional, antiga Pesquisa de Remuneração Total, que trata das práticas e tendências de remuneração e gestão de pessoas no campo social brasileiro.

“A pesquisa trata de cargos e salários, políticas de recursos humanos, governança e gestão de pessoas. Estamos trazendo para dentro do Censo dados que são coletados na Pesquisa Organizacional, que também vai mudar de modelo: se antes era restrita a quem pagava por ela, agora vai ser aberta a todos os respondentes do Censo ,” explica Pamella Canato, coordenadora de desenvolvimento institucional do GIFE.  

Com isso, a ideia é aumentar a base de respondentes da pesquisa, aproximando da base do Censo, o que possibilitará cruzamentos e análises. Além de análises sobre os temas da pesquisa que serão incluídas nos produtos do Censo, a pesquisa organizacional produzirá também uma publicação específica e cada respondente terá acesso a um sistema, no qual pode comparar suas práticas com as do setor, garantindo a confidencialidade do dado de cada organização. O resultado da pesquisa pode servir como ferramenta estratégica de avaliação organizacional e criação de cenários para tomada de decisão.

Notícias relacionadas